Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os entulhos que nos soterram

Os entulhos que nos soterram

26/01/2018 Amadeu Garrido de Paula

A sociedade democrática alenta seus artistas e seus sábios e cientistas.

Aquela, como é óbvio, não é composta exclusivamente dos últimos. Ao contrário, os homens geniais, que podem transformar o mundo, são em número cada vez menos significativo. Hibernaram na Idade Média e retornaram no Renascimento.

Isso porque devem ser livres, independentes, o que não ocorreu sob a época dos reis e da vida feudal. A liberdade de pensamento e expressão é o ponto primordial das mudanças e da evolução do processo civilizatório. Não falamos de robôs tecnocratas, que seguem o ramerrão da técnica estereotipada, mas de homens cuja genialidade é inata.

Em geral são homens solitários, criativos e criadores de gênio, na arte, que purifica os costumes dos povos, e na ciência, que gera os instrumentos de nossa felicidade. Homens com Da Vinci, Nilton, Einstein, religiosos como Francisco de Assis e filósofos como Shopenhauer, Demócrito e Spinoza se assemelham profundamente, porém o mundo social, que se multiplicou, já os conta nos dedos.

Nem mesmo o insigne prêmio Nobel já é uma referência a essas criaturas que apontam o caminho das demais. A técnica geral e a tão propalada rede social, dinâmica, em tempo real, inimaginável em passado recente, ilude. Vivemos no mundo da quantidade, da instantaneidade, mas não da profundidade transformadora. É possível constatá-lo diariamente.

O depoimento de Albert Einstein impressiona: "A falta de pessoas de gênio nota-se tragicamente no mundo artístico. Pintura e música degeneram e os homens são menos sensíveis. Os chefes políticos não existem e os cidadãos fazem pouco caso de sua independência intelectual e da necessidade de um direito moral. As organizações comunitárias democráticas e parlamentares, privados dos fundamentos do valor, estão decadentes em numerosos países. Então aparecem as ditaduras. São toleradas porque o respeito da pessoa e o senso social estão agonizantes ou já mortos."

Felizmente, o grande físico complementa: "Não faço parte daqueles futurólogos do Apocalipse, porque creio em um futuro melhor e vou justificar minha esperança." ("Como vejo o mundo", Nova Fronteira, 2016, pg. 15).

Nosso Brasil do momento passa por essas angústias. No vácuo descrito proliferam os répteis da corrupção, dos ricos sem causa lícita, e a imensidão do povo pobre e boa parte, como não poderia deixar de ser, agressiva.

Só nos resta nos livramos desses escolhos das costas e não permitir a vitória do Apocalipse, cuja personalidade cultuada é o demônio condutor, como pregam certas saudáveis correntes religiosas.

* Amadeu Garrido de Paula é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.



Entre a Pressa e a Preguiça

Quem já passou dos quarenta anos e viveu em algum canto do Brasil, experimentou, certamente, exercícios sistemáticos de paciência.



O “Golpe do WhatsApp” e o roubo da conta no aplicativo

Caso você seja vítima desse golpe, deve imediatamente entrar em contato com o WhatsApp para informar que alguém está utilizando a sua conta.


Reflexão sobre a democracia

Deambulava numa manhã de domingo, na Praça da Batalha, no Porto, quando perpassei por sujeito, elegantemente trajado: calça e casaco azul-marinho, camisa branca, gravata cinza.


Como não errar ao investir?

Muitas pessoas têm receio em falar sobre os seus investimentos, pois ainda é um grande tabu falar sobre dinheiro.


Para uma sociedade melhor

No tempo da minha juventude, conheci mocinha, de origem modesta, mas rica de inteligência, esperteza e perspicácia.


Fake (old) News

Tanto a existência das fake news quanto a expressão em si, já existem há muito tempo.


Por que os professores de Humanas são de “esquerda”?

Quero começar essa reflexão com uma resposta simples: não!


Como revestir a casa de forma prática e com menor custo

Nos últimos anos, uma das novidades de maior destaque se traduz no surgimento dos revestimentos inteligentes.


O livro e a cultura

29 de outubro é o Dia do Livro. 5 de novembro é o Dia da Cultura.


Os controversos e suas controvérsias

O ano de 2019 tem sido, sem dúvidas, muito fértil para os noticiários políticos internacionais.


A demora do Poder Legislativo em não regular a prisão em segunda instância

Os parlamentares federais são exclusivamente culpados por ter o STF procedido à revisão da prisão em segunda instância.