Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os verdadeiros legados da Copa

Os verdadeiros legados da Copa

28/06/2014 Henrique Mol

Muitos têm sido os indicativos de que o saldo da Copa é positivo, e, de fato, por ora, o é. Para falar em números, algumas cifras me vêm em mente.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) acredita que a demanda por voos domésticos deve crescer 5% neste ano sobre 2013. Uma projeção realizada pela BDO indica que a Copa do Mundo renderá à Fifa a maior arrecadação da história: US$ 5 bilhões (cerca de R$ 12 bilhões).

Por se ater demais aos números, entretanto, desvia-se o olhar do que não se pode contabilizar. À margem de todo o investimento em merchandising que tem sido realizada, a maior exposição global (e a mais frágil, também) se volta à marca Brasil. Os olhos do mundo e dos próprios brasileiros, mais do que nunca, estão voltados a nós. E eles têm constatado os excepcionais estádios, sistema de segurança e logístico bem estruturados e aeroportos eficientes, além da inigualável hospitalidade brasileira.

No entanto, os analistas apontam que a visibilidade internacional pode ser maculada devido às manifestações nas ruas. Como primeira regra de bom anfitrião, devemos aprender que problema de casa se resolve em casa, não escancarado às visitas. Os legados da Copa para o setor do turismo são palpáveis. Nas grandes capitais, a exemplo de São Paulo, onde a capacidade dos aeroportos já estava saturada, os investimentos realizados nos mesmos trará menos atrasos e maior oferta de voos, além de maior capacitação dos funcionários que estiveram engajados à Copa, para atender ao maior fluxo de turistas durante e após o evento.

Um quadro providencial, dada as projeções que mostram que em 2017, seremos o terceiro mercado aéreo do mundo, segundo o Ministro do Turismo, Vinícius Lages. Nesse setor, a Gol contará com a vantagem de ter se tornado a patrocinadora oficial da seleção brasileira de futebol, no lugar da TAM, e se beneficiará da exposição da marca. O fluxo turístico, não só às cidades sedes, ocasionará uma entrada significativa de divisas aos setores de hotelaria, transporte, comunicação, cultura, lazer e comércio varejista.

Um cenário que assume moldes de causação cumulativa, com impactos diretos e indiretos, como por exemplo, a geração de empregos permanentes e temporários, injetando bilhões em consumo e aumento do comércio e prestação de serviços. Além do impacto econômico, é preciso considerar o legado social, consubstanciado no efeito feel good, que uma Copa do Mundo bem projetada pode gerar.

Sediar um evento de tais dimensões e ovacionado pela mídia internacional, aumenta a autoestima e orgulho nacional de um povo que se acostumou a um “complexo de vira-lata”, termo cunhado pelo dramaturgo e escritor Nelson Rodrigues para designar a postura de inferioridade assumida no futebol a partir de 1950, quando o Brasil perdeu a Copa do Mundo para o Uruguai, no Maracanã. Para Rodrigues, o brasileiro só começou a se curar desse complexo em 1958, quando ganhou a Copa pela primeira vez, mas apenas nesse esporte.

A postura permaneceu em relação a outros temas. Por "complexo de vira-lata", entendeu-se a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo. Acredito que isto aumentará o interesse do povo brasileiro por conhecer o próprio país, não só restrito às cidades sedes, embora estas, pela maior visibilidade ocasionada pela Copa do Mundo, tenham maior atração. Isso dependerá da capacidade das demais cidades em divulgar as suas festividades típicas, eventos culturais e artístico - além de criar tours que direcionem os turistas às suas cidades, respaldados por pessoal capacitado, boa infraestrutura hoteleira e de transporte.

Quanto mais soubermos promover a marca Brasil, menos terão sido os ônus das obras da Copa. Ganham brasileiros, ganham turistas e ganha o Brasil no reconhecimento de uma marca cujas credenciais de belezas naturais, povo acolhedor e clima agradável não se encontrará em outra parte.

*Henrique Mol é especialista em turismo e sócio-fundador da Encontre Sua Viagem, franquia de turismo.



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho