Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Os requisitos da opinião

Os requisitos da opinião

30/03/2020 José Pio Martins

O ignorante tem opinião sobre tudo. O sábio, somente sobre o que ele conhece.

Essa foi a resposta que dei, num debate sobre economia, em réplica de opiniões feitas por pessoas sem instrução formal na ciência econômica, sem conhecimento dos dados e que não estudaram as experiências onde aquilo havia sido implantado.

Afirmei que ninguém precisa ter diploma de economista para entender os temas econômicos, mas ser ignorante no assunto e não ter se dedicado a estudá-lo só pode resultar em opinião amadora, sem base teórica e sem respaldo na experiência.

Muitas são as pessoas letradas, mas ignorantes em assuntos fora de sua área, que não se sentem constrangidas em opinar sobre outras áreas.

O hábito de emitir opinião sobre tudo, principalmente sobre assunto não conhece, é apenas chute e resulta da preguiça de estudar e adquirir conhecimento. Todos somos ignorantes, apenas em assuntos diferentes.

Logo um argumento sobre temas complexos somente tem credibilidade e merece consideração se estiver respaldado em conhecimento, experiência e informação.

Claro, ninguém está proibido de opinar, mas uma coisa é a opinião genérica, sem pretensão, outra coisa é a opinião técnica, bem embasada e responsável.

O mundo é complexo, as ciências e as tecnologias evoluem sem parar, as teorias se multiplicam, as inovações e as descobertas ocorrem todos os dias. Cada vez mais o ato de estudar e adquirir conhecimento é requisito da opinião e da solução de problemas.

Para o escritor Charles Colton (1780-1832), “a dúvida é o vestíbulo pelo qual todos precisam passar para adentrarem o templo da verdade”.

Quanto mais sábio um homem, mais ele busca estudar, pesquisar e conhecer, para aprender e enunciar suas ideias e propostas.

Ao mesmo tempo, o verdadeiro sábio é humilde diante da imensidão do universo e do volume de conhecimentos científicos acumulados, por isso ele sabe que deve submeter suas ideias e opiniões ao exame crítico da ciência e da razão.

Uma ressalva: quando falo em “ignorância” não me refiro à falta de títulos e diplomas, pois estes não garantem a ninguém o ingresso no clube dos cultos e dos sábios.

Atualmente, os meios e os recursos à disposição de quem quer estudar e adquirir conhecimento são tão amplos que tornou-se fácil e barato estudar e aprender. Portanto, não se trata de cargo, título ou diploma. Trata-se de conhecimento.

O escritor George Iles (1852-1942) alertou para o fato de que “a dúvida é o início, não o fim, da sabedoria”, pois é da dúvida que nasce o desejo de estudar e pesquisar, o que implica vontade, dedicação, disciplina e apreço pelo saber.

Há que separar a opinião amadora, típica das discussões de boteco, da opinião profissional derivada de conhecimento adquirido.

E o aprendizado, seja nos estudos teóricos ou na experiência prática, requer certos pressupostos. Um dele é “método”.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.