Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O verdadeiro custo Brasil

O verdadeiro custo Brasil

11/04/2012 José Estevão Cocco

Há várias décadas que ouço falar do tal de Custo Brasil.

E também há várias décadas e vários governos que se insiste em desconsiderar o assunto. Cada vez que a indústria chora, providencia-se uma mamadeira morna e tudo fica por isso mesmo. De medidas pontuais em medidas pontuais vai se empurrando com a barriga. Medidas protecionistas e reservas de mercado que apenas pioram a situação. Nos primórdios da Informática, nosso mercado ficou totalmente fechado beneficiando um grupo ou outro. Telefones a preços escorchantes, computadores idem.

O contrabando comendo solto. Após esses 20 anos, como não dava mais como segurar, foi semiaberto o mercado. Como não tivemos desenvolvimento no setor, não tivemos produtos nem mão de obra especializada. Agora se fala em subsídios para fabricação de semicondutores no Brasil. Não é o fim da cara de pau!? Esse exemplo se aplica a centenas de outras atividades. Inclusive e principalmente na indústria automobilística no episódio das carroças. Esse novo pacote de "bondades" feericamente apresentado como salvação da Pátria, teve a pior repercussão possível.

A chiadeira foi unânime. De que adianta baixar o custo da folha de pagamento de maneira absolutamente enganosa? O valor da folha de pagamento tem embutidos os verdadeiros e exorbitantes custos da mão de obra no Brasil. Esses custos englobam o 13º, os 10 dias em dinheiro além dos 30 dias de férias, o famigerado FGTS e os absurdos 60% de multa na dispensa do funcionário relapso e sem qualquer comprometimento com a empresa, desestimulando a meritocracia, os custos obrigatórios com sindicatos patronais e de empregados, o recente acréscimo de mais um mês de aviso prévio de acordo com a quantidade de anos trabalhados, o custo exorbitante e extra de assistência médica apesar do recolhimento ao INSS, os custos de formação da mão de obra - obrigatoriedade do governo, mas arcado pela empresa - que qualificam o funcionário que, depois de treinado/formado vai em busca de outra empresa.

Além de tudo isso, as empresas brasileiras ainda são obrigadas pela falta do governo a proverem cursos educacionais e creches, etc., etc , etc... Mas o pior de tudo isso é o que realmente fica no bolso do trabalhador. Faça as contas subtraindo do total do custo dos empregados o valor líquido que o funcionário recebe! É um absurdo e inacreditável. Menos do que cerca de 30%. Se uma empresa gasta, por exemplo, R$ 100,00 com determinado funcionário, o valor que ele recebe é de menos do que R$ 30,00! O restante é do governo. Se não existisse essa parafernália toda, os 70% que não chegam ao trabalhador poderiam dobrar o valor líquido de seus salários. Essa sim seria uma maneira de valorizar o trabalho, tirando de circulação os sanguessugas da massa trabalhadora e os burocratas de plantão permanente.

E, ainda, livraria as empresas de seus batalhões de funcionários dos RHs que, por maiores e especializados que sejam, não conseguem acompanhar a avalanche de leis, normas, resoluções, acordos e tudo o mais. Portanto os 20% do INSS, que abatido o percentual do faturamento, viram menos do que 9% e, assim mesmo, para alguns segmentos. O trabalhador brasileiro é muito "protegido" e muitíssimo mal pago. E caríssimo para a empresa. Vide as estatísticas mundiais recentemente publicadas.

*José Estevão Cocco é publicitário e diretor presidente da J.Cocco Comunicação Integrada de Marketing.



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso