Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

05/08/2020 Dinamara Machado

No país de bons brasileiros perguntamos: onde querem colocar o dinheiro da Educação?

Se você leitor paga Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD), Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto Territorial Rural (ITR), etc., sua contribuição ajudou na concretização do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

A Constituição Federal de 1998 exige que apliquem ao menos 25% de sua receita no desenvolvimento da Educação, apesar de reconhecer que uma política pública estipulou que o investimento em educação não acompanha o crescimento do PIB. Confuso, né!

De toda forma, a distribuição de recursos a partir do Fundeb, antigo Fundef, acontece mediante análise dos dados do último censo escolar, ou seja, os munícipios e o estados recebem os recursos de acordo com o número de estudantes nas diferentes etapas do ensino.

Os recursos alocados no Fundeb financiam os gastos na área educacional, com pagamento de professores, diretores, material didático (…), mas, não se pode pagar merenda escolar, professores em desvio de função e todos os demais itens do Art. 71 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Básica.

O Fundeb é um conjunto de 27 fundos (26 estaduais e 1 do Distrito Federal) que serve como mecanismo de redistribuição de recursos destinados à Educação Básica.

Muitas críticas e formas de interpretação da aplicação dos recursos são realizadas por grupos políticos, por sindicatos (…) e que se pese todos deveriam comungar da ética coletiva da preservação da educação das crianças e jovens em busca de um país mais igualitário, democrático e com objetivo de nação.

Os noticiários em diferentes canais nos últimos dias têm evidenciado o predomínio de alguns grupos conduzindo e produzindo a representação social.

Uns apontam que a partir da Lei nº 11.738, de 2008, que o salário dos professores está acima da média do piso da inflação.

E o do outro lado, o discurso da precarização da carreira docente, pois vivenciamos governos e empresas acabando com os planos de carreira, a implantação do mérito, ou ainda, percebemos a deterioração da infraestrutura nas escolas de Educação Básica.

Após anos de docência e gestão no ensino, afirmo sem medo do passado ou futuro nas minhas palavras, o Fundeb precisa e deve ser sempre uma política pública permanente, em que os atores educacionais precisam ser fiscais do dinheiro público e que cada cidadão precisa reconhecer em profundidade a escola de seu bairro, da sua cidade, do seu estado, pois existem várias interpretações das verdades e pós-verdades postas pela mídia.

A infinita diversidade da realidade e que precisamos ter em mente é que a hegemonia das estruturas de poder conduz para uma interpretação.

É complexo para compreender, mas vejamos que no ano de 2019, de acordo com site do MEC, tivemos R$ 165 bilhões de gastos, e no cotidiano para fazer a gestão da escola se recebe R$ 1,30 por dia para manter uma criança em tempo integral na escola pública e ser for conveniada particular, recebe R$ 1,10.

Para sabermos o gasto por estudante, basta calcular o valor exposto pelo número de dias letivos, ou seja, 200 dias multiplicado pelo investimento.

O infinito virtual produzido dentro das redes de relacionamentos dos políticos e os produtores da mídia precisam ser estabelecido numa perspectiva dialético-social como se estivéssemos na Ágora Educacional em tempos hodiernos, em que os cidadãos possam observar as falácias e as riquezas produzidas por quem faz de fato educação.

Desta maneira, nunca é tarde demais para lembrar o peso e o significado de termos recursos desde que utilizados de forma ética e responsável com as futuras gerações.

* Dinamara Machado é diretora da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação



Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.