Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Precisamos falar sobre Burnout!

Precisamos falar sobre Burnout!

03/03/2019 Rafael Canineu

O Brasil ficou atrás apenas do Japão no quesito alto nível de estresse dos colaboradores.

Provavelmente, todos nós já tivemos a oportunidade de conhecer no ambiente de trabalho, um profissional que é o primeiro a chegar e o último a sair e que responde e-mails de madrugada e aos finais de semana. Esse era o exemplo de quem vestia a camisa da empresa. Mas as novas gerações questionam cada vez mais esse modelo e não desejam ser esse profissional. E com total razão!

A ISMA-BR (International Stress Management Association no Brasil) realizou uma série de estudos que apontaram que 70% dos brasileiros sofrem com algum grau de estresse. Considerando uma população de mais de 100 milhões de trabalhadores, é fácil estimar os impactos desses números.

A pesquisa também comparou esses níveis em diversos países, e o Brasil ficou atrás apenas do Japão no quesito alto nível de estresse dos colaboradores. Mais um ponto: a maioria dos profissionais relaciona o estresse com o trabalho e, das pessoas que sofrem com o problema, 30% desenvolveram a Síndrome de Burnout.

O sintoma típico dessa doença é a sensação de esgotamento físico e emocional, porém o Burnout pode se apresentar de inúmeras outras formas também, como ausências no trabalho, agressividade, isolamento, mudanças bruscas de humor, dificuldade de concentração, lapsos de memória, pessimismo e baixa autoestima.

Além de sintomas comportamentais ou psicológicos, os indivíduos podem também apresentar sinais físicos como enxaqueca, cansaço, palpitação, pressão alta, dores musculares ou insônia.

Burnout é caro

Além do custo pessoal do Burnout, há também o impacto financeiro para as empresas, já que um funcionário doente tende a se afastar mais e produzir menos. A ISMA - BR calculou que a falta de produtividade causada pela exaustão gera prejuízo de 3,5% ao PIB (Produto Interno Bruto), conforme cálculos feitos em 2016.

Apesar de a Síndrome de Burnout já estar descrita no Código Internacional de Doenças (CID 10), o diagnóstico não é tão simples, já que os sintomas se confundem com o estresse do dia a dia e, na maioria das vezes, são pouco valorizados por quem sofre do problema.

Alguns estudos apontam que, aproximadamente, 90% dos indivíduos que sofrem da Síndrome de Burnout preenchem critérios para depressão, doença que atinge mais de 320 milhões de indivíduos ao redor do mundo (4,4% da população).

Atualmente, é uma das doenças mais incapacitantes e cresce constantemente, entre 2005 e 2015 os casos aumentaram 18%. Fora a estimativa que mais da metade dos indivíduos que sofrem de depressão podem não saber da doença. Não tenho pesquisa que comprove, mas o mesmo provavelmente pode acontecer com a Síndrome de Burnout.

O tratamento dessas condições, seja a Síndrome de Burnout ou depressão, envolve uma série de ações que precisam ser combinadas, para que uma melhora permanente do paciente possa ser atingida.

O acompanhamento médico e psicoterápico aliado a medidas não medicamentosas, como terapia e atividade física, são de extrema importância, porém, muitas vezes o uso de medicamentos é fundamental para ter uma melhora ou mesmo a cura.

Levando-se em conta a relação próxima entre Burnout e depressão, somado ao fato que muitas vezes essas doenças têm causas profissionais e interferem diretamente na produtividade do paciente, durante 12 meses conduzi um estudo, junto à Vidalink, com 15.306 pessoas que tinham plano de saúde corporativo, na faixa de 31 a 55 anos, para analisar fatores que poderiam ter um impacto positivo na adesão ao tratamento da depressão, dentre eles o subsídio na compra de medicamentos.

Constatamos que o número de pacientes com depressão e boa adesão ao tratamento aumentou 2,5 vezes nas empresas que oferecem subsídio de 50%, se comparado àqueles que não possuíam este benefício. Sem o apoio na compra de medicamentos, apenas 20% dos pacientes com depressão demonstraram uma boa adesão ao tratamento medicamentoso.

Assim, alerto que as empresas devem estar atentas a todos os aspectos da saúde de seus colaboradores, sejam eles físicos ou emocionais, só assim são capazes de trabalhar de forma efetiva e oferecer melhor qualidade de vida a eles. Só estudando e conhecendo a fundo a população que será possível oferecer os cuidados que eles realmente estejam precisando.

* Rafael Canineu é Diretor Médico da Vidalink, empresa especialista em planos de medicamentos.

Fonte: RPMA Comunicação



Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann


Oppenheimer e Prometeu

Quando eu saí do cinema após ter visto “Oppenheimer” a primeira vez, falei para meu filho: “É Oscar de Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Interferência política e a desvalorização da Petrobras

Recentemente, o presidente Lula chamou o mercado de voraz por causa das quedas no valor das ações da Petrobras equivalentes a aproximadamente 60 bilhões de reais.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins