Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os erros mais comuns de quem busca um sócio

Os erros mais comuns de quem busca um sócio

11/06/2013 Fábio Zugman

Partir para uma sociedade é um jeito simples de dividir custos e unir esforços, muitas vezes permitindo que um profissional ajude o outro por meio da sua especialidade.

Quando dão certo, as sociedades podem ser ótimas, mas quando dão errado, elas prejudicam todos os envolvidos. Sociedades ruins podem impactar a vida pessoal dos sócios e também dos clientes e tornar uma boa fonte de renda em uma bela dor de cabeça. Fábio Zugman, autor de livros sobre empreendedorismo e criatividade, fala sobre os erros mais comuns de quem busca sócios para um empreendimento:

1) Não confunda amizade com sociedade: Muitas sociedades começam com amigos conversando, tendo ideias ou se formando juntos. Apesar de ser ótimo trabalhar com amigos, é preciso tomar cuidado com algumas questões práticas: As pessoas envolvidas podem contribuir de forma adequada e profissional à sociedade? É preciso avaliar as habilidades, a disposição e o papel que cada um vai desempenhar na empresa, para que os amigos não virem ex-amigos.

2) Não definir expectativas: As pessoas tem objetivos e sonhos diferentes. Um pode querer um grande e imponente escritório, outro pode ficar feliz em pagar as contas e passar o fim de semana na praia. Muitas sociedades acabam porque, no meio do caminho, as pessoas descobrem que tinham objetivos diferentes. É importante ter uma conversa franca sobre o que cada um espera e o que cada um está disposto em contribuir.

3) Não possuir um “plano B”: Por mais que seja desagradável, é preciso possuir um plano B. O que fazer se as coisas derem errado? O que fazer se um dos sócios quiser sair? Ou se uma das sócias resolver ter filho e se ausentar por alguns meses? E se alguém quiser vender sua parte a outra pessoa? Apesar de parecer pessimismo, é preciso definir o que fazer caso um dos sócios queira se ausentar, sair ou até se a sociedade acabar, é uma forma de não ter problemas situações que podem se tornar delicadas no futuro”.

4) Escolher pessoas que não se comportam como sócias. Um sócio é em parte dono do negócio. Com isso, as responsabilidades aumentam, a pessoa deixa de ser um funcionário e passa a ter que se preocupar com questões mais gerais da empresa. Muitos sócios, principalmente de perfil técnico, acabam delegando a função de dono ao outro sócio e dedicam-se ao que gostam de fazer. Se isso for combinado, não há problema, mas na prática pode gerar atrito e ressentimento entre os participantes da sociedade.

O que podemos concluir de tudo isso? “Devemos analisar com cuidado nossas opções, pensar sobre as possibilidades, discutir possíveis problemas e então tomar uma decisão equilibrada. Tudo que é negociado no começo vale a pena.” Finaliza o autor.

*Fábio Zugman é professor universitário e Mestre em Administração pela UFPR.



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.