Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho

Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho

01/05/2013 Mirela Barboza Cardoso

A prevenção de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais é pauta governamental prioritária, por diversos motivos, entre eles as elevadas estatísticas que vêm sendo divulgadas ano a ano.

Em sua última edição, o Anuário de Estatísticas da Previdência Social contabilizou 711.164 ocorrências formalizadas. Se pensarmos nas ocorrências que não são contabilizadas, é ainda mais alarmante a situação. Signatário das convenções da OIT sobre o tema, o Brasil estava em atraso com a criação de uma política nacional de segurança do trabalho, o que, formalmente, só veio a ocorrer em 2011.

Desde então, medidas públicas nas esferas do Executivo, Legislativo e Judiciário foram editadas, demonstrando que deu-se início a uma verdadeira cruzada que certamente não irá recuar. É nesse cenário que foi criado o Plano Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho – PLANSAT.

Trata-se de uma iniciativa conjunta dos Ministérios da Saúde, Previdência Social e do Trabalho e Emprego, que foi teve início em 2008 com a criação de uma comissão tripartite formada por representantes do governo, empregadores e empregados, através de suas respectivas confederações. Nessa comissão foram gestados o Fator Acidentário de Prevenção – FAP e o Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário – NTEP, que são as mudanças que maior impacto causaram no atual cenário.

O PLANSAT prevê para curto prazo medidas como a elaboração de Norma Regulamentadora sobre a gestão em Segurança e Saúde no Trabalho, a harmonização entre as legislações trabalhista, sanitária e previdenciária, entre outras que se relacionem ao tema, além do aperfeiçoamento constante dos nexos técnicos previdenciários.

A fiscalização de máquinas e equipamentos é objetivo permanente no PLANSAT, o que merece especial atenção, já que qualquer inconformidade identificada poderá resultar em interdição ou embargo, causando uma série de transtornos que podem ser evitados caso essas adequações façam parte de uma agenda positiva desde já.

Em contrapartida, há no plano a previsão da criação de linhas de financiamento/crédito, junto ao BNDES e outras instituições de fomento, para a retirada e inutilização de máquinas e equipamentos que não atendam às normas, bem como para o desenvolvimento de tecnologias seguras, além de incentivos fiscais nesse mesmo sentido.

É uma excelente oportunidade que irá conferir competitividade àquelas empresas que saírem na frente e focarem em pesquisas na área. Nesse sentido, resta a conclusão de que a prevenção e controle dos acidentes e doenças ocupacionais se mostra inegavelmente um investimento, não um custo, que em curto, médio e longo prazo trará benefícios a todos os envolvidos.

*Mirela Barboza Cardoso é Advogada e Sócia da Pactum Consultoria Empresarial.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira