Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Programa Trainee, ainda vale a pena?

Programa Trainee, ainda vale a pena?

04/10/2013 Renato Maggieri

Nesta época do ano muitas empresas de grande porte, nacionais e multinacionais, abrem vagas para Programas de Trainees – uma excelente maneira de seleção de talentos para as posições gerenciais em médio e longo prazo.

Agora, por exemplo, há mais de 50 companhias selecionando candidatos a centenas de oportunidades. Este tipo de programa compreende uma forma específica de seleção, contratação, treinamento, desenvolvimento profissional e retenção de talentos.

Existem muitas vantagens às empresas que utilizam esta forma de gestão de talentos, entre elas: processo seletivo longo e cuidadoso, uma vez que o candidato sabe que está sendo analisado e testado durante todo o seu tempo como trainee e garantia de preparação de profissionais para longo prazo, de forma que se revelam nesses programas, bons gerentes, diretores e até sócios em alguns casos.

Além disso, o fato de não possuírem experiência anterior, serem contratados sem vícios e moldados segundo os valores da organização contratante, também é positivo às empresas. Outra vantagem é a atração de talentos com grande potencial de carreira. Considerando que os candidatos ao programa, em sua maioria, nasceram após 1980 e, segundo conceitos de sociologia, pertencem à Geração Y – que também pode ser chamada de geração do milênio.

Essa geração se desenvolveu em uma época de grandes avanços tecnológicos e prosperidade econômica e recebeu dos pais presentes e atenção, o que fomentou a autoestima. Os jovens da Geração Y cresceram em meio a muita ação, estimulados por atividades, fazendo tarefas múltiplas e hoje, candidatos, estão acostumados a conseguirem o que querem e lutam por salários ambiciosos desde cedo, o que os impulsiona a serem obstinados por resultados.

Sob o ponto de vista dos trainees, vejo vantagens ainda mais relevantes, como entrar na empresa pela porta da frente, com um tapete vermelho estendido. Exatamente o oposto que acontece no início da carreira, quando geralmente se inicia em subposições e sem muita perspectiva de crescimento.

A vivência de um forte processo de treinamento, muitas vezes acompanhado de um programa de mentoring - que visa o desenvolvimento profissional monitorado e com muito feedback, durante um bom tempo o trainee ganha pra aprender - e estar incluído em um plano de carreira encadeado, com etapas de desenvolvimento claras e geralmente com tempos bem definidos. Além disso, possibilidade de crescimento profissional relativamente rápido, se comparado às carreiras desenvolvidas sem o programa, salários atrativos no médio e longo prazo.

Como tudo, algumas desvantagens em relação aos programas devem ser citadas, como por exemplo, perder os profissionais do processo para outras empresas, antes mesmo de terem galgado todas as posições originalmente previstas pelo programa. É comum que os jovens desta geração troquem de emprego com frequência em busca de oportunidades que ofereçam mais desafios e crescimento profissional. Sempre digo que “quem é bom pra empresa também é bom pra concorrência.”

E ainda o risco de criar, dentro da empresa, uma competição extremada, ou ainda, um senso de que os trainees são os queridinhos pela importância e a quantidade de treinamentos que eles recebem. Para o trainee, além da dificuldade de ser selecionado para um desses programas, não vejo desvantagens, muito pelo contrário. Atualmente, como consultor, trabalho no desenvolvimento desse tipo de programa para empresas e tenho visto empresas e jovens talentos fazendo excelentes conexões em uma saudável relação ganha x ganha.

De fato, sou um entusiasta desse tipo de projeto, especialmente pelo fato de ter tido o privilégio de ter sido trainee e de hoje poder dividir minha vida profissional em antes de e depois do programa que participei. Seguindo a tendência da maior parte daqueles que um dia foram trainees, eu não permaneci por um longo tempo na empresa que me contratou, mas no tempo em que lá estive, me desenvolvi significativamente e tenho plena convicção de que ajudei a empresa a prosperar.

*Renato Maggieri é palestrante e consultor de negócios, apaixonado por empreendedorismo e decidiu aplicar seus conhecimentos em comportamento voltados para resultados em benefício dos empreendedores, ajudando-os a potencializarem seus lucros.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.