Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Por que precisamos de “ondas” na relação mãe-filho?

Por que precisamos de “ondas” na relação mãe-filho?

09/05/2013 Meiry Kamia

A relação mãe-filho nunca é um mar de rosas, nem deveria ser. Isso porque é com a mãe que a criança exercita suas primeiras emoções: ora adora a mãe, ora odeia a mãe.

E é nesse mar de sensações que a criança aprende a lidar com suas próprias emoções. Às vezes é do desequilíbrio que chegamos à harmonia. Apenas um vínculo muito forte é capaz de sustentar os momentos de raiva, tristeza profunda e guerras psicológicas que os filhos muitas vezes teimam em travar.

E os filhos aprendem, por fim, que as pessoas têm limite. E assim, aprendem a respeitar os seus limites e também os dos outros. E aí sim estão prontos para testar novas relações fora do lar de forma mais equilibrada e sadia. Sem nossas mães seria difícil treinar nossas emoções, e raramente desenvolveríamos nosso autocontrole, capacidade de tolerar frustrações, capacidade de dar e receber, terminar e recomeçar, etc.

Através do olhar de nossas mães, nos fazemos inteiros. Seu amor nos aceita, nos preenche, nos dá confiança, e potencializa nossa força interna, nossa fé, para que possamos colocar em prática os nossos maiores projetos de vida. Ao sermos pais, temos a oportunidade de olhar o outro lado da moeda.

É nossa vez de dar suporte, acolher, orientar e amar incondicionalmente, independente do momento que nossos filhos estejam passando. Percebemos então, que não somos perfeitos, que nem sempre temos todas as respostas e que ficamos confusos enquanto pais, e assim, perdoamos as faltas, que por ventura, nossas mães e pais tenham deixado. Sendo assim, as melhores relações não podem ser um “mar de rosas”.

É preciso “ondas” que nos façam exercitar a paciência, a tolerância, a compreensão, o autocontrole, a disciplina, a humildade, a vontade, e outras importantes virtudes. Nesse Dia das Mães, vamos agradecer àquela que nos ajudou a sermos o que somos! Dêem um abraço muito forte em suas mães e agradeçam... Mãe, muito obrigado!!

*Meiry Kamia é palestrante, psicóloga, mestre em Administração de Empresas, consultora organizacional.



A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.


CPMF: o que foi e como poderá ressurgir na reforma tributária

O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) poderá ser a recriação antiga CPMF.


O Brasil e a agropecuária sustentável

A pecuária brasileira tem se pautado ao longo dos anos pela sustentabilidade em toda cadeia produtiva e pela qualidade e segurança dos alimentos.


“Tô de férias, cadeia é férias pra mim”

É uma vergonha que delinquentes ainda venham desdenhar do sistema carcerário e das autoridades penais.


Locações de curta temporada em aplicativos

Saiba os direitos e deveres da propriedade imobiliária.


O Século das Cidades

“Não somos melhores, nem piores, somos iguais… melhor mesmo é a nossa causa…” (Thiago Mello)


Hollywood e o mundo real

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.


A liderança feminina e seus potenciais

Companhias que possuem, pelo menos, uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas.


A bolsa brasileira é a bola da vez

O ano de 2019 tem sido de recordes para o investidor brasileiro.


Dia do Profissional de Educação Física

No dia 1º de setembro é comemorado o dia do profissional que promove a saúde e a qualidade de vida da população, o profissional de educação física.


A complexidade do saneamento

O Congresso Nacional tem a grande missão de dar um rumo certo para o saneamento brasileiro.


Como a constelação familiar te ajuda nos negócios?

A constelação familiar acredita que somos produto da nossa ancestralidade.