Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os mestres invisíveis da política

Os mestres invisíveis da política

02/06/2017 Soraya Lunardi e Dimitri Dimoulis

Vivemos à sombra de mestres que controlam marionetes.

Fazer política significa decidir, criar normas, guiar a sociedade e, nas democracias, representar a vontade popular. Nada disso ocorre na atual política brasileira.

Temos a impressão que diminui mais e mais o grau de autonomia dos políticos em relação aos grandes empresários e os banqueiros. Como isso interfere na nossa democracia constitucional? O sistema constitucional que surgiu após a revolução francesa trouxe o fim das monarquias que concentravam o poder na figura do rei e de uma oligarquia com privilégios inquestionáveis.

Os revolucionários proclamaram que a França não pertencia mais ao rei, mas ao povo. É o momento simbólico que questiona a submissão. Submissão que se expressa na imagem do coletor de impostos, representante do Estado, que arrancava dos trabalhadores não apenas dinheiro, mas também seus meios de subsistência.

A separação de poderes, pilar do constitucionalismo, prometeu combater o absolutismo graças à fiscalização mútua das autoridades estatais, garantindo moderação, diálogo, transparência e pluralismo.

Hoje, as decisões políticas promovem a concentração do capital, favorecem a venda de ativos nacionais como medida de liberalização e diminuem impiedosamente salários, aposentadorias e demais direitos dos trabalhadores.

Entre tantos exemplos, o BNDS ofereceu recursos estatais, logo pertencentes ao povo, a grandes empresas que os utilizaram para se impor aos concorrentes de médio e pequeno porte, revertendo parte do lucro a políticos. Esse processo, apelidado “reformas” ocorre com a anuência dos três poderes que restringem direitos fundamentais e desrespeitam princípios políticos.

Como não lembrar do coletor de impostos que arrancava os bens dos trabalhadores para manter o rei e a nobreza? A lei parece mais uma falácia para submeter o povo ao poder econômico de oligarquias que reinam soberanas. Mudaram as perucas e as máscaras, mas os nobres continuam controlando o poder e os pobres financiam suas perucas.

A diferença talvez esteja no fato de ninguém saber ao certo hoje quem é o detentor do poder. Ao invés do rei e dos nobres, o invisível e fluido capital, dita suas vontades, controlando as cordas do poder e dando voz aos políticos que ocupam a cena pública.

As decisões continuam sendo tomadas fora da esfera pública pelos verdadeiros titulares do poder. Vivemos à sombra de mestres que controlam marionetes.

* Soraya Lunardi é Professora de direito público da Unesp.

* Dimitri Dimoulis é Professor de direito constitucional da Escola de Direito de São Paulo da FGV.



Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.