Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Primeiros salários: o que fazer?

Primeiros salários: o que fazer?

14/02/2010 Reinaldo Domingos

A inexperiência no trato com o dinheiro, os impulsos consumistas e a facilidade em obter crédito fazem com que cresça o número de jovens brasileiros endividados. Mudar essa situação, organizando as finanças, é cada vez mais difícil e para isso os jovens devem saber o que fazer com os primeiros salários e bolsas-auxílios.

“Ganhei o primeiro salário do meu primeiro emprego! Vou comprar um monte de coisa e fazer uma balada muito legal!!! ” Esse é o pensamento da maioria dos jovens logo que recebem pela primeira vez o seu salário. Contudo, apesar dessa idéia parecer muito boa, ela traz grandes problemas para o jovem, pois é fundamental que ele saiba o real valor do dinheiro, o respeite e guarde parte do mesmo para realizar seus desejos e sonhos.

Sempre pergunto aos jovens: Porque vivem em um padrão de vida acima do que podem? Porque o dinheiro não dá para chegar ao fim do mês? Será que o salário é insuficiente, suficiente ou já permite poupar? Você esta na situação de endividado, equilibrado financeiramente ou já é investidor?

As respostas normalmente refletem uma situação de endividamento. Um dos motivos é que os jovens querem viver intensamente o hoje, esquecendo que o futuro reserva adversidades. É importante viver o presente, mas, isso não impede que já nos primeiros salários o jovem comece de imediato a planejar e construir o futuro com segurança para ter a certeza de uma vida melhor, com mais qualidade de vida, buscando a independência financeira, que proporcionará uma  aposentadoria tranqüila.

Para isso é preciso uma mudança imediata de comportamento junto ao dinheiro. É necessário aprender a planejar para realizar sonhos e objetivos, saber o quanto eles custam, quanto tempo levará para realizá-los, e, principalmente, quanto de dinheiro mensal de seu salário irá reservar. Na metodologia DiSOP, todos esses sonhos podem ser conquistados pois ela ensina o jovem a poupar para atingir esses objetivos.

Quando falamos no primeiro emprego, que costumo chamar de primeiro trabalho, observo que há muito tempo o mercado é objeto de muita concorrência e competitividade, não só com outros jovens, mas  também com todos trabalhadores, muitas vezes mais preparados e já formados, sem contar com a melhor idade que a cada dia faz mais presente e ativa.

Assim, cada vez mais se torna vital que paralelamente aos estudos, independente da profissão que o jovem escolherá, devem buscar oportunidades em instituições de capacitação para o mercado de trabalho, o que amplia em muito a possibilidade de ingresso a empresas que estão cada vez mais exigentes, buscando por pessoas interessadas e preparadas para assumirem responsabilidades e grandes desafios.

Um dos pontos que sempre procuro levar aos jovens de modo geral é que independente da atividade que ele irá praticar ou exercer, ele não pode deixar de lado a educação financeira. Tenho observado que junto com os primeiros salários os jovens também começam a contrair as primeiras dívidas. Isto é fácil de entender, pois eles têm dinheiro e estão expostos ao marketing publicitário e ao crédito fácil, ambos fazendo verdadeiros estragos na vida financeira de nossos jovens. O marketing faz com que se deseje algo que ele nem mesmo tinha planejado ter e o crédito fácil faz que compre algo que não sonhava com o dinheiro que não tem. Nesse momento o endividamento se inicia e o jovem, pela falta de educação financeira acaba se acostumando em viver um! a vida totalmente desregrada.

O caminho para mudar essa situação não passa por aprender a preencher uma planilha ou saber fazer grandes cálculos. É necessário mudar hábitos e costumes, gerando novos comportamentos em relação ao uso do dinheiro já que ele não aceita desaforo, tem que ser respeitado e nunca adorado. Na nossa metodologia DiSOP de educação financeira ensinamos os quatro pilares:  Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar, que julgo essenciais para que o jovem se eduque financeiramente.

O primeiro pilar, “diagnosticar” a vida financeira, significa para o jovem tirar uma ‘fotografia’ da situação financeira, saber o ganho líquido, o que se gasta, quais as dívidas ou quanto e onde de dinheiro se tem guardado. Deverá também saber para onde está indo cada centavo do dinheiro gasto com cafezinho, lanches, baladas, pizzas, cinemas e até mesmo a gorjeta. Recomendo anotar por 30 dias todos estes gastos por tipo de despesas e no final do mês os valores deverão ser totalizados e analisados.

Certamente a surpresa será grande pois grande parte das pessoas acham que sabem onde gastam mas isso não é verdade, principalmente com os pequenos valores. São nos pequenos gastos que muitas vezes estão as despesas em excesso e supérfluas. O diagnóstico financeiro deve ser feito periodicamente, isto é, não precisamos ficar escravos da anotação e do dinheiro. É como um diagnóstico médico que se faz a cada período do ano e não todos os meses. Recomendo uma vez por ano ou em momento que a mudança do ganho é drástica tanto para maior quanto para menor.

O pilar “sonhar” significa estabelecer os objetivos que queremos realizar. Quando estabelecemos sonhos temos que saber o quanto custam e em quanto tempo queremos realizá-los. Exemplo: quero uma televisão de plasma que custa R$ 2.000,00 e não tenho o dinheiro para comprar à vista. A atitude correta é guardar parte do dinheiro que ganhamos para realizar esse sonho, assim, se pudermos guardar R$ 200,00 por mês, esse sonho será realizado em 10 meses. É importante ainda ressaltar que temos sonhos de curto (até um ano), médio (de um ano até dez anos) e longo prazo (acima de 10 anos). Este pilar é essencial para que a pessoa não desanime e foque seus objetivos, aliás o sonho é o que move e estimula o ser humano.

No terceiro pilar “orçar” deve-se registrar os números apurados no orçamento e no apontamento de despesas durante os meses. O orçamento servirá para uma visão plena da situação financeira, o quanto ganho, os gastos totalizados e o quanto estou reservando de dinheiro para os sonhos. A diferença neste orçamento é que primeiro vem o ganho, desse tiramos o valor do sonho, para depois adequar o valor restante às outras despesas do dia a dia. Em um orçamento financeiro normal a forma utilizada é: primeiro o ganho, menos os gastos e o saldo poderá ser lucro ou prejuízo, o que não garante que mesmo tendo lucro realizará seus sonhos.

Por fim temos o pilar “poupar”, isto é, guardar dinheiro. Poupar engloba todos os tipos de investimentos: caderneta de poupança, título do governo, CDB, ações, entre outros. Este pilar é que garante a realização dos sonhos. O tipo de investimento que o jovem irá fazer dependerá do prazo de seus objetivos. Assim, não adianta investir em ação se precisa de dinheiro de curto prazo. Para obter informações sobre o melhor tipo de investimento para sua situação é sempre interessante buscar um especialista.

Estamos em um país em pleno desenvolvimento e temos que quebrar o ciclo de gerações endividadas para formar uma nova geração de pessoas educadas financeiramente. O primeiro passo é sempre o mais difícil e importante, mas temos que pensar e andar passo a passo, isto porque os valores que serão guardados para alcançarmos a saúde financeira são pequenos mas quando somados gerarão a tão importante independência financeira. O futuro de nosso Brasil encontra-se na atitude do hoje, principalmente de nossos jovens e para isso independente de raça ou profissão, todos podemos sim ser e nos tornar educados financeiramente, um dos ensinamentos que podem levar o homem à dignidade e ao sucesso e sem duvida um desses requisitos é a disciplina da educação ! financeira.

Por esse motivo o Instituto DiSOP de Educação Financeira encontra-se solidário a esta missão, vamos juntos fazer  esta grande corrente, “ Educação financeira começa cedo” , boa sorte a todos! 

* Reinaldo Domingos - Educador e Terapeuta financeiro. Também é autor dos livros “Terapia Financeira” e O Menino do Dinheiro - (Editora Gente), e criador da Metodologia DiSOP – Educação Financeira - Presidente do DiSOP Instituto de Educação Financeira



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann