Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Para o pacto servir ao Brasil

Para o pacto servir ao Brasil

01/06/2019 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

É preciso mais decência e compromisso com a Pátria.

O “Pacto pelo Brasil” -, que os presidentes Jair Bolsonaro (da República), Dias Tóffoli (do Supremo Tribunal Federal), David Alcolumbre (do Senado) e Rodrigo Maia (da Câmara dos Deputados)  poderão assinar no próximo dia 10 - precisa ter o condão de fortalecer as instituições, para evitar que continuem atacadas, manchadas e enfraquecidas pela intolerância, ideologização, desobediência civil e outros maus hábitos do momento.

O acordo precisa ter força para impedir o clima eleitoral extemporâneo e o confronto, que levam ao questionamento e escandalização de todas as medidas do Executivo, do Legislativo e até do Judiciário. Note-se que, desde o impeachment de Dilma Rousseff, os atos dos poderes da República são fortemente questionados e lançados na esteira da crise.

A turba mantida a pão e mortadela durante os governos petistas é acionada irresponsavelmente até para questionar medidas corriqueiras, como o contingenciamento de verbas orçamentárias realizado pelo atual governo, que também foi aplicado pelos anteriores sem que ninguém sequer manifestasse estranheza.

É preciso mais decência e compromisso com a Pátria. Nada deve impedir o direito do povo se manifestar, mas o cidadão não pode ser usado como massa de manobra para sustentar interesses de grupos, sejam eles eleitoreiros, econômicos, de vingança ou até de impunidade a crimes e impropriedades cometidos.

O Brasil, como qualquer país, necessita de paz e trabalho para o governo e o parlamento cumprirem suas agendas e o Judiciário exercer sua extensa e importante tarefa de modular as contendas. Não pode cada ato provocar uma mobilização e o espectro de uma crise.

Os membros do Executivo, do Legislativo e do Judiciário têm suas tarefas e responsabilidades, carecendo de condições e espaço para cumpri-las. Do jeito que se tem feito, corremos o risco de não avançar e, com isso, as instituições deixarem de cumprir seus deveres e de contribuir para afastar as dificuldades.

Os presidentes que hoje miram o pacto precisam exercer suas obrigações com empenho e vigor. Não permitir que seus pares e os subordinados potencializem o desentendimento ou tenham atuação temerária. O comandante tem de manter a chefia de sua tropa e dela cuidar para evitar que os integrantes façam ou sejam vítimas de ações equivocadas.

Em primeiro lugar, há de se considerar que o governo propor projetos e o parlamento modificá-los não é nenhum problema, mas o cumprimento da obrigação; e o Judiciário decidir contrariamente às expectativas criadas sobre o assunto em pauta, também não é nada de extraordinário. Para todas as controvérsias há o remédio.

Nas relações Executivo-Legislativo, sempre que não concordar com o que foi aprovado na Câmara e no Senado, o presidente da República pode vetar, e os congressistas têm o direito de aprovar ou rejeitar o veto.

No Judiciário, as decisões são passíveis de recursos. Tentar resolver as divergências pela pressão das manifestações, protestos e meios afins, não serve à democracia e nem à governabilidade.

Dirigentes e membros das instituições. Como se diz em relação ao motorista e o seu carro no trânsito, “não faça de sua atuação uma arma, porque a vítima poderá ser você”…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins