Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os 21 anos de combate permanente à Aids

Os 21 anos de combate permanente à Aids

26/11/2022 Wagner Dias Ferreira

É preciso estar vivo para experimentar os Direitos Humanos. A pandemia de COVID 19, em três anos, alcançou números alarmantes de mortes.

Mas, nos últimos 21 anos, a Aids esteve aí exigindo ações permanentes nas trincheiras de luta pela vida.

Em 1981, a humanidade se deparou com uma doença inexplicável que acometeu muitas personalidades públicas e abalou severamente as estruturas da sociedade que se consideravam inatingíveis à época.

De imediato, foi produzida uma reação de preconceito e discriminação, que depois foi corrigida pela própria marcha da doença que passou a alcançar toda a sociedade.

Sempre no dia primeiro de dezembro é lembrado o dia Mundial de Combate à Aids. Muitos de nós podemos estar tranquilizados pelo avanço científico que ao produzir os medicamentos conhecidos como antirretrovirais deu à doença ares de crônica.

No entanto, a doença é presente. E exige vigilância. Não comporta a hipocrisia do negacionismo. Precisa ser olhada de frente e combatida.

Há necessidade de campanhas fortes, permanentes e impactantes para que as gerações atuais compreendam a força destruidora da doença.

A maioria das pessoas que já eram adolescentes nos anos de 1980 viram muitos astros e estrelas abalarem o mundo com a notícia de sua contaminação e morte rápida.

Esse impacto estava esquecido pelos antigos e não conhecido pelos novatos na vida. Mas ele está lá. Latente e pronto para explodir no front novamente.

O enfraquecimento de políticas públicas de saúde e a negligência na aquisição de medicamentos pode comprometer severamente a contenção que se vem fazendo dessa doença.

Todos têm visto que foi realizado um verdadeiro desmonte do Programa Farmácia Popular que fornecia medicamentos para doenças crônicas como o diabetes e a pressão alta. Assustando aos que se tratam com antirretrovirais.

Com certeza, há necessidade de restaurar essas políticas. E nas políticas de fornecimento de medicamentos pelo SUS deve estar também a dos antirretrovirais.

E não basta fortalecer a política de fornecer medicamentos. É urgente que se retome as campanhas de conscientização para prevenção e para a adoção de comportamentos saudáveis.

Dessa forma, deve ser política de Estado, a ampla divulgação da necessidade de prática de atividade física, o fornecimento de acesso à orientação e a instrumentos para isso, a atitude de prevenção para vida saudável e sem descuidar do fornecimento de medicamentos para tratar as doenças já conhecidas.

E, em se tratando de saúde, é imprescindível que seja eliminada qualquer possibilidade de discriminação do doente, punindo severamente as manifestações preconceituosas ou discriminatórias.

A sociedade plural como proposta na Constituição da República não coaduna com comportamentos como aqueles que denominaram a AIDS em seu início de “praga gay” o que atrasou severamente a prevenção de todos e criou um ambiente inadequado para o combate à doença com seu reconhecimento precoce, já que as pessoas descuidam de fazer a testagem para não sofrer a discriminação.

Que os novos ares que hoje são respirados no país, no Estado e fora dele, cada vez mais, a sociedade compreenda que precisa ter um papel ativo nas ações de governo, propondo ações e fiscalizando as ações e os gastos ou investimentos públicos.

Sejam direcionadores nesse primeiro de dezembro de uma nova atitude em relação a essa velha pandemia que ainda é presente mas pareceu menos importante com a COVID 19.

* Wagner Dias Ferreira é advogado e Vice-Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MG.

Para mais informações sobre Aids clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.