Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os entulhos que nos soterram

Os entulhos que nos soterram

26/01/2018 Amadeu Garrido de Paula

A sociedade democrática alenta seus artistas e seus sábios e cientistas.

Aquela, como é óbvio, não é composta exclusivamente dos últimos. Ao contrário, os homens geniais, que podem transformar o mundo, são em número cada vez menos significativo. Hibernaram na Idade Média e retornaram no Renascimento.

Isso porque devem ser livres, independentes, o que não ocorreu sob a época dos reis e da vida feudal. A liberdade de pensamento e expressão é o ponto primordial das mudanças e da evolução do processo civilizatório. Não falamos de robôs tecnocratas, que seguem o ramerrão da técnica estereotipada, mas de homens cuja genialidade é inata.

Em geral são homens solitários, criativos e criadores de gênio, na arte, que purifica os costumes dos povos, e na ciência, que gera os instrumentos de nossa felicidade. Homens com Da Vinci, Nilton, Einstein, religiosos como Francisco de Assis e filósofos como Shopenhauer, Demócrito e Spinoza se assemelham profundamente, porém o mundo social, que se multiplicou, já os conta nos dedos.

Nem mesmo o insigne prêmio Nobel já é uma referência a essas criaturas que apontam o caminho das demais. A técnica geral e a tão propalada rede social, dinâmica, em tempo real, inimaginável em passado recente, ilude. Vivemos no mundo da quantidade, da instantaneidade, mas não da profundidade transformadora. É possível constatá-lo diariamente.

O depoimento de Albert Einstein impressiona: "A falta de pessoas de gênio nota-se tragicamente no mundo artístico. Pintura e música degeneram e os homens são menos sensíveis. Os chefes políticos não existem e os cidadãos fazem pouco caso de sua independência intelectual e da necessidade de um direito moral. As organizações comunitárias democráticas e parlamentares, privados dos fundamentos do valor, estão decadentes em numerosos países. Então aparecem as ditaduras. São toleradas porque o respeito da pessoa e o senso social estão agonizantes ou já mortos."

Felizmente, o grande físico complementa: "Não faço parte daqueles futurólogos do Apocalipse, porque creio em um futuro melhor e vou justificar minha esperança." ("Como vejo o mundo", Nova Fronteira, 2016, pg. 15).

Nosso Brasil do momento passa por essas angústias. No vácuo descrito proliferam os répteis da corrupção, dos ricos sem causa lícita, e a imensidão do povo pobre e boa parte, como não poderia deixar de ser, agressiva.

Só nos resta nos livramos desses escolhos das costas e não permitir a vitória do Apocalipse, cuja personalidade cultuada é o demônio condutor, como pregam certas saudáveis correntes religiosas.

* Amadeu Garrido de Paula é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder