Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Português, nossa língua materna

Português, nossa língua materna

05/05/2019 Mauro Felippe

Anualmente, no dia 5 de Maio, comemora-se o Dia da Língua Portuguesa.

Essa data é celebrada apenas entre os países lusófonos – aqueles que têm como sua língua materna o português. Curiosamente, o português surgiu da mesma língua que originou a maioria dos idiomas europeus e asiáticos.

Com as inúmeras migrações entre os Continentes, a língua inicial existente acabou subdividida em cinco ramos: o helênico, de onde veio o idioma grego; o românico, que originou o português, o italiano, o francês e uma série de outras línguas denominadas latinas; o germânico, de onde surgiram o inglês e o alemão; e finalmente o céltico, que deu origem aos idiomas irlandês e gaélico.

O nosso idioma, foi originado no Galego-Português, língua falada no Reino da Galiza e no norte de Portugal. Os portugueses foram os primeiros europeus a lançar-se ao mar no período das Grandes Navegações, assim disseminando sua fala para outros povos em diferentes sociedades.

Com a motivação comercial  deu-se a difusão de línguas nas terras conquistadas, dentre elas o Brasil, cuja língua primária, sem contar as linguagens indígenas, é o português. A influência da cultura portuguesa por aqui foi tamanha que acabou definindo o idioma oficial da terra recém-conquistada.

O mesmo aconteceu em outras partes do mundo, principalmente na África, onde países como Moçambique, Angola, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau, São Tomé e Timor-Leste.

O português, assim como vários outros idiomas, sofreu uma evolução histórica, fato que comprova a organicidade de nossa língua, que em muitos aspectos é diferente do português falado e escrito de Portugal, tendo divergência de significados de palavras e pronuncias.

Tais diferenças deram origem a dois padrões de linguagem diversos, o que não significa que um seja mais correto do que o outro.

Nossa língua é rica em variedades, sobretudo regionais, como as diferenças linguísticas encontradas em nosso próprio território por conta da criação de neologismo, ou seja, elaborar uma palavra ou expressões novas, adquirindo assim, um linguajar próprio em meio ao nosso idioma.

Entretanto, não inviabilizam a compreensão, ainda que dificuldades pontuais possam aparecer.

* Mauro Felippe é advogado e já chegou a cursar Engenharia de Alimentos antes de se decidir pela carreira em Direito.

Fonte: LC Agência de Comunicação



Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.


O Mal

Agostinho dizia que o mal não é um ente em si, porque não é possível que um D’us bom tenha criado o mal.


As palavras que faltam

Há muitas coisas em falta no mundo.