Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os entulhos que nos soterram

Os entulhos que nos soterram

26/01/2018 Amadeu Garrido de Paula

A sociedade democrática alenta seus artistas e seus sábios e cientistas.

Aquela, como é óbvio, não é composta exclusivamente dos últimos. Ao contrário, os homens geniais, que podem transformar o mundo, são em número cada vez menos significativo. Hibernaram na Idade Média e retornaram no Renascimento.

Isso porque devem ser livres, independentes, o que não ocorreu sob a época dos reis e da vida feudal. A liberdade de pensamento e expressão é o ponto primordial das mudanças e da evolução do processo civilizatório. Não falamos de robôs tecnocratas, que seguem o ramerrão da técnica estereotipada, mas de homens cuja genialidade é inata.

Em geral são homens solitários, criativos e criadores de gênio, na arte, que purifica os costumes dos povos, e na ciência, que gera os instrumentos de nossa felicidade. Homens com Da Vinci, Nilton, Einstein, religiosos como Francisco de Assis e filósofos como Shopenhauer, Demócrito e Spinoza se assemelham profundamente, porém o mundo social, que se multiplicou, já os conta nos dedos.

Nem mesmo o insigne prêmio Nobel já é uma referência a essas criaturas que apontam o caminho das demais. A técnica geral e a tão propalada rede social, dinâmica, em tempo real, inimaginável em passado recente, ilude. Vivemos no mundo da quantidade, da instantaneidade, mas não da profundidade transformadora. É possível constatá-lo diariamente.

O depoimento de Albert Einstein impressiona: "A falta de pessoas de gênio nota-se tragicamente no mundo artístico. Pintura e música degeneram e os homens são menos sensíveis. Os chefes políticos não existem e os cidadãos fazem pouco caso de sua independência intelectual e da necessidade de um direito moral. As organizações comunitárias democráticas e parlamentares, privados dos fundamentos do valor, estão decadentes em numerosos países. Então aparecem as ditaduras. São toleradas porque o respeito da pessoa e o senso social estão agonizantes ou já mortos."

Felizmente, o grande físico complementa: "Não faço parte daqueles futurólogos do Apocalipse, porque creio em um futuro melhor e vou justificar minha esperança." ("Como vejo o mundo", Nova Fronteira, 2016, pg. 15).

Nosso Brasil do momento passa por essas angústias. No vácuo descrito proliferam os répteis da corrupção, dos ricos sem causa lícita, e a imensidão do povo pobre e boa parte, como não poderia deixar de ser, agressiva.

Só nos resta nos livramos desses escolhos das costas e não permitir a vitória do Apocalipse, cuja personalidade cultuada é o demônio condutor, como pregam certas saudáveis correntes religiosas.

* Amadeu Garrido de Paula é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.



Cuidado com os bons casamentos

Por certo o leitor, mormente o mais atento, já verificou, que as minhas crónicas, em geral, são informativas e formativas.



Nós, contribuintes, continuamos a pagar a conta dos hóspedes perdulários do Congresso Nacional

Mudança de regras nas eleições

A capacidade de expor ideias vai decidir as eleições de 2020.


Lucro do carnaval vale mais que a saúde dos brasileiros?

Parece-nos uma grave insensatez de nossas autoridades governamentais em permitirem a realização dos festejos carnavalescos no país em meio à epidemia do coronavírus.


O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.