Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Para um Rei!

Para um Rei!

18/01/2021 Petrônio Souza

Na inicial do nome, um passe do destino: Rei! Nasceu no dia 11 de janeiro, com as traves do tempo lhe acenando um gol.

Ganhou dos céus a camisa 9, e o que lhe faltava para o 10 ele preencheu com a generosidade infinita que só os gênios têm.

Quando corria em campo depois de mais um gol registrado, era a encarnação de todos os nossos sonhos, levando no punho erguido e cerrado a chama acesa da esperança humana. Tinha os olhos tristes.

Mágico, mágico, majestoso, gênio, generoso, amigo e genial. Era grande demais para caber apenas nas quatro linhas demarcadas. Fez do campo gramado um latifúndio no coração da Humanidade.

Transbordou o seu talento além do tempo e até hoje as pessoas vão ao seu encontro, sonhando agarrar o momento vivido. Foi o jogador mais injustiçado do futebol mundial.

A minha mais tenra e terna lembrança é de um dia de chuva de granizo, eu menino, franzino, debaixo da goteira, festejando a rua enfeitada pelas pedras que nunca vi.

Era a mais pura felicidade, enquanto entoava o mantra maior de uma nação e quase dançava na chuva: “Rei! Rei! Rei! Reinaldo é o nosso Rei.”

Sempre me lembro a quase canção que foi ao ar em rede nacional, com Djavan cantando o jingle em homenagem e agradecimento à carreira que chegava ao fim, quando os mais belos lances do futebol do planeta Terra se sucediam ao fundo: “É emoção, deixar mais um torto no chão, e o coração do povo, em um sentimento novo de união… A força do seu gesto eu sei. Explode na garganta um Rei; do súdito gritando ao Rei”.

Um dia, como comentarista da Copa do Mundo na França, em 1998, Reinaldo queria conhecer um ponto turístico da Cidade Luz, foi parar em outro.

Diante do equívoco, entrou em um restaurante para tomar um chopp e refrescar as ideias. O proprietário do restaurante, ao balcão, o olhava de forma acintosa. Ele se incomodou.

Quando se preparava para sair, o francês percebeu, cruzou o bar e chegou até ele, festivo: “Renaudu?! Renaudu?!” E ele: “É! É! Reinaldo, Reinaldo!!!” Os dois falando e acenando com a cabeça: “Renaudu!?”. “Sou eu! Sou eu!”.

O francês descobriu o futebol e Reinaldo redescobriu que é amado por todos, muito além de time, povo ou raça.

Depois de muitos abraços e emoções, o francês foi ao escritório e voltou com a antiga revista que estampava o Rei na capa, quando o Atlético excursionou pela França em 1980 e Reinaldo foi o grande destaque dos jogos. O Rei chorou, o francês chorou, e eu estou chorando de novo.

No calor do Rio de Janeiro, foi visitar o Djavan. Ficou esperando na sala, até que pensou em protestar diante da demora do amigo, quando viu o cantor descer a escada do apartamento vestindo a camisa de jogo do Rei.

Djavan parou no meio dos degraus, abriu os braços, o sorriso, e se desculpou: “Sem a minha esposa em casa eu fico perdido, Rei!”.

Hoje é o aniversário dele. Me convidou para estar entre os seus. Os eleitos. Até hoje ele faz golaços em meu coração…

Que honra. Que honra! Ainda emocionado, queria terminar esta crônica como um presente em agradecimento, tendo a beleza de um gol dele, de um drible, um gesto… Pena, sou muito pequeno…

Lá vai a bola, Reinaldo recebeu na área, driblou o primeiro, deu chapeuzinho no zagueiro, o goleiro vai saindo, Reinaldo tocou por cima... pena, não consigo mais enxergar as teclas do computador.

* Petrônio Souza é jornalista e escritor.



LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.