Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Privatizar e desinchar o país

Privatizar e desinchar o país

01/09/2017 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A novidade é o anúncio da privatização de 57 empreendimentos hoje controlados pelo governo federal.

O presidente e sua equipe querem transferir à iniciativa privada aeroportos, portos, estradas, geradoras e linhas de transmissão de eletricidade e até a Casa da Moeda, hoje responsável pela confecção do dinheiro, dos passaportes e de outros papéis de segurança.

Toda vez que se fala em privatizar, acontecem reações mais ideológicas do que racionais, no país que se desenvolveu a partir dos conceitos de Getúlio Vargas e criou um estado cheio de favorecimentos e penduricalhos.

É preciso entender como aceitável, talvez até necessário, o Estado investir em infraestrutura e tornar-se empresário na época em que o setor privado não tinha interesse de fazê-lo ou o faria a custos e lucros muito altos.

Mas não tem significado manter os serviços na área estatal depois de sua consolidação, pois isso só serve para sustentar os cabides de empregos de apadrinhados políticos e enseja, até, a corrupção, como a que hoje se apura na Petrobras e em outras empresas do governo de onde se sacou dinheiro para comprar votos parlamentares, sustentar campanhas e outros fins ilícitos.

O governo, para ser bom, tem de ser o detentor do “imperium”. Ter sua estrutura apenas para normatizar, licenciar e fiscalizar os serviços através de prestadores privados que podem prestá-los sem o empreguismo, o aparelhamento e outros males que tornam o Estado brasileiro caro e ineficiente.

O serviço de telefonia e as estradas (especialmente as paulistas) são exemplos claros da diferença entre o passado estatal e o presente privado e, na época que foram transferidas, também causaram reações, principalmente daqueles que lucravam com suas más condições.

Embora fundada em 1694 e tenha na sua história feitos como a edição do selo “olho de boi”, o primeiro das Américas e o terceiro do mundo, a Casa da Moeda hoje privatizável é a indústria gráfico-metalúrgica, instalada no Rio de Janeiro a partir de 1967. Antes disso, as cédulas brasileiras eram produzidas na França e nos Estados Unidos.

A indústria, de padrões modernos de produção e segurança, produz hoje todo o dinheiro brasileiro e também imprimiu cédulas para outros países. Sua transferência à iniciativa privada em nada privará o Brasil de sua história e dos serviços, desde que devidamente normatizado e contratado.

Espera-se que Temer e sua equipe tenham discernimento suficiente para fazer boas privatizações e dar o destino adequado às rendas do processo. Mas não deve ficar apenas nos 57 segmentos anunciados.

Bom seria incluir a Petrobras, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil, a saúde, a educação e a área de saneamento. E ainda mais: que os estados e municípios também privatizarem as suas empresas...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Gentileza na política é possível?

Promover a gentileza na política é um desafio, até porque Maquiavel entendia que tal virtude não cabe nas discussões políticas.

Autor: Domingos Sávio Telles


Biden, Haley e Trump: as prévias das eleições nos EUA

Os estadunidenses vão às urnas neste ano para eleger – ou reeleger – aquele que comandará a nação mais poderosa do planeta pelos próximos quatro anos.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra