Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pedofilia e a rede do mal

Pedofilia e a rede do mal

23/05/2009 Dra. Gislaine Barbosa de Toledo

O ser humano na ânsia de comodidade busca muitos recursos relacionados à internet. Contudo, junto com as vantagens temos também diversas desvantagens como a criação de vários crimes antes não imaginados.

Por exemplo: crimes de sabotagens, fraude, pirataria, spam e, principalmente o tema pertinente ao referente artigo, a pedofilia. De uma forma desenfreada, a internet está sendo usada para a exploração sexual de crianças e adolescentes, por meio de confirmação de encontros “amorosos”, realização de fantasias sexuais, troca e comercialização de fotos, filmes ou CD-ROM, dentre outros. A pertinente prática gera altíssimos lucros a uma minoria da população e desagrega milhares de famílias. Segundo diversas notícias veiculadas nos meios de comunicação, o pertinente crime deixou de se transformar em lucro para uma pequena parcela de pessoas com a estruturação de uma rede de pedófilos para se propagar principalmente nas camadas mais baixas.

E todos os dias, verificamos novos casos relacionados à Pedofilia que mancham os diversos meios de comunicação indignando pessoas, mas sem uma solução imediata. A legislação brasileira possui alguns artigos que garantem a proteção integral de crianças e adolescentes sendo eles o art. 227 da Constituição Federal, art. 3.º e art. 241 (alterado pela Lei 10764/03) do Estatuto da Criança e do Adolescente. O Código Penal Brasileiro não possui o tipo penal pedofilia, sendo aplicado no presente caso tipificações relacionadas ao crime de estupro (art. 213 do Código Penal), atentado violento ao Pudor (art. 214 do Código Penal) com agravantes pela presunção de violência conforme art. 224 alínea “a“.

Diversos projetos, inclusive a criação de uma CPI relacionada à Pedofilia, buscam alterações no Código Penal solicitando penas para este crime: 30 anos de reclusão e que o mesmo seja considerado como crime hediondo, além da pena de prisão de 02 a 06 anos e multa instituídos no Estatuto da Criança e do Adolescente referentes à pornografia infantil. O Brasil, além de discutir o tema, necessita com urgência da criação de uma legislação específica para coibir todos os crimes relacionados à informática. Pois sem isto, se torna difícil saber de onde vêm à veiculação de material pornográfico e pertinente provedores que está sendo usado até chegarmos aos verdadeiros autores.

Outro aspecto que também deve ser levado em consideração é a responsabilidade dos pais de verificarem o que seus filhos estão fazendo. Hoje, vivemos em uma sociedade de consumo, onde os pais chegam fatigados do seu trabalho e colocam as crianças no computador para se verem livres dos ladrões que estão nas ruas. Com isso, se esquecem dos diversos criminosos que interagem utilizando-se de mecanismos através de computadores. Sensibilizarmos-nos com o crime de Pedofilia não fará com que o mesmo seja coibido, sendo necessário providências:
• Os pais possuem responsabilidade de coibir seus filhos de acessarem a Internet, devendo verificar a todo o momento a caixa de mensagens, bloquearem sites que sejam considerados suspeitos, não exibir fotos de seus filhos em comunidades com trajes que venham expor seus corpos e, principalmente, o dialogar para ensinar crianças e adolescentes a não prestarem informações a desconhecidos;
• Devemos cobrar mais do Estado na agilidade de projetos de lei que venham a coibir a referida prática, pois não podemos continuar inertes e sermos meros espectadores diante da gravidade deste problema que só tende a crescer;
• Propaganda ostensiva coibindo este crime seja na televisão, nas escolas ou em casa. O que não podemos é nos sensibilizarmos e nos indignarmos apenas quando surgem problemas que são veiculados nos meios de comunicação.

É necessário que comunidade, órgãos públicos, polícias e Poder Judiciário se atrelarem em um único objetivo buscando coibir este crime horrendo. E para isto existe a necessidade de um aprofundamento maior no aspecto cultural, familiar, jurídico e social. Que o referido artigo possa servir de alerta e reflexão em todas as áreas sociais e familiares porque só assim não só este crime, mas outros poderão ser coibidos.

* Dra. Gislaine Barbosa de Toledo, advogada do escritório Fernando Quércia e Advogados Associados.



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes