Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os Invejosos Vomitam Bílis

Os Invejosos Vomitam Bílis

15/10/2009 Fábio P. Doyle

O Nobel da Paz foi dado ao presidente Barack Obama. Os primos pobres espumam de raiva. Mas ele fez por merecer. Afinal, nenhum presidente norte-americano antes dele foi tanto aberto ao diálogo com os belicistas de sempre. O tom ameno de Obama chega a ser ingênuo, como no caso de Honduras. Mas ele é da paz.

INVEJA é uma doença perigosa. Quando toma conta de um organismo, pode ser fatal. Basta lembrar as histórias que envolvem primos pobres e primos ricos. É de chorar. A escolha de Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, para receber o Nobel da Paz de 2009, prova isso. Os invejosos vomitaram bílis. Contestam o comité norueguês do Nobel. Dizem horrores do simpático presidente norte-americano. Não o aceitam como um pacificador, digno de receber o título máximo concedido a defensores da paz no mundo. Basta ler os jornais. Não apenas nas páginas de noticiário internacional. Mas nas de opinião. E nas reportagens que têm sido feitas para avaliar a repercussão do prêmio.

QUEM contesta os propósitos pacifistas do afro-americano formado em Harvard, que conquistou nas urnas, democraticamente, a presidência do país - ranjam os dentes, invejosos de plantão - mais poderoso do mundo? Quem mudou os rumos da política internacional de seu país, aquela que advogava a tese de "guerras preventivas"? Quem susteta a tese da "guerra ao terror"através do diálogo, da diplomacia, das medidas preventivas? Diplomacia, diz ele, no lugar da força bélica, diálogo em vez de agressão.

ATÉ em casos considerados perdidos, ou quase, como o do Irã, o da Coréia do Norte. Obama tenta tudo, primeiro, acreditando que vai conseguir mudar o roteiro dos que defendem pontos de vista contrários. O caso dos terroristas que agrediram de forma covarde os Estados Unidos, destruindo as torres gêmeas de Nova York, matando milhares de inocentes, é tratado na Casa Branca com o rigor necessário. Os seguidores dos talibans (ou talebans), de Bin Laden, precisam ser punidos e banidos. De outra forma, voltarão explodir bombas, aviões, prédios, matando os seus ocupantes, sem dó nem piedade. Apenas nesse caso, Obama defende o uso da força, das armas, no combate que precisa ser travado.

O GANHADOR do Nobel da Paz diz, com sinceridade evidente, que foi surpreendido pela decisão do comité que se reune anualmente em Oslo. A surpresa não foi só dele, foi de todos nós. Na verdade, ele está há apenas nove meses na Casa Branca. Seus propósitos pacifistas, suas tentativas de harmonizar os que se confrontam, ainda não alcançaram os resultados que ele espera alcançar. É certo que restabeleceu relações harmoniosas com os novos russos, que assumiram o Kremlin com o objetivo de resgatar o poderio que a ex-União Soviética mantinha nos tempos anteriores a Gorbatchev e a Yeltsin. Apesar disso, o presidente norte-americano, Obama e o presidente russo, Medvedev, e naturalmente Putin, que nos bastidores do Kremlin parece controlar tudo, passaram a se entender bem. E o projeto de defesa do Leste europeu, o escudo anti-míssil planejado por Bush, escudo que os russos entendiam camuflar uma ameaça à sua segurança, foi arquivado por Obama. Prova de seu espírito conciliador, logo pacifista, embora sua decisão envolva riscos que só o futuro poderá desfazer, ou confirmar, torcemos pela primeira opção.

O PRESIDENTE norte-americano recebeu de herança de seu antecessor duas guerras que ainda matam soldados do seu país. Um articulista, desses que tudo o que vem dos Estados Unidos constitui uma ameaça e ma agressão para o resto do mundo, disse, ao criticar o Nobel da Paz dado ao ocupante da Casa Branca, que as guerras, a do Iraque e a do Afeganistão, foram "provocadas por invasões americanas" nos tempos de Bush. Ele falseia os fatos. Bush não mandou tropas para o Iraque e para o território dominado pelos talebans, simplesmente para conquistar novos territórios. O que provocou as duas guerras, a do Iraque e a do Afeganistão, a primeira em fase final, já assegurada por Obama, foi a mencionada agressão aos Estados Unidos. A destruição de dois prédios em Nova York, as Torres Gêmeas, no 11 de setembro de 2001, uma data, uma tragédia, um crime que ninguém jamais esquecerá e perdoará, resultou na morte de milhares de pessoas.

O QUE Bush deveria fazer, como presidente, como guardião da segurança de seu país, em face do ataque cometido pelos terroristas de Bin Laden? Obama herdou as duas guerras, considerou-as inevitáveis diante da agressão praticada, e não se acovardou. Dando continuidade ao plano de retirada das tropas norteamericanas do Iraque, iniciado por George W. Bush, Obama anunciou que até 2011 nenhum marine permanecerá em território iraquiano. Quanto ao Afeganistão, não há como recuar. Bin Laden e seus seguidores, responsáveis pelo atentado de 11 de setembro, deverão ser perseguidos até a rendição ou o extermínio total. Só assim o mundo poderá viver em tranquilidade relativa, pois absoluta, é impossível.

O PRÊMIO dado pelo Comité norueguês ao presidente norte-americano foi justo e merecido. Não apenas pelo que ele já conseguiu fazer, em busca da paz no mundo, mas pelo que ele tenta realizar nesse sentido. Às vezes até com certa ingenuidade, com excesso de boa fé, como nos casos recentes que envolvem a Venezuela e Honduras, com a participação indevida, grotesta e até ridícula do governo e da diplomacia brasileira. Como Washington poderia condenar, por golpismo, um governo que surgiu através do respeito às disposições constitucionais daquele pequeno e pobre país da América Central? Teria sido mal informado, ou informado de forma leviana pela sua assessoria internacional, comandada por Hillary Clinton? Mas o erro já foi corrigido. Até os colunistas e apresentadores de jornais de televisão abandonaram, quase todos, pelo que se percebe, o jargão de "governo golpista" e "presidente golpista", que usavam para se referir ao presidente Micheletti e ao governo hondurenho que substituiu o do amalucado Zelaya. Este sim, defensor de mais um golpe continuista no continente que o venezuelano Chávez, outro alucinado, pretende ter sob seu domínio e comando.

ENFIM, O Nobel da Paz é mais uma vez concedido a um presidente dos Estados Unidos. Os invejosos morrem de raiva. Deixa eles prá lá.

Fábio P. Doyle é Jormalista e Membro da Academia Mineira de Letras. Visite o Blog.

 

 



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre