Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

06/10/2019 Gracielle Reis

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.

Foi ao longo dessas margens que Jesus acalmou a tempestade, multiplicou os pães e peixes e interpelou Pedro por três vezes: “Pedro, tu me amas?” (Jo 21,15-17).

Fato este recordado no santuário da Custódia da Terra Santa dedicado ao primado petrino. A região da Galileia, em Israel, leva peregrinos e visitantes de tantas nações ao recolhimento e à oração.

Jesus identificou o cansaço dos discípulos, como o povo que parecia ovelha sem pastor. Os discípulos de Jesus, juntos a Ele, precisavam cuidar desse povo e dar-lhe o conforto e o consolo do coração de Deus.

Um texto que ensina também aos servos de Deus dos tempos atuais que, antes, precisam silenciar a fim de comunicarem ao outro o amor que experimentaram.

Num mundo atual de tantos barulhos, agitações e ocupações, o silêncio e o recolhimento tornam-se um grande desafio.

Um silêncio que não significa ausência de palavras, mas um voltar-se a si mesmo, um controle das emoções e, sobretudo, um encontro com Deus, que habita cada coração humano.

Conforme o convite de Jesus para que os discípulos fossem sozinhos a um lugar deserto a fim de descansar, nossa primeira atitude deve ser a de responder a esse convite.

Quando uma pessoa nos ama e quer a nossa companhia, ela nos escolhe! É assim que Cristo faz e nos chama. Um convite irrecusável!

O segundo passo desse deserto, seja diante do Sacrário ou nos momentos de oração pessoal em casa, em locais retirados, é esvaziar o coração e a mente.

Hoje, o que você traz no coração? Quais as angústias, preocupações e ansiedades? Ou quais as alegrias vividas?

O terceiro momento é o de colocar tudo isso sob o senhorio de Jesus. Ele é o Deus que tudo pode e nos acolhe em Seus braços.

Ele sabe de tudo, sonda os nossos corações, mas é preciso verbalizar, colocar para fora o que sentimos, pensamos e sofremos.

Trata-se de um diálogo: nós falamos, Ele escuta. Depois, damos um bom tempo para o Senhor falar; nos colocamos em atitude de escuta e contemplação, a fim de colhermos d’Ele os direcionamentos, o consolo, o conforto e as inspirações.

Não dedicar-se ao silêncio e à vida interior é colocar em perigo a própria vida espiritual, ou seja, a nossa existência em Deus.

Em um mundo utilitarista e frenético, em que muitos estão agitados até mesmo nos momentos de oração, “perder” tempo com a oração é voltar à nossa essência.

A oração nos conduz a contemplar o belo e o bom; restabelece as nossas forças, até mesmo as físicas; nos impele a crescer nas virtudes e no amor a Deus e ao próximo; nos leva a tocar em nossa filiação divina, ao conhecimento de Deus e de nós mesmos.

* Gracielle Reis é missionária da Comunidade Canção Nova, jornalista e bacharel em História. Atualmente, na missão Canção Nova de Portugal.

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.