Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Por uma Defesa Civil organizada

Por uma Defesa Civil organizada

12/03/2012 Floriano de Lima Nascimento

Guerras, catástrofes naturais, epidemias, e outras mazelas são ameaças que pairam sobre a humanidade desde o início da sua trajetória no Planeta Terra.

Infelizmente não é possível evitar a maioria desses fatos, nada restando a fazer senão atenuar os seus efeitos pela adoção de medidas adequadas e eficazes. É impossível impedir enchentes, mas seus efeitos podem ser minimizados pela construção de diques e evacuação preventiva da população.

Prever os problemas e agir para evitar o pior são providências básicas que se deve tomar nessas situações. Por outro lado, é imprescindível que a Administração Pública – federal estadual e municipal – esteja preparada para enfrentar os desafios. Para tanto, é preciso organizar e estruturar os órgãos da defesa civil, dotando-os de recursos humanos e materiais que lhes permitam atuar com eficiência nestes momentos.

Faz-se também necessário antecipar-se aos problemas, pois, diante de fenômenos previsíveis, que se repetem anualmente, não é possível alegar-se qualquer surpresa. Entendemos também que as pessoas designadas para trabalhar nessa área necessitam ter perfil profissional, para não se repetirem os equívocos de autoridades mais preocupadas em fortalecer suas bases eleitorais do que em atender impessoalmente às exigências da pasta que ocupam, segundo especulações da imprensa.

E não podemos nos esquecer da grande colaboração que, nessas circunstâncias, pode ser dados por voluntários, devidamente organizados. Mas, a previsão e a mobilização de pessoas e recursos são sempre imprescindíveis quando a segurança dos cidadãos é ameaçada pelas forças da natureza.

* Floriano de Lima Nascimento

 



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.