Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Opinião: O desandar da carruagem democrática

Opinião: O desandar da carruagem democrática

02/06/2018 Francis França (DW)

Greve dos caminhoneiros mostrou que a democracia brasileira tem força para transformar o país, mas sociedade precisa decidir se é parte da solução ou do problema.

Opinião: O desandar da carruagem democrática

 Foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos. Os dez dias de greve dos caminhoneiros expuseram a desconcertante complexidade do Brasil. Em mais um dos soluços de revolta organizada que acometem a população de tempos em tempos, a sociedade civil brasileira demonstrou a sua força. E também suas contradições.

Os caminhoneiros precisaram de apenas quatro dias para deixar o governo de joelhos e desencadear uma crise de abastecimento no maior país da América Latina. Mostraram que, como eles mesmos disseram, são o sangue que corre nas veias do país.

Embora estivessem separados por milhares de quilômetros de estradas, grupos de caminhoneiros autônomos se organizaram pelo WhatsApp, nos moldes da Primavera Árabe, e dentro de dez dias conseguiram derrubar o preço do diesel e dos impostos.

A população apoiou em peso a causa dos caminhoneiros: segundo pesquisa do Instituto Datafolha, 87% dos brasileiros foram favoráveis à paralisação, mesmo sofrendo o impacto do desabastecimento.

Assim, o Brasil assistiu a uma tempestade democrática perfeita: cidadãos fazendo uso do seu direito a greve e manifestação, com livre acesso a ferramentas de comunicação, gozando de apoio popular e vendo suas demandas serem atendidas pelo governo. Tudo isso sem repressão ou violência. Um país exemplar.

Até a coisa desandar. Caminhoneiros em todo o Brasil fizeram campanha nas redes sociais e estamparam faixas pedindo uma intervenção militar. Usaram seu direito democrático à livre opinião para pedir medidas antidemocráticas e, basicamente, a volta da ditadura.

Felizmente, os próprios militares desprezaram publicamente o apelo e reafirmaram sua lealdade à Constituição. Agora só falta os brasileiros entenderem que não haverá um salvador da pátria. A única forma de "botar ordem neste país" é participar do processo político antes, durante e depois das eleições. Votar com responsabilidade e fiscalizar os políticos.

O "lado sombrio da Força" também se manifestou em supermercados e postos de gasolina. A solidariedade demonstrada com os caminhoneiros contrastou com a mesquinharia de comerciantes que passaram a cobrar preços extorsivos por produtos escassos. Ou de consumidores que se acharam no direito de comprar mais do que precisavam só para garantir o seu, não se importando que os outros ficassem sem.

E o que dizer desta contradição: dos 87% da população que apoiaram a greve, 87% disseram não querer pagar pelos 13,5 bilhões de reais necessários para honrar o que foi prometido aos caminhoneiros. Ora, num país em crise, com um déficit orçamentário de mais de 150 bilhões de reais previsto para 2018, o dinheiro tem que sair de algum lugar.

O governo resolveu então cortar do lado mais fraco: no saneamento básico, no sistema de saúde, nas políticas de combate à violência contra a mulher, na demarcação de terras indígenas, na inovação. E quando foi anunciado que programas sociais pagariam parte da conta, a população deu de ombros.

As últimas semanas mostraram que a democracia brasileira tem muito mais força do que pensa para transformar o país, mas a sociedade precisa decidir se será parte da solução ou do problema.

Faltam apenas quatro meses para as eleições de outubro. Ainda dá tempo de começar a construir o melhor dos tempos.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli