Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os erros mais comuns de quem busca um sócio

Os erros mais comuns de quem busca um sócio

11/06/2013 Fábio Zugman

Partir para uma sociedade é um jeito simples de dividir custos e unir esforços, muitas vezes permitindo que um profissional ajude o outro por meio da sua especialidade.

Quando dão certo, as sociedades podem ser ótimas, mas quando dão errado, elas prejudicam todos os envolvidos. Sociedades ruins podem impactar a vida pessoal dos sócios e também dos clientes e tornar uma boa fonte de renda em uma bela dor de cabeça. Fábio Zugman, autor de livros sobre empreendedorismo e criatividade, fala sobre os erros mais comuns de quem busca sócios para um empreendimento:

1) Não confunda amizade com sociedade: Muitas sociedades começam com amigos conversando, tendo ideias ou se formando juntos. Apesar de ser ótimo trabalhar com amigos, é preciso tomar cuidado com algumas questões práticas: As pessoas envolvidas podem contribuir de forma adequada e profissional à sociedade? É preciso avaliar as habilidades, a disposição e o papel que cada um vai desempenhar na empresa, para que os amigos não virem ex-amigos.

2) Não definir expectativas: As pessoas tem objetivos e sonhos diferentes. Um pode querer um grande e imponente escritório, outro pode ficar feliz em pagar as contas e passar o fim de semana na praia. Muitas sociedades acabam porque, no meio do caminho, as pessoas descobrem que tinham objetivos diferentes. É importante ter uma conversa franca sobre o que cada um espera e o que cada um está disposto em contribuir.

3) Não possuir um “plano B”: Por mais que seja desagradável, é preciso possuir um plano B. O que fazer se as coisas derem errado? O que fazer se um dos sócios quiser sair? Ou se uma das sócias resolver ter filho e se ausentar por alguns meses? E se alguém quiser vender sua parte a outra pessoa? Apesar de parecer pessimismo, é preciso definir o que fazer caso um dos sócios queira se ausentar, sair ou até se a sociedade acabar, é uma forma de não ter problemas situações que podem se tornar delicadas no futuro”.

4) Escolher pessoas que não se comportam como sócias. Um sócio é em parte dono do negócio. Com isso, as responsabilidades aumentam, a pessoa deixa de ser um funcionário e passa a ter que se preocupar com questões mais gerais da empresa. Muitos sócios, principalmente de perfil técnico, acabam delegando a função de dono ao outro sócio e dedicam-se ao que gostam de fazer. Se isso for combinado, não há problema, mas na prática pode gerar atrito e ressentimento entre os participantes da sociedade.

O que podemos concluir de tudo isso? “Devemos analisar com cuidado nossas opções, pensar sobre as possibilidades, discutir possíveis problemas e então tomar uma decisão equilibrada. Tudo que é negociado no começo vale a pena.” Finaliza o autor.

*Fábio Zugman é professor universitário e Mestre em Administração pela UFPR.



Educação e civilidade faltam a parlamentares federais

Educação e civilidade são o mínimo que se espera de um parlamentar.


O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades.


A sub-representação no Congresso Nacional

No Congresso Nacional somente 10% dos representantes na Câmara dos deputados são mulheres.


A moralização do Brasil é muito difícil

Ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas no presente e no futuro.


Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas


Ordem no Parlamento!

Desde os tempos do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Congresso Nacional tem imposto espetáculos degradantes aos brasileiros.


O lavrador, e o filho Doutor

Quando era moço, muitas vezes ouvi contar a velha história ou anedota, do transmontano, que mandara o filho, estudar, para Coimbra.


Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

Brasil e Argentina são parceiros de longa data.


Benefícios fiscais: concessão e requisitos

O custo fiscal sempre é objeto de discussão, críticas e polêmicas.


O que o Brasil precisa

Todos os brasileiros hoje estão preocupados com os destinos do Brasil.


Cadeirinha: por que a segurança infantil não pode ser item opcional?

Proteger as crianças pequenas e a infância é uma responsabilidade de todos nós


O uso do Crowdfunding para o desenvolvimento de M.V.Ps de startups

O processo de consolidação do chamado Capital de Risco (Venture Capital) é uma realidade cada vez mais evidente no ecossistema empreendedor brasileiro.