Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os números da fome no Brasil: uma questão de metodologia

Os números da fome no Brasil: uma questão de metodologia

14/09/2023 Alcione Pereira

Nas últimas semanas, muita gente reparou em algumas supostas divergências entre os números relacionados à fome no Brasil divulgados em diferentes situações.

Algumas notícias falam em mais de 30 milhões sem terem o que comer e 125 milhões com algum nível de insegurança alimentar; outras dizem que são “apenas” cerca de 10 milhões de brasileiros com fome.

Estarão erradas as pessoas envolvidas nas declarações? Ou se equivocaram os órgãos que aferiram os números?

Esta é uma questão técnica, que não é - nem tem que ser - de domínio de todos, mas sentimos a necessidade de esclarecer, da forma mais acessível que encontramos, para que o maior número de pessoas consiga entender por quê uma hora vêm um número, outra hora vêm outro, mas que saibam que está tudo certo. Não há erros nos valores em si, mas no uso que se faz deles.

Um colegiado de especialistas - a Rede PENSSAN - realizou o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar e concluiu que 33 milhões de pessoas passam fome e 125 milhões enfrentam algum nível de insegurança alimentar no Brasil.

Essa pesquisa é baseada na EBIA (Escala Brasileira de Insegurança Alimentar), que leva em consideração, em resumo, a quantidade de refeições que uma pessoa faz por dia e se ela tem preocupação em relação ao que vai comer no seu cotidiano.

Já a FAO divulga um balanço global sobre a fome no mundo, que não é aferido pelo mesmo questionário EBIA, mas considera um cálculo feito com base na produção local e global de alimentos, transformada em calorias, versus a população de cada região e também mundialmente.

Por exemplo: se o Brasil produz X toneladas de alimentos e isso representa Y calorias, mas a quantidade de pessoas que vivem no nosso território precisa de 2Y para se alimentar minimamente, então, conclui-se que existe um gap.

Ou se a produção é numericamente suficiente, mas não chega de forma efetiva a quem precisa (porque há muito desperdício, porque uma parte da população simplesmente não pode comprar a comida, por uma crise específica ou por outros motivos), também a conclusão é de que uma determinada parcela das pessoas “passa fome” ou, melhor dito, existe uma lacuna na cobertura de alimentos.

É por isso que os números da FAO são menores que os da PENSSAN, por uma questão metodológica. Não significa que um esteja mais correto do que o outro.

São diferentes, pois consideram aspectos distintos e têm propósitos distintos. A FAO olha para a produção de alimentos no mundo, com o intuito de verificar se está sendo produzido o mínimo necessário e se todos têm acesso.

Já a PENSANN vai no dia a dia de cada cidadão, para saber se consegue ou não ter as 3 refeições mínimas diárias.

Portanto, ambos os números são interessantes e importantes para quem trabalha com a realidade da insegurança alimentar.

A questão é que devemos conhecê-los melhor e os seus diferentes propósitos, para conseguirmos usá-los de maneira efetiva naquilo que é verdadeiramente relevante: o combate ao desperdício e à fome.

* Alcione Pereira é fundadora e CEO da Connecting Food.

Para mais informações sobre fome clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Pine PR



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves