Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Profissão professor!

Profissão professor!

28/11/2012 Maria Aparecida Buliani

No exato momento em que você lê este texto, centenas de milhares de professores, em cada canto do Brasil, se dedicam a educar alguém.

Em sua maioria, com certeza eles chegaram à escola hoje, mais uma vez, com a esperança renovada, prontos para exercer um ofício que, antes de tudo, é uma paixão. Isso não é demagogia, e tampouco devemos esquecer que tratar a função do docente como uma missão abnegada contribuiu para desvalorizar essa carreira que é uma das mais importantes da sociedade contemporânea – a sociedade do conhecimento.

Ser professor é uma profissão, sim, e como tal deve ser tratada. Por isso, vale a pena pensar nos desafios que enfrentam esses profissionais. O primeiro resume os demais: reencontrar o lugar que os educadores ocupam, de fato e de direito, em nossa sociedade. Ser professor já foi uma função constituída de uma autoridade essencial. Os “mestres” eram vistos como referência absoluta, com poderes incontestáveis até mesmo ante a família. No mundo contemporâneo, há quem diga que chegamos ao extremo oposto, à extrema desvalorização social docente.

Penso que, nem tanto ao mar, nem tanto à terra. O mundo de hoje não comporta mais autoridades incontestáveis, a não ser aquelas conquistadas pelo respeito e pela competência. Do mesmo modo, reconhecer o profissionalismo do docente implica assegurar condições adequadas para que ele exerça suas funções, em todos os sentidos, em qualquer lugar do país.

Trata-se de uma questão de dignidade. Basta ver como muitas análises que se fazem sobre os graves problemas do ensino são simplesmente lançadas na “conta” dos professores. Pouco se faz para mudar os cursos de formação, que preparam docentes para um mundo que não existe mais. Pouco se faz para garantir um conjunto de condições necessárias para o exercício do ofício, que envolvem a remuneração, mas não apenas ela.

Parece que se espera do professor que ele, sozinho, supere todas as adversidades para ensinar bem. Professor não é vítima, tampouco salvador da pátria. É um profissional, com direitos e obrigações, e que todo dia precisa saber renovar a profissão. Tem, sim, responsabilidade sobre o que acontece nas escolas, e precisa assumir o desafio de prover qualidade. Mas compartilha essa responsabilidade com todos, com gestores públicos e privados, legisladores, famílias.

Não avançaremos se o direito a uma educação de qualidade para todos não for assumido como demanda da sociedade, na qual todos – todos, mesmo – estão envolvidos. Quaisquer que sejam as escolhas que faremos como nação, é certo que não prescindiremos jamais dos professores.

Os milhões de educadores em todo o Brasil precisam ser prestigiados com oportunidades de formação continuada, com participação e, sim, com apelos para que floresça sempre aquilo que todos trazem dentro de si: a paixão pela educação. Seja um deles! Não tenha medo ou vergonha de dizer-se professor, aceitar-se professor e continuar professor. Parabéns, professor!

*Maria Aparecida Buliani é do suporte pedagógico do Ético Sistema de Ensino.



Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.