Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os médicos de ontem e de hoje

Os médicos de ontem e de hoje

17/03/2020 Humberto Pinho da Silva

Quando nas derradeiras décadas do século passado, escrevi num periódico portuense, crónica sobre os médicos, comparei, os actuais, com os de outrora – do tempo da minha meninice.

Entre os vários pareceres, que então, recebi, um, foi do Prof. Doutor José Ruiz Almeida Garrett (Médico), tecendo oportunas considerações, com as quais concordei, quase na totalidade.

Asseverava, então, nesse artigo, que o médico-sacerdote, quase se perdeu na socialização da medicina.

Os médicos tornaram-se funcionários. O que chamamos: “Médico da Família” não passa de técnico, que atende indiferente, milhares de doentes; doentes que o não escolheram, nem foram escolhidos.

Antigamente, o médico, não “dispensava” os doentes, como hoje muitos o fazem, para os hospitais, se podia realizar o tratamento: no consultório ou em visita domiciliária.

Ainda conheci esses homens excepcionais, verdadeiros sacerdotes. Cuidavam do doente, da família, e quantas vezes, preocupavam-se, ainda com os seus problemas financeiros, Procurando obter emprego, se estavam desempregados.

Um desses, era o velho Dr. Pedrosa (meu médico de criança,) que morava em Gaia. Levantava-se, frequentemente, em plena noite, para acudir a doente gravemente enfermo, que aflito o chamava pelo telefone.

Mas, nem só o Dr. Pedrosa Júnior, se preocupava com as dificuldades dos seus doentes. O mesmo fazia o pediatra Dr. Ferreira Leite. Extenuado, por dia de intenso e árduo trabalho, nunca recusava sua presença, na casa dos doentes, mesmo em plena noite, de madrugada.

E o bondoso Dr. Rocha Paris, e mais recentemente, o Dr. Salvador Ribeiro, ao realizarem visitas domiciliarias, muitas vezes, deixavam, debaixo da receita, a quantia necessária para adquirirem os medicamentos prescritos.

Compreendo, como observou o Prof. Doutor José Garrett, que a medicina socializou-se; e ainda bem, como era desejo do Dr. Eugénio Fontes – personagem fictícia de: “Olhai os Lírios do Campo” do grande gaúcho Érico Veríssimo, – homem bom e grande humanista.

Mas foi pena, que esses antigos médicos, tão humanos, tenham desaparecido, quase para sempre. Foi pena…

Não eram apenas médicos; eram amigos, companheiros presentes nas horas difíceis dos seus doentes, deixando sempre, palavras: tranquilas, animadoras e confortantes.

Verdadeiros e dedicados sacerdotes da medicina.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves