Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Por que precisamos de “ondas” na relação mãe-filho?

Por que precisamos de “ondas” na relação mãe-filho?

09/05/2013 Meiry Kamia

A relação mãe-filho nunca é um mar de rosas, nem deveria ser. Isso porque é com a mãe que a criança exercita suas primeiras emoções: ora adora a mãe, ora odeia a mãe.

E é nesse mar de sensações que a criança aprende a lidar com suas próprias emoções. Às vezes é do desequilíbrio que chegamos à harmonia. Apenas um vínculo muito forte é capaz de sustentar os momentos de raiva, tristeza profunda e guerras psicológicas que os filhos muitas vezes teimam em travar.

E os filhos aprendem, por fim, que as pessoas têm limite. E assim, aprendem a respeitar os seus limites e também os dos outros. E aí sim estão prontos para testar novas relações fora do lar de forma mais equilibrada e sadia. Sem nossas mães seria difícil treinar nossas emoções, e raramente desenvolveríamos nosso autocontrole, capacidade de tolerar frustrações, capacidade de dar e receber, terminar e recomeçar, etc.

Através do olhar de nossas mães, nos fazemos inteiros. Seu amor nos aceita, nos preenche, nos dá confiança, e potencializa nossa força interna, nossa fé, para que possamos colocar em prática os nossos maiores projetos de vida. Ao sermos pais, temos a oportunidade de olhar o outro lado da moeda.

É nossa vez de dar suporte, acolher, orientar e amar incondicionalmente, independente do momento que nossos filhos estejam passando. Percebemos então, que não somos perfeitos, que nem sempre temos todas as respostas e que ficamos confusos enquanto pais, e assim, perdoamos as faltas, que por ventura, nossas mães e pais tenham deixado. Sendo assim, as melhores relações não podem ser um “mar de rosas”.

É preciso “ondas” que nos façam exercitar a paciência, a tolerância, a compreensão, o autocontrole, a disciplina, a humildade, a vontade, e outras importantes virtudes. Nesse Dia das Mães, vamos agradecer àquela que nos ajudou a sermos o que somos! Dêem um abraço muito forte em suas mães e agradeçam... Mãe, muito obrigado!!

*Meiry Kamia é palestrante, psicóloga, mestre em Administração de Empresas, consultora organizacional.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.