Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Passeatas, prendam os mascarados

Passeatas, prendam os mascarados

01/08/2013 Dirceu Cardoso Gonçalves

Vivemos um momento crucial. O povo finalmente descobriu que tem o direito, e até o dever, de se manifestar pacificamente em busca das mudanças necessárias ao bem-estar geral e ao desenvolvimento da sociedade.

Mas pequenas parcelas, sorrateiramente infiltradas transformam os atos reivindicatórios em baderna. Quebram bancos, lojas, terminais e repartições e, com isso, descaracterizam os verdadeiros motivos das concentrações e mergulham a sociedade na incerteza.

A polícia, quando age, é denunciada como violenta, se não age é considerada omissa, na mais perversa das equações onde, independente do que fizer, perde sempre. Uma situação como esta é insustentável e requer urgentes providências, principalmente porque os vândalos ou baderneiros, via-de-regra, agem a soldo de segmentos políticos radicais e até do crime organizado, interessados em estabelecer o caos para, com isso, alcançarem seus objetivos.

As autoridades têm de encontrar um meio de separar manifestante pacífico e baderneiro. Uma das alternativas é a montagem de um protocolo entre Segurança Pública, Ministério Público e Poder Judiciário, definindo claramente os detalhes desse trabalho profilático. Já que a polícia é encarregada de acompanhar as manifestações para garantir segurança e, inclusive, o direito do povo protestar democrática e pacificamente, também deve ser orientada a prender em flagrante e enviar para averiguação os mascarados e os portadores de produtos e instrumentos que possam ser utilizados ou caracterizados como armas de vandalismo e depredação.

As manifestações pacíficas que vimos descambar para a desordem em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e outras localidades, não teriam se transformado em atos antissociais se os encarregados de dar-lhes segurança, tivessem sido orientados a deter e encaminhar ao distrito todos os presentes que, mascarados ou de outra forma, tentassem esconder a identidade ou portassem artefatos e substâncias que possam se transformar em armas do vandalismo.

Deveriam estar também incumbidos de prender e levar igualmente para o distrito quem se atrevesse a quebrar coisas e, principalmente, atear fogo, mesmo que em sacos de lixo, uma forma de caotizar o ambiente. Importante seria, também que, para garantir a segurança e a tranqüilidade daqueles que pretendem realmente protestar e lutar por seus direitos e ideais, os organizadores dos atos públicos informassem às autoridades sobre a data, horário e objetivos. Dessa forma, teriam garantido o seu direito de reivindicar conforme seu desejo inicial, evitariam a infiltração de desordeiros e teriam garantida a segurança dos participantes.

A ação de vândalos e baderneiros não interessa a ninguém. Oportunistas, eles costumam embarcar em atos de classes ou grupos e descaracterizar seus objetivos. Agem para liberar as próprias frustrações ou, pior, a mando e pagamento dos radicais (políticos ou criminosos) que querem promover o caos para chamar a atenção e desestabilizar o governo, a sociedade e a ordem pública.

São verdadeiros guerrilheiros, que têm de ser combatidos de forma eficaz para não continuarem a roubar a paz e a segurança da população. Os militantes violentos e seus financiadores têm de ser alcançados e exemplarmente punidos. Do contrário, teremos dias difíceis pela frente...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes