Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pela saúde dos funcionários e da própria empresa

Pela saúde dos funcionários e da própria empresa

04/10/2013 Fabio Hansen

Funcionários mais saudáveis. Essa é uma das principais aspirações de grandes empresas no Brasil. Pelo menos é o que aponta a pesquisa Global HR Barometer 2013, da consultoria Michael Page, realizada com mais de 4.300 empresas pelo mundo.

Das 171 brasileiras que participaram da pesquisa, 47% responderam que pretendem investir ainda mais em programas de bem-estar e saúde aos seus funcionários. Em todo o mundo, 42% afirmaram dar essa mesma prioridade. Com essa preocupação em investir em programas de saúde e bem-estar entre seus colaboradores, há uma grande expectativa de que cresça no país o número de empresas que oferecem aos seus funcionários subsídios para a compra de medicamentos.

Trata-se de uma prática muito comum em países mais desenvolvidos, como os EUA, onde este conceito já é difundido desde a década de 1980. Hoje, mais de 200 milhões de americanos já recebem este auxílio de seus empregadores por meio do PBM (Pharmacy Benefit Management), aqui traduzido livremente para Programa de Benefício em Medicamentos.

Enquanto isso, no Brasil, apenas 2,5 milhões de funcionários já recebem esse benefício. Mas a adesão de grandes empresas tem contribuído consideravelmente para a popularização do PBM no país. Oi, Nestlé, Unilever, Petrobras e IBM estão entre algumas empresas nacionais que já oferecem esse benefício aos seus funcionários. Os resultados obtidos até aqui por companhias desse porte ajudam a comprovar suas vantagens. Entre elas, uma expressiva redução do absenteísmo entre os funcionários.

E, como indicam alguns estudos científicos, funcionários mais saudáveis são também mais produtivos. Ou seja, é bom para o funcionário e bom para a empresa. Um sinal de que a expansão do PBM já está em processo no Brasil está no resultado de uma pesquisa realizada pela PBMA (Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM).

Ela revela que, no 1º trimestre deste ano, o número de empresas com mais de 500 empregados que recebem subsídio para a compra de remédios em rede de farmácias credenciadas cresceu 5,8% em comparação com o mesmo período no ano passado. Com isso, o número de beneficiários registrou um aumento ainda maior, de 8,6%. A expectativa é a de que cerca de 20 milhões de empregados estejam recebendo das empresas o benefício para a compra de medicamentos até 2017.

*Fabio Hansen é diretor da PBMA - Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM (Programa de Benefício em Medicamentos).



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.