Portal O Debate
Grupo WhatsApp

População da Baixada quer continuidade da Operação Verão

População da Baixada quer continuidade da Operação Verão

14/03/2024 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

No palanque armado na Praça das Bandeiras (Praia do Gonzaga), a população de Santos manifestou-se, no último sábado, pela continuidade da Operação Verão da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

A reivindicação é que esse esquema especial de policiamento não fique restrito ao período em que a Baixada Santista recebe grande número de turistas.

Isso porque os problemas de segurança são permanentes e colocam em risco a integridade dos cidadãos em todas as épocas do ano.

A região vem sendo densamente patrulhada – inclusive a cúpula da Segurança Pública do Estado ali esteve instalada por 13 dias - e os resultados desse trabalho são positivos, segundo os relatórios oficiais.

Iniciada em dezembro - em apoio ao fluxo turístico - a Operação Verão prosseguiu após as mortes do PM Samuel Wesley Cosmo e do cabo José Silveira dos Santos, ocorridas em 2 e 7 de fevereiro, quando patrulhavam a área e foram abatidos em confrontos com criminosos.

Desde 18 de dezembro, quando começou a primeira fase, o trabalho resultou na prisão de 876 criminosos, 334 dos quais procurados pela Justiça.

Foram retirados de circulação 616,2 quilos de drogas e 90 armas ilegais, parte delas de uso restrito às forças militares e policiais. Trinta e nove criminosos pereceram em confrontos.

A Baixada Santista é impactada pela ação do crime organizado – especialmente o tráfico de drogas embarcadas clandestinamente em navios que circulam pelo porto de Santos (o maior do País) e a presença dos agentes do crime potencializa o tráfico e o consumo das substâncias nas cidades, especialmente em seus guetos.

Para se sustentar, o crime organizado realiza ações secundárias, que também comprometem a segurança da população.

O governador Tarcisio de Freitas e o secretário da Segurança Pública, capitão Derrite, optaram pelo enfrentamento dos esquemas criminosos, cujo objetivo é sufocar a atividade ilegal e liberar a população dos riscos.

Fizeram tudo às claras, transferindo a direção da SSP e operar na área, tudo com o conhecime nto pleno do Ministério Público, Correfedorias e Defensorias. “Estamos realizando o nosso trabalho com transparência e conhecimento dos órgãos de controle” – disse o governador.

Manifestantes presentes à Praça das Bandeiras falaram da necessidade da operação policial prosseguir, ao mesmo tempo em que contestaram os que tentam politizar a atividade e denunciam violência, letalidade policial e operações supostamente ilegais.

O comandante-geral da Polícia Militar, cel. Cassio Araújo de Freitas, presente ao ato público, disse que os indicadores criminais estão diminuindo na região.

Destacou que a Polícia Militar é tradicional em apurar as denúncias que recebe e punir aqueles que tenham cometido excesso: “Nós temos apurado tudo o que chega, mas muito do que é falado, simplesmente é falado” - enfatizou.

A Segurança Pública é um dos setores mais sensíveis do governo e da sociedade. Tornou-se habitual – durante muito tempo – o trabalho policial sofrer críticas e contestações de setores comprometidos com o crime ou, pasmem, de segmentos que criticam na esperança de obter rendimento polítco, eleitoral e até ideológico.

A postura de Tarcisio, Derrite e seus auxiliares – de agir conforme determina a lei e fazer tudo com o conhecimento dos órgãos de fiscalização e controle, tende a ampliar a eficiência da ação policial e a servir melhor à sociedade.

O policial precisa ter – e normalmente tem – conhecimento do que deve realizar no seu trabalho e a certeza de que, se extrapolar, poderá ter problemas.

Da mesma forma, os órgãos de fiscalização – independente de questões políticas ou ideológicas de quem os dirige – só poderão denunciar quando tiverem fatos devidamente apurados.

Os que falam sem embasamento ou ao sabor dos próprios interesses, tendem a amargar o descrédito. Segurança é coisa séria e jamais poderá ser tratada à luz de interesses subalternos e nem quedar-se aos interesses criminosos.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre segurança pública clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp



A medicina é para os humanos

O grande médico e pintor português Abel Salazar, que viveu entre 1889 e 1946, dizia que “o médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Autor: Felipe Villaça


Dia de Ogum, sincretismo religioso e a resistência da umbanda no Brasil

Os Orixás ocupam um lugar central na espiritualidade umbandista, reverenciados e cultuados de forma a manter viva a conexão com as divindades africanas, além de representar forças da natureza e aspectos da vida humana.

Autor: Marlidia Teixeira e Alan Kardec Marques


O legado de Mário Covas ainda vive entre nós

Neste domingo, dia 21 de abril, Mário Covas completaria 94 anos de vida. Relembrar sua vida é resgatar uma parte importante de nossa história.

Autor: Wilson Pedroso


Elon Musk, liberdade de expressão x TSE e STF

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes, renomado constitucionalista e decano do Supremo Tribunal Federal, ao se manifestar sobre os 10 anos da operação Lava-jato, consignou “Acho que a Lava Jato fez um enorme mal às instituições.”

Autor: Bady Curi Neto


Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado