Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Operação Venire, prevenção de Moraes e o caminho para nulidade

Operação Venire, prevenção de Moraes e o caminho para nulidade

05/05/2023 Marcelo Aith

Brasil acordou na última quarta (3) com a notícia de uma nova operação da Polícia Federal, que tinha como alvo o ex-Presidente da República, além de políticos e pessoas ligadas a ele.

O objeto da operação “Venire” era buscar elementos de prova da prática dos crimes previstos nos artigos 268 (infração de medida sanitária preventiva), 288 (associação criminosa), 299 (falsidade ideológica), 304 (uso de documento falso), 313-A (inserção de dados falsos em sistema de informações), todos do Código Penal e 244-B da Lei 8.069/90 (corrupção de menores).

Foram presos preventivamente Mauro Cesar Barbosa Cid, Luis Marcos dos Reis, Ailton Gonçalves Moraes Barros, João Carlos de Sousa Brecha, Max Guilherme Machado de Moura e Sergio Rocha Cordeiro.

Além disso, foram deferidas diversas buscas e apreensões, sendo um dos alvos a residência do ex-Presidente Jair Bolsonaro.

Uma questão deve ser feita: seria o Ministro Alexandre de Moraes competente automaticamente para análise da representação formulada pela Polícia Federal? Ou melhor, poderia ter sido distribuído por prevenção ao Ministro Alexandre?

Vamos lá! Não há dúvida que o STF é o órgão judicial competente na espécie para análise dos pedidos, uma vez que há uma autoridade com foro por prerrogativa de função dentre os alvos da operação.

Consoante se depreende da representação e da decisão, deputado federal Gutemberg Reis de Oliveira teve contra si deferida medida de busca e apreensão, razão pela qual a atração da competência para o STF, nesse momento processual, está correta.

Por outro lado, outra questão remanesce: foi correta a distribuição, por prevenção, da representação ao ministro Alexandre de Moraes? Nesse ponto, ouso me posicionar pela irregularidade da distribuição automática ao Ministro. Explico.

Alexandre de Moraes, ao iniciar sua decisão, destacou que a “presente investigação, conforme destacado pela Polícia Federal, identificou a constituição de uma associação criminosa para consecução de um fim comum, qual seja, a prática dos crimes de inserção de dados falsos de vacinação contra a Covid-19 nos sistemas SI-PNI e RNDS do Ministério da Saúde”.

A Polícia Federal, com um claro propósito de distribuir a representação por dependência ao ministro Alexandre de Moraes, destacou que “é preciso relacionar o presente contexto criminoso, com a estrutura da Associação especializada investigada nos autos do Inq. 4874/DF, focada nos objetivos de atacar integrantes de instituições públicas, desacreditar o processo eleitoral brasileiro, reforçar o discurso de polarização; gerar animosidade dentro da própria sociedade brasileira, promovendo o descrédito dos poderes da república; estimular a animosidade entre as Forças Armadas e os Poderes da República, além de outros crimes”.

Com o máximo respeito aos argumentos da PF, não há conexão alguma entre os fatos que resultaram no Inquérito 4874/DF, instaurado para investigar os atos antidemocráticos de 7 de setembro de 2021, com a “Operação Venire”, que teve como objetivo prática dos crimes de inserção de dados falsos de vacinação contra a Covid-19 nos sistemas SI-PNI e RNDS do Ministério da Saúde.

A distribuição por prevenção ao ministro Alexandre, na hipótese, fere o princípio do juízo natural, um dos mais caros direitos fundamentais preconizados na Constituição da República.

Assim, em respeito a esse princípio, a representação da PF (Petição nº 10.405/DF) deveria ter sido distribuída por sorteio a um dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

Dessa forma, todas as medidas que decorreram da decisão do ministro estão eivadas de nulidades e deveriam ser revistas pelo plenário do Supremo Tribunal Federal.

Há um grande risco de que fatos criminosos restem impunes pela sanha desenfreada do Ministro Alexandre de Moraes de se tornar um grande paladino da justiça.

* Marcelo Aith é advogado, Latin Legum Magister (LLM) em Direito Penal Econômico pelo Instituto Brasileiro de Ensino e Pesquisa (IDP).

Para mais informações sobre Polícia Federal clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas