Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Plano de reconstrução nacional

Plano de reconstrução nacional

27/04/2020 José Pio Martins

Sob o aspecto de saúde pública, a pandemia do coronavírus é inédita pela alta capacidade de transmissão e pela alta abrangência mundial ao mesmo tempo.

Do ponto de vista econômico, esta pandemia criou uma situação inusitada: jogou grande parte da população mundial em confinamento residencial, travou o sistema produtivo e puxou o Produto Interno Bruto (PIB) dos países para baixo.

No caso do Brasil, o rápido e intenso isolamento social desativou brutalmente o sistema de produção, comércio e prestação de serviços, comeu uma enorme parte do PIB corrente, destruiu a renda de milhões de trabalhadores e desorganizou o sistema econômico.

Esta crise é diferente de todas que o país já viu. A paisagem nacional hoje é de fábricas paradas, cidades vazias, transportes desativados, lojas fechadas, mercados sem gente, produção em queda, trabalhadores em casa, desempregados sem renda, ou seja, uma colossal redução na produção e renda, com capacidade para virar uma dramática queda da oferta de bens e serviços e uma crise grave de abastecimento, a depender da duração do isolamento social.

Muitas são as discussões sobre o que fazer, qual plano o governo pode implementar, capaz de minimizar o estrago sobre o produto, a renda e o desemprego, cuja magnitude pode gerar focos de convulsão social.

O debate começa pela questão mais simples e menos entendida por quem não tem instrução forma em economia: por que o governo não emite dinheiro e distribui à população de forma a repor a renda perdida durante a crise?

Um exemplo que ressurge é a solução dada pelo economista John Maynard Keynes para a depressão dos anos 1930. Keynes produziu uma estrutura teórica – que originou o livro Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda (1936) – e propôs soluções para o aumento da demanda agregada, (que é a soma de consumo das pessoas, consumo do governo, investimento das empresas, investimento do governo e exportação menos importação).

A solução keynesiana propunha um grande programa de gasto do governo pago com emissão de moeda, sem aumento dos impostos.

Os adversários de Keynes argumentavam que a emissão de moeda sem o correspondente aumento do PIB jogaria a inflação para cima, como houvera ocorrido na Alemanha em 1922, quando, derrota na primeira guerra, o país expandiu a moeda circulante e, com a produção retraída, foi atingida duramente por uma hiperinflação que gerou fome e miséria em larga escala.

Aos críticos, Keynes respondia que o desemprego de trabalhadores e a capacidade ociosa das fábricas levariam a um rápido aumento do produto nacional, o abastecimento seria retomado e a expansão monetária não seria inflacionária, desde que o governo parasse de fazer déficits e emitir moeda tão logo a economia voltasse à normalidade, alertava ele.

Na atual situação brasileira, o governo não tem condições políticas de insistir no equilíbrio fiscal e deve, mesmo com déficit, executar um plano de investimento em infraestrutura física e infraestrutura social, ampliar a transferência de renda aos pobres e aos desempregados (sobretudo os profissionais autônomos) e regulamentar o refinanciamento de dívidas comerciais, bancárias e tributárias, mesmo que para isso aumente a dívida pública e faça expansão monetária.

O principal desafio será calibrar a expansão monetária com o aumento do PIB, pois a emissão de moeda não pode ser ilimitada nem permanente.

Para começar o debate, listei 12 medidas que me parecem úteis para ajudar na recuperação nacional durante e depois da crise, sem dispensar outras tantas medidas e ações que possam ser implementadas.

1 - Suspender execuções de dívidas fiscais de pessoas e empresas afetadas, nas três esferas da federação.

2 - Moratória tributária: prorrogar prazos para pagamento de tributos e renegociar passivos tributários, considerada a capacidade financeira do devedor.

3 - Moratória financeira: prorrogar dívidas no sistema bancário, estendidos à taxa de juros igual à Selic, segundo a insuficiência financeira do devedor.

4 - Prorrogar dívidas dos Estados e municípios com a União e com os bancos públicos federais, já que somente a União tem o poder de emitir dinheiro.

5 - Injetar liquidez primária no sistema financeiro e ampliar o limite operacional dos bancos (total que os bancos podem emprestar como múltiplo do patrimônio líquido menos o ativo imobilizado).

6 - Autorizar os bancos a ofertarem linhas de crédito para empresas e consumidores, sem limite de teto total da linha, com taxa de juros igual à Selic mais uma pequena taxa para cobrir custos administrativos dos bancos.

7 - Criar o Seguro Coletivo de Créditos para os financiamentos concedidos no âmbito do Plano de Reconstrução Nacional, de forma a dividir os riscos com todo o sistema financeiro.

8 - Elaborar e executar um Plano de Obras e Equipamentos que inclua obras da União, dos estados e municípios.

9 - Criar, para financiar o Plano de Obras e Equipamentos dos estados e municípios, linha de crédito especial no Banco do Brasil, Caixa Econômica e BNDES.

10 - Criar um plano de investimentos no sistema de saúde, hospitais, leitos, equipamentos, materiais e recursos humanos.

11 - Compensar parte dos efeitos econômicos e financeiros do confinamento por meio de um programa de transferência de renda às camadas mais pobres e aos quase 40 milhões de trabalhadores autônomos.

12 - Criar o contrato simplificado de trabalho, com validade por 3 anos, como instrumento de estimular rapidamente a contratação de trabalhadores.

A crise é gravíssima, um plano desse tipo tem vários problemas, a dosagem de expansão monetária é difícil de calibrar, mas a opção “não fazer nada” inexiste, logo, é preciso agir.

* José Pio Martins é economista, reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann