Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Procedimento de segurança

Procedimento de segurança

08/10/2019 Cleia Farinhas

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.

Enquanto alguns estavam com as mãos suadas de ansiedade, outros ignoravam a instrução gentil, porém necessária – viajantes distraídos com o pensamento voltado para reuniões de negócios ou embalados na saudade de casa –, simplesmente negando a preocupação com qualquer infortúnio no ar. Alheia às reações, a voz continua: “… máscaras cairão automaticamente à sua frente. Puxe uma das máscaras…”

Ainda há três horas pela frente e já procuro desenhos nas nuvens. Veio-me à mente parte daquela mensagem que passaria mais uma vez despercebida na rotina, se não fosse a curiosa frase, quase despretensiosa: “… caso haja uma criança ao seu lado, coloque a máscara primeiro em si, depois na criança”…

Alto lá! O que nos ensinaram sobre emergências? Por ímpeto ou por instinto, “mulheres e crianças primeiro”, mas a moça de sorriso e franja impecáveis orientava o contrário: “primeiro em si”… Já adulta, pus-me a pensar sobre as inúmeras situações com relação aos relacionamentos familiares ou profissionais.

Na intenção de cuidar, orientar, adiantar e prevenir, acabei julgando, precipitando, punindo, matando a descoberta! Maldita contradição!

Professores e pais – orientadores em geral – deveriam pensar mais na função do pronome reflexivo “se” antes de exercer seu pretenso poder de sair consertando o mundo.

Olhar-se com atenção e analisar as próprias intenções, pensamentos e atitudes é um exercício saudável, que, se praticado com empenho e disciplina, desenvolve os músculos da coerência e aumenta o tônus do discurso.

Isso se traduz, na prática, em um exemplo para o educando. Se assim agissem com frequência, aqueles sujeitos – reflexivos, resilientes e flexíveis – constituiriam ambientes organizados em pressupostos de democracia, abertura, consciência, sentimento de si, responsabilidade, autonomia e capacidade de partilha: o ideal inteligente e democrático de todos os que trabalham com educação.

Nesse caso, como afirma Isabel Alarcão, não só a escola, mas também outras instituições seriam reflexivas, inteligentes, flexíveis e resilientes em sua essência.

Na mesma medida seriam extensões das pessoas e se apresentariam como o oposto das organizações burocráticas nas quais predominam a rigidez, a lentidão nas respostas e a falta de abertura, de confiança e de partilha nos processos e estratégias de decisão, bem como nos resultados, sejam eles favoráveis ou desfavoráveis.

A voz soou de novo, desta vez para anunciar uma mensagem mais reconfortante: em breve, estaríamos em solo. A monotonia daquele voo, como tantos acontecimentos na vida, inesperadamente traduziu-se numa oportunidade grandiosa de aprender.

Aquela frase tão simples, mas intrigante – “primeiro em si” – terá ênfase especial e trará constantemente à lembrança o exercício de uma postura reflexiva, de uma atuação resiliente como força que nos conduz ao equilíbrio, do olhar para dentro para sondar o próprio coração – procedimentos bem seguros para quem embarca num voo lotado e turbulento, na intenção de educar-se para educar.

* Cleia Farinhas é gerente pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

Fonte: Central Press



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.