Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Políticos priorizam interesse próprio, não do país

Políticos priorizam interesse próprio, não do país

06/01/2017 Luiz Carlos Borges da Silveira

Os políticos haverão de compreender que a prioridade é o trabalho em favor do povo.

Políticos priorizam interesse próprio, não do país

A classe política brasileira passa a certeza que o objetivo que a move é o puro interesse político-eleitoral sem importar-se com o país em si.

Os políticos sempre em busca de cargos e de poder, dedicam tempo em conchavos, negociações e arranjos. Puro oportunismo.

Comento este detalhe porque recentemente um ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso teve a ousadia de escrever artigo em jornal de circulação nacional para lançar a candidatura do ex-presidente em 2018, algo inoportuno que deixou a impressão de querer se aproveitar da situação, colocando o ex-presidente como uma espécie de salvador da Pátria.

A manifestação foi tão despropositada que o próprio FHC divulgou nota afirmando que ‘nunca cogitou, não cogita, nem cogitará’ disso, ou seja, desautorizou o oportunista e bajulador ex-assessor. Agora mesmo temos visto o atual presidente da Câmara Federal (que substituiu Eduardo Cunha) lançar precipitadamente sua candidatura à reeleição.

No momento em que o governo tenta levar sua atuação sem ebulições políticas, essa decisão de Rodrigo Maia criou um problema para o governo e deflagrou antecipadamente o processo provocando, claro, manifestação de grupos contrários que pretendem indicar um candidato.

Foi criado clima de disputa no âmbito do Congresso, o que em nada contribui para a estabilidade política. A eleição presidencial de 2018 também está na ordem das especulações de grupos interesseiros. As lideranças tucanas estão em velada disputa interna, porque os principais nomes – Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra fazem articulações buscando ser o candidato do partido.

Por que isso acontece, se qualquer cidadão sabe que o momento é de entendimento político para tirar o país da crise econômica e colocá-lo no bom caminho institucional? Acontece que os políticos ainda não aprenderam que em primeiro lugar está o país, estão os brasileiros que sofrem com os desmandos políticos e administrativos.

Acredito, e tenho plena convicção, que a atual geração política está perdida. Portanto é necessário banir as velhas práticas e conceitos. Para isso, é urgente renovar. E como o eleitor pode mudar? Primeiro, ele próprio assumir o direito e dever de votar e renovar; segundo, precisa assumir a decisão de participar da política, pois a omissão nada resolve.

O eleitor deve ter plena consciência que a política brasileira somente mudará se as mentes, os políticos e as práticas nefastas forem afastados. Quando o eleitor der esse claro recado, confirmado nas urnas, os políticos haverão de compreender que a prioridade é o trabalho em favor do povo e haverão de entender também que se assim não agirem, serão refugados nas urnas.

Porém, reafirmo isso tudo depende de o eleitor usar bem sua poderosa arma democrática: voto!

* Luiz Carlos Borges da Silveira é empresário, médico e professor. Foi Ministro da Saúde e Deputado Federal.



Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.