Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Plásticos biodegradáveis, abrace essa causa

Plásticos biodegradáveis, abrace essa causa

01/12/2008 Eduardo Van Roost

O plástico foi desenvolvido a partir dos anos 30 e continua sendo uma das grandes conquistas do homem. Com o crescimento da população mundial e o descarte irresponsável no meio ambiente, o plástico passou a ganhar status de vilão.

O resultado são toneladas diárias de lixo, que são despejadas em terrenos impróprios, sem contar o que acaba nos rios e matas, gerando sérios problemas para o meio ambiente e para a população. Mas essa história não deveria ser assim, afinal o plástico é um material fantástico e indispensável no nosso dia-a-dia. Os plásticos que hoje são abandonados, sem jamais serem coletados e reciclados, causam danos como morte de animais por ingestão e sufocamento, entupimento dos sistemas de drenagem urbanos etc. Mais de 50% dos resíduos encontrados nas praias são plásticos e mais de 60% dos resíduos encontrados nos oceanos são constituídos de plásticos. Agora, eles se tornaram alvo das críticas dos ambientalistas e ONGs.

Do ponto de vista do produto, os plásticos, em especial as embalagens, são materiais com inúmeras vantagens para o consumo e superam outros materiais como o papel, o vidro e o metal. Eles são recicláveis, podem ser fabricados a partir de materiais reciclados e são reutilizáveis. São mais leves, resistentes, impermeáveis, possuem características de proteção para o produto embalado, consomem menos energia e água em sua produção, ocupam menos espaço nos estoques e no transporte e, por serem mais leves, precisam de menos caminhões para transporte, o que significa menos queima de combustíveis e menos veículos nas ruas e estradas. Porém, as mesmas características positivas de resistência  o torna um material de difícil e lenta degradação. Por conta disso, e, principalmente, devido à ação do homem - que não descarta corretamente as embalagens - e ao plástico não ser economicamente interessante para a reciclagem, ele tem sido banido de muitos países, mas a culpa não é do plástico.

A ciência e os institutos de pesquisa têm estudado e desenvolvido plásticos menos agressivos ao meio ambiente. Em parceria com universidades e cientistas, especialistas de diversos setores buscam soluções para que o plástico não se transforme em um produto nocivo ao ecossistema. Para tanto, já existem muitas tecnologias que são utilizadas em todo mundo. Entre as soluções desenvolvidas pela ciência estão os plásticos biodegradáveis e compostáveis, tais como PLA, PHAs e PHBs. Existem também os plásticos derivados do amido de milho, onde a grande maioria tem em sua composição o amido e o poliéster, por isso são chamados de híbridos. Outro tipo utiliza um aditivo chamado d2w. No caso do d2w, trata-se da introdução de 1% de um aditivo durante o processo de produção das embalagens plásticas convencionais. As embalagens d2w são produzidas com as mesmas matérias-primas, máquinas e processos convencionais.

Possuem as mesmas características desejáveis das embalagens plásticas comuns, com uma única diferença: vão degradar-se totalmente, de forma muito mais rápida e sem causar impacto no ecossistema, caso fiquem abandonadas no meio ambiente. Estes plásticos também são reutilizáveis, recicláveis e podem ser fabricados a partir de plásticos reciclados. Entre tantas iniciativas que despontam no Brasil, uma delas vem da capital do Rio Grande do Sul. Recentemente, Porto Alegre começou a usar sacolas biodegradáveis d2w para fezes dos cachorros em um dos principais parques da cidade gaúcha. Na maioria dos casos são produzidas a partir de plásticos reciclados e que não mais serão reciclados por estarem contaminados por detritos. Iniciativas como essa são louváveis.

Podemos citar também centenas de empresas brasileiras que adotam o uso de embalagens biodegradáveis em seus produtos (só o d2w conta com mais de 160 empresas do setor plástico). Entretanto, em paralelo ao uso de tecnologias para reduzir o impacto das embalagens no meio ambiente, é necessário que a população não esqueça as boas práticas do consumo sustentável e responsável. Esse é um primeiro passo para enfrentar o problema. Da mesma forma, o poder público deve criar e incentivar políticas públicas de reciclagem, reuso e de educação ambiental, para que isso deixe de ser apenas uma boa ação e passe a ser uma obrigação de cada um de nós.

*Eduardo Van Roost é empresário, presidente da Res Brasil.



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.