Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que falar de empreendedorismo na periferia?

Por que falar de empreendedorismo na periferia?

13/04/2021 Haroldo da Gama Torres

No mundo contemporâneo, o empreendedorismo tem se destacado como uma possibilidade relevante de superação das condições de trabalho, especialmente em momentos de agravamento das condições sociais.

E isso é ainda mais urgente nas periferias urbanas e em iniciativas voltadas para a formação de jovens. Afinal, neste momento de crise, para muitos, empreender se constitui num importante caminho para a sobrevivência.

Ainda assim, o tema da formação de empreendedores enfrenta recorrentes críticas - em especial, de que tal iniciativa limitaria a capacidade crítica dos participantes de refletirem sobre a realidade à sua volta.

Embora parcialmente válido, esse argumento é superficial. Nada impede que a formação empreendedora fortaleça a reflexão dos indivíduos sobre a realidade.

Ao contrário, é ao tentar incidir sobre essa realidade em termos práticos que os participantes têm mais oportunidade de refletir sobre ela.

Na verdade, acredito que a crítica desses observadores se refira a certos estilos de formação empreendedora muito limitantes. Afinal, ao discutirmos o tema, não precisamos falar apenas de empresas ou grandes projetos de tecnologia.

É preciso falar também dos milhões de microempreendedores individuais, que precisam desesperadamente aprender a gerenciar suas atividades de maneira mais eficiente.

Devemos falar das ONGs, empreendimentos com objetivos sociais altamente relevantes, que se tornam bem mais complexos em face das dificuldades inerentes ao financiamento desse tipo de organização.

No fundo, é na vida social que precisamos nos inspirar para argumentarmos sobre a relevância que o tema merece.

Segundo a PNAD do 3º trimestre de 2020 (IBGE), o Brasil contava com 36,6 milhões - ou 44,5% do total - de pessoas ocupadas em posições que podemos definir, grosso modo, como do campo do empreendedorismo.

Aqui, estão incluídos todos aqueles que não são empregados com carteira assinada, funcionários públicos ou trabalhadores domésticos.

Se considerarmos apenas aqueles que trabalham por conta própria, por exemplo, esse contingente soma 21,7 milhões, ou 26,4% da força de trabalho. É muita gente.

E é nas periferias das grandes cidades que o número de trabalhadores informais (e também de desempregados) é mais elevado. Assim, cabe perguntar: que tipo de oportunidade vamos oferecer a esses milhões de brasileiros?

Afinal, o esperado emprego formal parece ter se tornado um sonho cada vez mais distante frente ao nosso anêmico crescimento econômico e à forte transformação tecnológica do mundo do trabalho.

É no contexto dramático do Brasil de hoje que formar cidadãos para empreender - em uma ONG, um negócio próprio, um movimento social - faz todo o sentido.

Falarei mais sobre esse tema durante o Festival Oikonomia, projeto de imersão em economia criativa, educomunicação e cultura.

Acontece entre os dias 28 e 30 de abril, de forma totalmente online e gratuita, e já está com inscrições abertas no endereço: https://forms.gle/kkcBazqDi6wEX6fm6.

* Haroldo da Gama Torres é economista, demógrafo e palestrante no Festival Oikonomia.

Para mais informações sobre empreendedorismo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Liane Mota



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros