Portal O Debate
Grupo WhatsApp

PIM: os desafios que ainda temos pela frente

PIM: os desafios que ainda temos pela frente

03/04/2012 Luciano Medeiros

Um dos maiores e mais modernos complexos industriais da América Latina, o Pólo Incentivado de Manaus (PIM), que teve origem na Zona Franca de Manaus (ZFM), acaba de completar 45 anos, mas com muitos desafios pela frente.

O complexo gera mais de meio milhão de empregos diretos e indiretos e movimentou R$ 68 bilhões em faturamento empresarial no ano passado. Esse valor é quatro vezes maior do que o registrado há dez anos. Com 1,8 milhão de habitantes, Manaus é o sexto município em arrecadação de tributos no país, o que pode parecer um contrassenso no que muitos enxergam como “paraíso fiscal”. O volume de tributação gerado pela ZFM representa hoje mais de 50% dos impostos federais arrecadados na Região Norte.

Considerado o principal vetor de desenvolvimento para a região e para o Amazonas, a participação do PIM no fortalecimento da indústria nacional e na produção de riquezas do país é incontestável.  O complexo de indústrias tem cerca de 550 empresas de alta tecnologia, o que coloca Manaus entre as 20 melhores cidades brasileiras para se fazer negócio. Mesmo com recordes de faturamento, o complexo tem muitos problemas a enfrentar, como sua ampliação e atualização, já que o governo federal prometeu prorrogar os benefícios da Zona Franca por mais 50 anos.

Diante desse cenário, precisam ser traçadas perspectivas de crescimento e planos para o futuro. A região tem pela frente o desafio de confirmar a eficiência na administração dos incentivos fiscais e na elevação do nível de emprego e geração de renda. Com isso, surge a necessidade de se reavaliar a taxação das indústrias da área e os incentivos fiscais concedidos, que é seu principal atrativo. O investimento na vocação local, como a fabricação de produtos à base de recursos naturais (extratos para bebidas, cosméticos e fitoterápicos) pode levar a extensão da ZFM para os demais municípios da Região Metropolitana de Manaus.

Sem falar que há ainda potencial para negócios relacionados aos setores naval, madeireiro, de papel, vestuário, calçados, produtos alimentícios, material têxtil, imobiliário, beneficiamento de borracha, ótico e de brinquedos. Não podemos deixar de citar que ainda será preciso aumentar o nível de produtividade e de competitividade das empresas, ampliar a aplicação dos lucros na própria região e, principalmente, capacitar mão de obra.

Paralelamente aos muitos desafios da ZFM estão as deficiências inerentes a toda região que segue rumo ao crescimento, tais como transporte, energia, infraestrutura, saúde, educação, mobilidade urbana, abastecimento de água, habitação e navegação fluvial. O momento é ideal não para o desânimo, mas, sim, de entusiasmo para a construção de condições que sirvam como base para que as enormes perspectivas de crescimento da região se consolidem de fato.

* Luciano Medeiros é sócio da KPMG no Brasil e responsável pelo escritório de Manaus.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira