Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Personagens mostram que meninas podem ser cientistas

Personagens mostram que meninas podem ser cientistas

23/02/2019 Marici Ferreira

As mulheres têm conquistado cada vez mais espaço em várias áreas nas últimas décadas.

Mas, se a presença feminina em inúmeras atividades ainda é inaceitavelmente menor que a masculina, na ciência o quadro é mais grave.

No dia 11 de fevereiro, comemorou-se o “O Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência”, data instituída pelos Estados-Membros da Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015, com o objetivo de reconhecer o importante papel que as mulheres desempenham nas comunidades de ciência e tecnologia ao redor do mundo e cujas comemorações são lideradas pela Unesco e pela ONU Mulheres.

A Associação Brasileira de Licenciamento de Marcas e Personagens (ABRAL), que reúne empresas como Mauricio de Sousa Produções (MSP), Disney, Gloob, Instituto Ayrton Senna, entre outras, apoia a ampliação da participação da mulher em áreas em que ainda é subrepresentada.

De acordo com um estudo realizado em 14 países, a probabilidade de mulheres obterem o grau de licenciatura, mestrado e doutoramento em campos relacionados à ciência é de 18%, 8% e 2%, respectivamente, enquanto as porcentagens masculinas são de 37%, 18% e 6%, ou seja, mais que o dobro.

Para que as mulheres ampliem sua presença nos laboratórios no futuro, é importante falar com as meninas hoje. É fundamental que elas percebam que ciência é coisa de menina, sim.

A ABRAL considera que os personagens podem ter um papel importante para mudar esse quadro. Luna, por exemplo, uma garotinha de 6 anos apaixonada por ciência e que usa experimentos e a imaginação para fazer muitas descobertas, faz muito sucesso com o desenho animado com o seu nome: “O Show da Luna”. Outros exemplos são “Dora, a Aventureira”, menina que, com seu amigo macaco de estimação e sua mochila falante, desvenda o mundo em desafios educativos, e a “Doutora Brinquedos”, que “diagnostica” seus bonecos e bichinhos de pelúcia.

Por meio do projeto Donas da Rua, que tem o apoio da ONU Mulheres, a Mauricio de Sousa Produções mostra a meninas e mulheres de todas as idades que não é preciso ter um Sansão para conseguir seu espaço.

Dentro da série Donas da Rua da História, o projeto mostra mulheres importantes em vários setores, inclusive na ciência: Magali é retratada como Ada Lovelace, precursora da programação de computadores; Cascuda como a prêmio Nobel de química e física Marie Curie; e Milena como Katherine Johnson, cujos cálculos foram fundamentais para que o homem chegasse à Lua. As ilustrações circulam pelo país em exposições itinerantes e em eventos que aproximam as garotas da ciência, apoiados pela MSP.

Um dos grandes destaques do filme “Pantera Negra”, da Marvel, um dos que concorrem ao Oscar deste ano, é a atriz guianense Letitia Wright, que  interpreta a princesa e maior cientista de Wakanda, o país africano ficcional que é o lar do personagem principal. Ela chefia um laboratório de onde saem grandes inovações tecnológicas.

São iniciativas como essas que podem estimular a presença feminina na ciência, hoje dominada por homens. Nas premiações mais recentes do Nobel, feitos em cinco categorias, a participação da mulher continua muito pequena: 5,6%.

Das 904 pessoas premiadas desde 1901 com o Nobel, apenas 51 são mulheres. A física tem o pior índice de vencedoras: 1%. Somente três mulheres ganharam o prêmio desde 1901. Antes de a canadense Donna Strickland vencer no ano passado, a última mulher premiada foi em 1963, há 55 anos.

Para especialistas, o período para aumentar esse número é a infância. Por isso, a ABRAL, cujos personagens infantis licenciados são o carro-chefe das associadas, considera tão importante incentivar ações e novas ideias que possam mostrar a importância da presença feminina em todas as áreas desde os primeiros anos. O Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência precisa ser lembrado e muito festejado todos os anos.

* Marici Ferreira é presidente da ABRAL.

Fonte: Letras & Fatos Comunicação



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes