Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os controversos e suas controvérsias

Os controversos e suas controvérsias

27/10/2019 João Alfredo Lopes Nyegray

O ano de 2019 tem sido, sem dúvidas, muito fértil para os noticiários políticos internacionais.

No Reino Unido, o Primeiro Ministro Boris Johnson está sendo acusado de mentir para a Rainha Elizabeth II, a monarca mais longeva da história britânica, para conseguir prorrogar a suspensão do Parlamento.

A ideia de Johnson era de, ao estender as férias parlamentares, conseguir aprovar a saída do Reino Unido da União Europeia sem um acordo claro e sem debates na Câmara dos Lordes e na Câmara dos Comuns. Seria, na prática, um hard Brexit.

Dentre as várias pedras no sapato do premiê está a questão da fronteira entre as Irlandas. Na ilha de mesmo nome coexistem a República da Irlanda, independente e membro da União Europeia, e a Irlanda do Norte – parte do Reino Unido.

A fronteira entre ambas as Irlandas têm aproximadamente 500 quilômetros, que até então não eram fiscalizados por funcionários aduaneiros ou alfandegários.

Com o Brexit, se tornaria necessária não apenas uma fronteira administrativa, mas também a fiscalização de pessoas, automóveis e mercadorias.

A medida de Boris Johnson, de recomendar à Rainha a suspensão do parlamento foi vista como um “ultraje constitucional”, e como uma forma de amordaçar os parlamentares contrários à saída da União Europeia sem um acordo.

Recentemente, uma corte escocesa classificou a medida do Primeiro Ministro de ilegal e o acusou de mentir à Rainha para se livrar de discussões com os questionadores do Brexit. Agora, Johnson está sendo visto como um líder totalitário e antidemocrático.

Do outro lado do oceano, Donald Trump também tem movimentado os noticiários. Primeiro, com a guerra comercial contra os chineses, que sacudiu as bolsas de valores e as economias de todo o mundo.

Produtos chineses passaram a pagar mais tarifas ao entrar nos EUA, da mesma forma que produtos estadunidenses tiveram sobretaxas para entrar na China.

Para países como o Brasil, que exportam em grande quantidade para China e Estados Unidos, esses entraves são muito preocupantes, pois podem afetar diretamente nossa balança comercial. Recentemente, no entanto, Trump indicou um recuo ao cogitar um acordo comercial preliminar com o país asiático.

Por fim – mas não por último – a Comissão de Justiça da Câmara dos Deputados aprovou a abertura de uma investigação contra Trump, o que poderia desembocar num processo de impeachment.

Por mais que um impeachment de Trump dificilmente seja aprovado em um senado de maioria republicana, o desgaste é inevitável – ainda mais há cerca de um ano das eleições presidenciais americanas.

Finalmente, no Brasil, as coisas não andam menos movimentadas. Depois das trocas de farpas entre Bolsonaro e o presidente francês Emanuel Macron, os franceses ameaçam boicotar o acordo comercial Mercosul-União Europeia.

Como se não bastasse, as queimadas na Amazônia continuam a reverberar mal no continente europeu, ferrenho crítico das políticas ambientais de Bolsonaro. Também por conta da questão ambiental, muitos consumidores europeus têm ameaçado boicotar produtos brasileiros.

Em paralelo, o filho do presidente Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, afirmou que “por vias democráticas” o Brasil não terá as mudanças das quais precisa, o que foi visto como uma fala “à la Boris Johnson querendo suspender o parlamento”.

Na Argentina, maior parceiro comercial do Brasil no Mercosul, o candidato à presidência que tem liderado as pesquisas eleitorais, Alberto Fernández (cuja chapa conta com Cristina Kirschner como candidata à vice-presidência) já demonstrou intenção em rever o acordo Mercosul-UE.

Enquanto tudo isso acontece (e ao mesmo tempo, diga-se de passagem), o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirma em Washington que a mudança climática é uma conspiração marxista, o que demonstra despreocupação não só em relação às questões de mudança climática em si, mas também a toda pauta ambiental.

Assim, pode-se afirmar que a atuação de Araújo está muito longe de ser o que o Brasil precisa nesse momento.

Com a economia patinando, o comércio internacional poderia ser a saída para um maior crescimento do país. Para isso, a atuação do Itamaraty deveria estar direcionada à abertura comercial, à busca de acordos de comércio e à participação ativa em importantes eventos comerciais internacionais.

O que tem ocorrido, no entanto, é o oposto: discussões desnecessárias e afirmações descabidas.

Como todos sabem, na era da informação, o consumidor tornou-se um novo poder. Caso os europeus, por razões ambientais, decidam boicotar os produtos brasileiros, o prejuízo para nossa indústria e para nossa economia seria imenso.

Enquanto Boris Johnson e Donald Trump enfrentam sérios problemas em seus países – cada qual a sua maneira – muitos dos problemas que o Brasil tem enfrentado foram criados justamente por aqueles que deveriam estar nos guiando rumo a um futuro mais próspero: nossos governantes.

A atual interconectividade global, proporcionada pela globalização de mercados, faz com que postagens e tweets tenham um peso imenso na imagem do país.

Enquanto outros líderes enfrentam problemas, o Brasil perde a chance de aumentar seu protagonismo no mundo e a economia permanece sem crescer.

Bem, seja lá o que o futuro nos reserve, se um Brexit sem acordo em outubro, Donald Trump reeleito ou não em 2020 e o acordo Mercosul-EU revisto, nos negócios internacionais e nas relações internacionais pode-se morrer de qualquer coisa. Menos de tédio.

* João Alfredo Lopes Nyegray é doutorando em estratégia, mestre em internacionalização, advogado, formado em Relações Internacionais e especialista em Negócios Internacionais e professor de Relações Internacionais, Comércio Exterior, Administração e Economia na Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Um perigoso retrocesso social

PL 6.159 que dispõe sobre o trabalho para portadores de deficiência é um perigoso retrocesso social.


Imperabilidade Inexistente

Bom, para começar este artigo, tenho que confessar que a palavra “imperabilidade” não existe.


O mundo em tensão

As relações entre Estados Unidos e Irã após a morte de Qasem Soleimani.


Quando o telefone toca…

A cada passo sou massacrado: ouço o telefone tilintar. Corro para atender.


O Coringa que te habita

Não é surpresa que o filme “Coringa”, de Joaquim Phoenix e Todd Phillips, tenha obtido 11 indicações ao Oscar.


O fim dos panfletos

O panfleto talvez seja a mais antiga das formas de comunicação.


Correios, se não tiver interessados, fechar…

Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo.


Trabalho voluntário

Trabalho voluntário é o que se faz por vontade própria e que tem intenção de ajudar o próximo.


Qual a diferença entre casamento e união estável?

Advogada explica como funciona os dois tipos de família


Educação e instrução

Sob frondosa tília, em flor, leio o “Bom Jesus do Monte”, de Camilo.


A hora dos partidos começarem a existir

Temos nada menos que 110 partidos políticos. São 33 registrados e 77 já fundados que aguardam registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).


Que venha 2020!

Mais um ano termina e a briga política ideológica entre alguns esquerdopatas e o atual governo parece não ter fim.