Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os erros mais comuns de quem busca um sócio

Os erros mais comuns de quem busca um sócio

11/06/2013 Fábio Zugman

Partir para uma sociedade é um jeito simples de dividir custos e unir esforços, muitas vezes permitindo que um profissional ajude o outro por meio da sua especialidade.

Quando dão certo, as sociedades podem ser ótimas, mas quando dão errado, elas prejudicam todos os envolvidos. Sociedades ruins podem impactar a vida pessoal dos sócios e também dos clientes e tornar uma boa fonte de renda em uma bela dor de cabeça. Fábio Zugman, autor de livros sobre empreendedorismo e criatividade, fala sobre os erros mais comuns de quem busca sócios para um empreendimento:

1) Não confunda amizade com sociedade: Muitas sociedades começam com amigos conversando, tendo ideias ou se formando juntos. Apesar de ser ótimo trabalhar com amigos, é preciso tomar cuidado com algumas questões práticas: As pessoas envolvidas podem contribuir de forma adequada e profissional à sociedade? É preciso avaliar as habilidades, a disposição e o papel que cada um vai desempenhar na empresa, para que os amigos não virem ex-amigos.

2) Não definir expectativas: As pessoas tem objetivos e sonhos diferentes. Um pode querer um grande e imponente escritório, outro pode ficar feliz em pagar as contas e passar o fim de semana na praia. Muitas sociedades acabam porque, no meio do caminho, as pessoas descobrem que tinham objetivos diferentes. É importante ter uma conversa franca sobre o que cada um espera e o que cada um está disposto em contribuir.

3) Não possuir um “plano B”: Por mais que seja desagradável, é preciso possuir um plano B. O que fazer se as coisas derem errado? O que fazer se um dos sócios quiser sair? Ou se uma das sócias resolver ter filho e se ausentar por alguns meses? E se alguém quiser vender sua parte a outra pessoa? Apesar de parecer pessimismo, é preciso definir o que fazer caso um dos sócios queira se ausentar, sair ou até se a sociedade acabar, é uma forma de não ter problemas situações que podem se tornar delicadas no futuro”.

4) Escolher pessoas que não se comportam como sócias. Um sócio é em parte dono do negócio. Com isso, as responsabilidades aumentam, a pessoa deixa de ser um funcionário e passa a ter que se preocupar com questões mais gerais da empresa. Muitos sócios, principalmente de perfil técnico, acabam delegando a função de dono ao outro sócio e dedicam-se ao que gostam de fazer. Se isso for combinado, não há problema, mas na prática pode gerar atrito e ressentimento entre os participantes da sociedade.

O que podemos concluir de tudo isso? “Devemos analisar com cuidado nossas opções, pensar sobre as possibilidades, discutir possíveis problemas e então tomar uma decisão equilibrada. Tudo que é negociado no começo vale a pena.” Finaliza o autor.

*Fábio Zugman é professor universitário e Mestre em Administração pela UFPR.



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins