Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Olimpíadas em Tóquio: para quem será o pódio?

Olimpíadas em Tóquio: para quem será o pódio?

23/07/2021 Petrônio Souza

Esporte é saúde. A realização das Olimpíadas em Tóquio neste momento, um equívoco. Esporte é conjunto, duelo, parceria, não distanciamento.

Não haverá a tão sonhada e desejada confraternização entre os povos, apenas o confronto solitário entre adversários, a protocolar premiação.

Um palco de dimensões mundiais, reduzido à disputa pontual. Um despropósito. É o peso da grana e dos contratos destruindo as coisas belas, sem as cores, abraços, gritos, gestos, festejos e afagos de outras primaveras. Uma pena!

Secular em sua fase moderna, as Olimpíadas foram criadas na Grécia Antiga, com a proposta de celebrar e exaltar os deuses, tendo como ponto final as limitações do homem.

A constatação de como são pequenos os mortais, diante dos feitos e possibilidades divinos. Era uma forma muito sofisticada e sutil de o estado dizer que era bem maior que o cidadão. Nessa época, esportistas eram vistos como heróis e imortalizados em fábulas e poemas.

Se no início as Olimpíadas evidenciavam a limitação física do homem, agora elas revelam a ilimitada ganância e obsessão humanas. E essas não têm fim, nacionalidade ou consideração ao próximo.

Vale lembrar que o povo japonês se manifestou contrário à realização do evento em seu país durante a pandemia mundial do novo coronavírus, com 70% da população se declarando contra.

O que ocorre no Japão hoje não é uma recepção, uma confraternização planetária, mas sim uma grande invasão, com reflexos e estranhamentos nas ruas, desvirtuando o sentimento e o sentido original das Olimpíadas.

Para agravar ainda mais o desrespeito ao povo japonês, o Comitê Olímpico Internacional - COI, realizador do evento, diante dos protestos, justificou a realização das Olimpíadas declarando que “não estamos indo para Tóquio, mas para as Olimpíadas”.

Diante dessas arbitrariedades, indago: Qual será o legado dessa edição dos jogos olímpicos para a história das Olimpíadas? Esporte é vida, não morte. Esporte é superação, não afronta.

Me parece claro que os jogos olímpicos no Japão sairão memores dessa edição fora de hora. Prova disso são os protestos realizados em Tóquio, onde se vê a bandeira olímpica, símbolo maior dos jogos, sendo estigmatizada.

Nos protestos, os cinco anéis entrelaçados harmoniosamente na bandeira oficial, cada um com uma cor, simbolizando os continentes do planeta, foram pintados com a imagem do coronavírus, jogando no lixo uma marca criada e consolida mundialmente ao longo das décadas.

Enquanto isso, sem falar um idioma sequer, sem levantar peso, correr a passos largos ou nadar, um vírus invisível e acéfalo evolui solitário, vencendo calado o maior e o mais forte dos mortais.

E ele não subirá ao pódio e nem será homenageado, apenas descerá calado ao fundo escuro da ‘frialdade inorgânica da terra’.

* Petrônio Souza é jornalista e escritor.

Para mais informações sobre Olimpíadas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.