Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

07/07/2019 João Alfredo Lopes Nyegray

Brasil e Argentina são parceiros de longa data.

Em 1821, o governo português, então instalado no Rio de Janeiro, foi o primeiro a reconhecer a independência argentina. Logo após, em 1823, foram os argentinos os primeiros a reconhecer nossa independência.

Essa parceria se desenvolveu desde então, e atualmente estende-se às áreas militar e de defesa, científica, política e também turística.

Na economia, nossos relacionamentos têm suportado crises econômicas em ambos os lados, e em escala mundial. As exportações brasileiras para lá crescem ano a ano e, embora tenham sofrido uma queda em 2018, possuem perspectivas de retomada.

Ainda com o encolhimento do ano passado, as exportações para a Argentina superam largamente as importações – que também crescem com o passar do tempo.

Nós somos cerca de 210 milhões. Eles, aproximadamente 50 milhões. Nosso PIB é maior, mas o Índice de Desenvolvimento Humano argentino supera o nosso.

Ambos os países sofrem com a falta de liberdade econômica e precisam muito avançar nesse quesito. Somos unidos por uma linha de fronteira que se estende por algo em torno dos 1200 quilômetros.

Como se pode perceber, há muitos pontos de convergência, algumas semelhanças, outras diferenças, mas, sobretudo, um longo histórico de boa relação. Buscando perseverar com o bom relacionamento, o presidente Jair Bolsonaro fez sua primeira viagem oficial a Buenos Aires.

Recebido pelo presidente argentino Mauricio Macri – em meio a alguns protestos pelas ruas da capital –, a pauta dos presidentes incluiu as negociações do Mercosul com a União Europeia, o livre comércio entre os países e ainda encontros entre empresários de ambos os países.

Bolsonaro cogitou a criação de uma moeda única para brasileiros e argentinos: o peso real. O ministro Paulo Guedes, por sua vez, afirmou que a ideia da moeda única anima bastante os argentinos.

Certamente, a inspiração da ideia veio do Euro, a moeda única europeia. A criação de uma moeda única para Brasil, Argentina e, eventualmente, para os demais membros do Mercosul, encontra – no entanto – um cenário muito diferente por aqui.

A União Europeia começa na década de 1950, num cenário de Pós-Guerra, com a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA). A CECA evolui para Comunidade Europeia e, posteriormente, para União Europeia.

Como se pode perceber, foi um processo de integração regional paulatino, apoiado por acordos em várias áreas, com a convergência de legislações e de políticas econômicas e públicas.

O Euro entrou em vigor em 2004, após décadas de negociação e estudo, num momento de estabilidade econômica dos países do bloco.

Essa estabilidade econômica que caracterizava o cenário europeu quando da adoção do Euro não é vista por aqui. Argentina e Brasil passaram por recentes períodos de estagnação, elevado desemprego e crise fiscal.

Recentemente o Banco Central Argentino elevou a taxa de juros para 60% ao ano (no Brasil a taxa está em 6,5%) e a inflação por lá ronda os 55% no acumulado dos últimos 12 meses. Para tentar sair da crise, os argentinos recorreram ao FMI e fizeram um empréstimo bilionário.

Tal situação torna a ideia da moeda única não apenas inviável, mas também indesejável. A própria viabilidade de uma moeda única depende de saúde econômica de ambos os lados, o que não se vê por aqui.

Além disso, há a questão da necessária convergência de políticas econômicas, o que também não é fácil. Enquanto a União Europeia data da década de 1950, o Mercosul data de 1990. Há muito o que se integrar e evoluir antes de pensarmos num “peso real”.

Outro complicador da ideia é a impossibilidade da adoção de políticas cambiais independentes. Em momentos de crise, é comum que alguns países desvalorizem a própria moeda visando atrair investimentos, o que nem sempre acontece. A partir do momento em que uma moeda é compartilhada por mais de um país, essa desvalorização é inviável. 

Não apenas podemos, mas devemos evoluir o Mercosul e a integração. Uma moeda única, nesse momento, certamente não é o caminho para isso.

A busca pelo crescimento, pelo emprego e pela expansão do comércio internacional do bloco deve ser, ao menos por enquanto, a prioridade.

* João Alfredo Lopes Nyegray é doutorando em Estratégia, mestre em Internacionalização, advogado e bacharel em Relações Internacionais.

Fonte: Central Press



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre