Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os aluguéis pagos pelo governo

Os aluguéis pagos pelo governo

07/05/2019 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Os governos – federal, estaduais e municipais – têm o dever de economizar os recursos que chegam aos seus cofres.

Além de investir na reforma da Previdência – que atrai maior atenção – o governo federal busca o barateamento e, quando possível, a eliminação dos aluguéis pagos por seus cofres que, só neste ano, consumirão R$ 1,2 bilhão.

Por enquanto a medida é federal, mas o ideal seria se governadores e prefeitos também partissem para um programa de austeridade, evitando essa sangria nos recursos provenientes dos tributos recolhidos da sociedade.

Até porque, ao mesmo tempo em que milhares de imóveis são locados pelo poder público, existem outros milhares de propriedade oficial desocupados, que se deterioram e, além de perder o valor imobiliário, ainda causam problemas urbanos e sociais.

Fez bem a Presidência da República ao devolver o “escritório” que mantinha na Avenida Paulista, um dos endereços mais caros de São Paulo, local que, por inúmeras e não airosas razões, caiu na crônica política do país.

Assim como ele, milhares de outros estão espalhados pelo território nacional apresentando um luxo incondizente com qualquer repartição pública de uma administração que enfrenta dificuldades e fecha com deficit há anos.

Em todos os lugares é fácil encontrar comentários – verdadeiros ou não – de cidadãos que estranham o preço dos aluguéis pagos e afirmam serem os imóveis pertencentes a amigos, empresas ou instituições que têm relações com os governantes ou administradores responsáveis pela locação. É comum também se considerar que os valores desembolsados pelo poder público são acima dos de mercado.

A chegada da tecnologia com robotização de processos, digitalização dos antigos arquivos de papel e filmes, entre outras coisas, tornou obsoletos e ciosos muitos imóveis públicos e de empresas que se mudaram ou cessaram atividades e suas sedes ficaram sem função nem interessados.

O exemplo mais marcante é o das ferrovias que, sucateadas, deixaram de operar (pelo menos como faziam antes) e sua longa relação de imóveis – estações, escritórios, oficinas, armazéns e outros – abandonados e hoje a maioria deles em ruínas.

Com simples reformas, infinitamente mais baratas do que os aluguéis, poderiam ser recuperados e abrigar as repartições e serviços públicos. E por que assim não se procedeu? A essa altura, mais importante do que procurar culpados, é encontrar a solução que seja mais econômica.

Os governos – federal, estaduais e municipais – têm o dever de economizar os recursos que chegam aos seus cofres. Esse dinheiro, que é do povo, tem de ser prioritariamente aplicado nos serviços que o governo tem obrigação de prestar à população: Educação, Saúde, Segurança e outros.

Não pode ser desviado para beneficiar injustamente alguns e nem para dar a impressão, pela suntuosidade das repartições, de que vivemos num país rico. É preciso cortar todas as “gorduras” e buscar a eficiência. Fazer o máximo com o mínimo de desembolso...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann