Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Perspectivas positivas para universalização do saneamento básico

Perspectivas positivas para universalização do saneamento básico

02/10/2013 Giovani Toledo

O Brasil deu mais um passo na solução de uma de suas mais graves deficiências: a disponibilidade de saneamento básico e esgotamento sanitário para todos os brasileiros.

O Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) – Lei 11.445/2007, do Ministério das Cidades, aprovado em junho último, vem a regulamentar e estimular diversas diretrizes e ações que visam oferecer melhores condições de vida e saúde para a população, aliado à preservação do meio ambiente.

O Plano prevê projetos nos âmbitos federal, estadual e municipal, envolvendo água, esgoto, resíduos sólidos e águas pluviais, que demandarão investimentos de R$ 508,5 bilhões até 2033. Entre as metas do Plansab até o ano de 2030, estão a universalização do abastecimento de água, a redução de 41% para 32% do índice de perdas de água e a oferta de serviços de coleta e tratamento de esgoto a 90% dos domicílios. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD 2012), divulgada no dia 27 de setembro deste ano pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Brasil possui 62,8 milhões de domicílios.

Deste total, apenas 57,1% tem acesso a rede de esgoto, dado que demonstra o grande desafio que os governos têm de enfrentar e que devem ser uma prioridade. Do total de recursos definidos pelo Plansab, até o ano de 2033, cerca de R$ 182 milhões deverão ser destinados a projetos de esgotamento sanitário, afetando diretamente a saúde da população e a qualidade ambiental, com a adoção de soluções para o tratamento dos esgotos com níveis de eficiência compatíveis para o lançamento de efluentes nos corpos receptores ou ainda para reutilização em fins não potáveis.

Para que estas e outras metas sejam atingidas, estão definidas estratégias diversas, relativas às macrodiretrizes previstas no Plansab, que incluem políticas, regulação, fiscalização dos serviços, desenvolvimento tecnológico, investimentos e monitoramento.

Melhorar as redes de saneamento é investir em saúde e cidadania. É sabido que, segundo a Organização Mundial da Saúde, para cada R$ 1 investido nesta área, R$ 4 são economizados com serviços de saúde, além de afastar as pessoas de condições degradantes de moradia. A iniciativa privada terá um papel fundamental na oferta de tecnologias, produtos e serviços que contribuam para a implementação dos projetos e as empresas nacionais estão preparadas para a empreitada.

Indústrias da área, em conjunto com entidades setoriais, têm colocado em pauta a necessidade de universalização, discutindo sobre novas formas e critérios para a utilização dos investimentos e para seu devido controle, permitindo que os prazos estabelecidos possam ser cumpridos. Estas soluções, para grandes ou pequenas comunidades, rurais ou urbanas, podem, não apenas permitir às pessoas que tenham suas necessidades sanitárias atendidas, como melhorar a utilização dos recursos hídricos, com a possibilidade de reutilização da água tratada para fins não potáveis.

Junta-se a isso, a adoção de campanhas educativas no sentido de promover, entre a população, práticas que levem à redução de desperdícios, reaproveitamento de água da chuva, entre outras medidas de resultados bastante positivos. Há muito a ser feito e somente a união entre as iniciativas pública e privada permitirá atingir o grau de excelência em saneamento básico, abastecimento e tratamento de água e esgoto que os brasileiros precisam.

Todos os esforços são válidos para que o Plano seja, de fato, um instrumento para orientar e regular as políticas do setor conforme as peculiaridades regionais do País, incentivando o planejamento de ações a curto, médio e longo prazos.

*Giovani Toledo é gerente de mercado da Unidade de Negócios Mizumo - referência nacional em estações pré-fabricadas para tratamento de esgoto sanitário.



Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.


Os perigos do Transporte Aéreo Clandestino

Os regulamentos aeronáuticos buscam estabelecer critérios mínimos a serem seguidos pelos integrantes da indústria em questão.


A agenda do dia seguinte

A reforma da Previdência será aprovada no Congresso, salvo fatos graves e imprevistos. A dúvida, hoje, se restringe a quanto será, efetivamente, a economia do governo, em dez anos, já que as estimativas variam entre 500 a 900 bilhões de reais.


Comissão de Justiça e Paz

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.