Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os mestres invisíveis da política

Os mestres invisíveis da política

02/06/2017 Soraya Lunardi e Dimitri Dimoulis

Vivemos à sombra de mestres que controlam marionetes.

Fazer política significa decidir, criar normas, guiar a sociedade e, nas democracias, representar a vontade popular. Nada disso ocorre na atual política brasileira.

Temos a impressão que diminui mais e mais o grau de autonomia dos políticos em relação aos grandes empresários e os banqueiros. Como isso interfere na nossa democracia constitucional? O sistema constitucional que surgiu após a revolução francesa trouxe o fim das monarquias que concentravam o poder na figura do rei e de uma oligarquia com privilégios inquestionáveis.

Os revolucionários proclamaram que a França não pertencia mais ao rei, mas ao povo. É o momento simbólico que questiona a submissão. Submissão que se expressa na imagem do coletor de impostos, representante do Estado, que arrancava dos trabalhadores não apenas dinheiro, mas também seus meios de subsistência.

A separação de poderes, pilar do constitucionalismo, prometeu combater o absolutismo graças à fiscalização mútua das autoridades estatais, garantindo moderação, diálogo, transparência e pluralismo.

Hoje, as decisões políticas promovem a concentração do capital, favorecem a venda de ativos nacionais como medida de liberalização e diminuem impiedosamente salários, aposentadorias e demais direitos dos trabalhadores.

Entre tantos exemplos, o BNDS ofereceu recursos estatais, logo pertencentes ao povo, a grandes empresas que os utilizaram para se impor aos concorrentes de médio e pequeno porte, revertendo parte do lucro a políticos. Esse processo, apelidado “reformas” ocorre com a anuência dos três poderes que restringem direitos fundamentais e desrespeitam princípios políticos.

Como não lembrar do coletor de impostos que arrancava os bens dos trabalhadores para manter o rei e a nobreza? A lei parece mais uma falácia para submeter o povo ao poder econômico de oligarquias que reinam soberanas. Mudaram as perucas e as máscaras, mas os nobres continuam controlando o poder e os pobres financiam suas perucas.

A diferença talvez esteja no fato de ninguém saber ao certo hoje quem é o detentor do poder. Ao invés do rei e dos nobres, o invisível e fluido capital, dita suas vontades, controlando as cordas do poder e dando voz aos políticos que ocupam a cena pública.

As decisões continuam sendo tomadas fora da esfera pública pelos verdadeiros titulares do poder. Vivemos à sombra de mestres que controlam marionetes.

* Soraya Lunardi é Professora de direito público da Unesp.

* Dimitri Dimoulis é Professor de direito constitucional da Escola de Direito de São Paulo da FGV.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli