Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que a direita se esconde?

Por que a direita se esconde?

27/02/2010 Fábio P. Doyle

No Brasil só existem partidos de esquerda, ou que se dizem de esquerda. Todos os candidatos à presidência têm ou tiveram ligações estreitas com o esquerdismo. Aécio seria a exceção, mas não deverá ser ainda desta vez.

QUE TAL a criação de um partido de direita no Brasil? A sugestão, válida e oportuna, foi dada pelo jornalista Merval Pereira, em comentário feito no Jornal das 10 da Globo News.

LÓGICO que Merval, um correto jornalista político, não leu o que escrevi aqui, neste blog mineiro, no dia 19 de janeiro. Quem sou eu para tê-lo como leitor. Acontece que meu tema foi exatamente o que ele abordou na sua análise, ou seja, no Brasil só existem hoje partidos de esquerda, ou que se apresentam assim.

NO comentário que fiz no meu blog, que levou o título "Só Aécio poderia enterrar 1964", comentei que depois dos governos dos generais, e de um rápido intervalo que seria de Tancredo, mas foi de José Sarney, "o grupo chamado nem sempre corretamente de "esquerda"assumiu de vez". E acrescentei: "Alguns, mais liberais, como Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, outros, como o formado pelo PT e companhia, em torno de um presidente que raramente se posiciona com nitidez, mais radicais, em alguns episódios, até em excesso".

NA verdade, José Serra e Dilma Rousseff, que lideram as pesquisas para presidente, são oriundos de agrupamentos políticos chamados de progressistas, por sustentarem teses socialistas, no caso de Dilma chegando a posicionamentos mais radiciais, que incluiram, no passado, até guerrilha armada. Mesmo os que se situam em posições menos destacadas nas pesquisas, como Ciro Gomes e a simpática e autêntica Marina Silva, só cabem naquela classificação de progressistas, quando não se quer dizer diretamente esquerdistas.

ONDE está a direita brasileira, pergunto eu, e perguntou Merval? Ela tentou mostrar sua cara pálida no PFL, depois no DEM, mas procurando evitar uma fotografia mais nítida. E agora, envolvida em tantos problemas, como os do governo de Brasília, é que não irá assumir mesmo, se é que algum dia pensou em assumir. O que é estranho. Afinal, ser de direita, ou centro-direita, ou conservador, ou liberal, não é vergonha para ninguém, apenas uma posição ideológica, como as outras. E quem pode afirmar que a maioria da população não seria também majoritariamente conservadora, liberal, de centro, ou de centro-direita? Milton Campos, Pedro Aleixo, Juscelino Kubitschek, Aureliano Chaves, para citar apenas os que já não estão mais aqui, grandes líderes políticos de Minas e do Brasil de um passado que só deixou bons exemplos, eram assumidamente democratas, liberais, conservadores.

NO meu comentário, conclui que o governador de Minas, Aécio Neves Cunha, se fosse candidato à sucessão de Lula da Silva, daria ao Brasil um governo sem qualquer vinculação direta ou indireta com a esquerda que ainda curte atacar o regime militar de 64. E conclui: "Haveria uma chance de se enterrar de vez um passado que já beira os 50 anos, mandando para os compêndios de história os conflitos, as divergências, as justificativas e as contraditas do movimento de 64: se o candidato, pela sua idade, não tivesse registrado em seu currículo qualquer envolvimento com os fatos mencionados. Quase que chegamos nele. Seru nome salta da página: Aécio Neves Cunha. É jovem, nasceu nos anos sessenta, logo não participou dos episódios que antecederam e sucederam imediatamente a 1964".

POIS é isso. Partidos de direita, de centro-direita, liberais, existem, e disputam eleições erm todo o mundo civilizado, e muitas vezes, como ultimamente na Europa, são vitoriosos. Para citar alguns: nos Estados Unidos, país que é modelo de democracia, o Partido Republicano, que parece já ter candidata, Sarah Pailin, de extrema-direita, para a sucessão de Barack Obama, um democrata-liberal de tendências progressistas; na Inglaterra, o Partido Conservador, que era o de Churchill; no Parlamento Europeu, o Democrata, que venceu a eleição; na Alemanha, o CDU, Cristão-Democrata, de Angela Merkel; na França, o UMP de Sarkozy; na Itália, o Democrata, que comanda o governo; na Espanha, o PP, vitorioso nas últimas eleições; na Polônia, o PO, também vitorioso. E tantos outros. Por que apenas no Brasil ninguém se habilita a ocupar o espaço vago?

* Fábio P. Doyle é jornalista e membro da Academia Mineira de Letras



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins