Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pessoas

Pessoas

05/02/2014 Marco Aurélio Marinho de Melo

Num dia comum, a personagem dessa crônica, assim como qualquer um, tem um sobressalto de consciência que a faz repensar no porquê das pessoas aparecerem e sumirem das nossas vidas.

As mãos foram lançadas ao bolso da calça rapidamente. As balas, que ele acabara de comprar, não estavam mais lá. Ele não conseguia lembrar se as havia chupado. Fechou os olhos e tentou apurar o paladar, mas não sentiu resquícios do gosto da bala, e teimoso, passou o dedo disfarçadamente entre as gengivas. Nada. Olhou desconfiado com o canto do olho para o senhor sentado no ponto de ônibus. Também lembrou de passar os olhos no chão. Nem um papel de bala. Nada além de nada. Mas enfim, chupadas ou não, elas não estavam mais com ele.

"Eram apenas algumas balas, mas e se fosse o dinheiro da minha passagem, como eu voltaria para casa? E se fosse a mochila, como eu encontraria todas as minhas coisas?" Ele se perguntava.

Do nada, melhor, do tudo, ele se viu pensativo, confuso, e de certa forma, meio cabisbaixo. Não era porque ele havia perdido as balas, menos ainda por não se lembrar se as chupou. Surpreendentemente, não foi por essas perguntas materialistas também. O buraco era mais fundo, e quando mais ele cavava, mais ele caía. Porém, inconscientemente, ele previa: de tanto cavar, em algum lugar irei chegar.

"Será que também é desta forma que perdemos pessoas? O dinheiro está no meu bolso, e mesmo que por pouco tempo, ele é considerado meu. Mas, e as pessoas?" Assim, começou a pensar.

"As pessoas andam, falam e pensam. Será que realmente as queremos deixar ou simplesmente as perdemos?"

Ele pensou em tudo que viveu e as pessoas que teve por perto e, na maioria dos casos, não viu muita razão por ter deixado certas pessoas para trás.

Mas, por fim, entendeu que como o dinheiro, pessoas circulam e acabam, ora ou outra, fazendo parte de vidas alheias. Também notou que o dinheiro possui valores diferentes, e que deveria preservar aquele que mais o agradava. Já no fio da meada, pensou: "Às vezes, tudo o que preciso é de dois reais para fazer um lanche, mais em outras ocasiões, posso precisar de muito dinheiro para comprar uma casa e me abrigar".

Ele não tinha a intenção de comparar um pedaço de papel com algo tão complexo e magnífico como os seres humanos. Foi apenas uma metáfora que o fez entender. "Agora sei muito bem que pessoas vêm e pessoas vão."

E, felizmente, com um pouquinho de Pequeno Príncipe que havia dentro de si, respirou fundo e sussurrou:

- Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.

A fumaça do ônibus o fez tossir, e desta vez, pelo menos desta vez, ele o deixou passar.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder