Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Português, nossa língua materna

Português, nossa língua materna

05/05/2019 Mauro Felippe

Anualmente, no dia 5 de Maio, comemora-se o Dia da Língua Portuguesa.

Essa data é celebrada apenas entre os países lusófonos – aqueles que têm como sua língua materna o português. Curiosamente, o português surgiu da mesma língua que originou a maioria dos idiomas europeus e asiáticos.

Com as inúmeras migrações entre os Continentes, a língua inicial existente acabou subdividida em cinco ramos: o helênico, de onde veio o idioma grego; o românico, que originou o português, o italiano, o francês e uma série de outras línguas denominadas latinas; o germânico, de onde surgiram o inglês e o alemão; e finalmente o céltico, que deu origem aos idiomas irlandês e gaélico.

O nosso idioma, foi originado no Galego-Português, língua falada no Reino da Galiza e no norte de Portugal. Os portugueses foram os primeiros europeus a lançar-se ao mar no período das Grandes Navegações, assim disseminando sua fala para outros povos em diferentes sociedades.

Com a motivação comercial  deu-se a difusão de línguas nas terras conquistadas, dentre elas o Brasil, cuja língua primária, sem contar as linguagens indígenas, é o português. A influência da cultura portuguesa por aqui foi tamanha que acabou definindo o idioma oficial da terra recém-conquistada.

O mesmo aconteceu em outras partes do mundo, principalmente na África, onde países como Moçambique, Angola, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Guiné-Bissau, São Tomé e Timor-Leste.

O português, assim como vários outros idiomas, sofreu uma evolução histórica, fato que comprova a organicidade de nossa língua, que em muitos aspectos é diferente do português falado e escrito de Portugal, tendo divergência de significados de palavras e pronuncias.

Tais diferenças deram origem a dois padrões de linguagem diversos, o que não significa que um seja mais correto do que o outro.

Nossa língua é rica em variedades, sobretudo regionais, como as diferenças linguísticas encontradas em nosso próprio território por conta da criação de neologismo, ou seja, elaborar uma palavra ou expressões novas, adquirindo assim, um linguajar próprio em meio ao nosso idioma.

Entretanto, não inviabilizam a compreensão, ainda que dificuldades pontuais possam aparecer.

* Mauro Felippe é advogado e já chegou a cursar Engenharia de Alimentos antes de se decidir pela carreira em Direito.

Fonte: LC Agência de Comunicação



Impressão digital para a indústria têxtil

Cores e oportunidades à disposição do mercado.


Tem risco? Então não quero

Vivemos tempos disruptivos, em que mudamos o modo de fazer quase tudo.


A nova morfologia do trabalho: Da uberização à ciberescravidão

É claro que o Uber facilita a vida das pessoas. E disso ninguém duvida.


“Golpe do Motoboy”

Fraude atinge aposentados e correntistas de bancos.


O sabichão…

Conheço meu amigo João, desde o dia em que fomos para o Quartel de Campo Grande, em Lisboa.


A importância do jornal na sua comunidade

Atravessamos um tempo e redefinições.


As redes sociais e a geração “floco de neve”

Quantas vezes você escuta ou fala “eu não aguento mais”; “isso não é para mim”; “eu não me sinto confortável fazendo isso ou aquilo”.


Educação moral no seio familiar

A associação entre limites e justificativas racionais prepara a conquista da autonomia.


Lagosta, bacalhau, vinhos e uísques aos onipotentes do STF

O STF está se lixando com a patuleia brasileira, que passa fome e que é numerosa.


Bolsonaro e a indicação de Moro para o STF

Todos os cidadãos, que acompanham a política e os noticiários, sabem que o presidente Jair Bolsonaro, não mede as palavras ao proferi-las.


SOS Educação

Tenho alertado a respeito do abandono da educação brasileira há anos.


Um inimigo do povo

O debate sobre a liberdade de expressão foi aprofundado nos últimos tempos no Brasil devido a diversos incidentes.