Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Protógenes, louco ou patriota?

Protógenes, louco ou patriota?

12/03/2009 Dirceu Cardoso Gonçalves

Desde julho do ano passado, quando a "Operação Satiagraha", tornou-se conhecida do público, o seu executor, delegado federal Protógenes Queiroz, está guindado ao status de personalidade.

Já foi convocado a depor em CPI, deu entrevistas a  programas em rede nacional de TV e foi capa nos principais jornais e revistas. Foi o pivô, inclusive, de uma crise no Judiciário, onde o juiz de primeira instância mandou prender e o presidente do Supremo mandou soltar o principal investigado. Seu afastamento das investigações trouxe muitas dúvidas que ele próprio, habilmente, procura minimizar. Seus desafetos o acusam de cometer excessos e de operar ilegalmente. Agora as investigações da própria Polícia Federal revelam que ele teria gravado ilegalmente conversas da ministra Dilma Roussef e do filho do presidente da República.

Meses atrás informou-se que ele já havia feito o mesmo com o ministro Geddel Vieira Lima, da Integração Nacional, o senador Heráclito Fortes e os advogados Luiz Eduardo Greenhalgh e Nélio Machado, o primeiro ex-deputado e o segundo defensor do empresário Daniel Dantas, o principal investigado da Satiagraha. Seria de muito bom alvitre que se acabasse de imediato com todas as dúvidas que cercam o policial, suas atividades e, principalmente, a operação que lhe deu toda essa notoriedade. Do jeito que os fatos estão colocados, a opinião pública não tem como saber quem está com a razão ou, pelo menos, está fazendo parte "do bem". O Ministro da Justiça, a quem está subordinada a Polícia Federal - que é um órgão do governo - não pode abrir mão de apurar detalhadamente as atividades do delegado para verificar se ele teria agido no estrito cumprimento da lei ou exorbitado em métodos e procedimentos.

Por mais de uma vez já se tentou colocar na cabeça de Protógenes a carapuça de louco, megalomaníaco ou, pelo menos, desequilibrado. Alguém nessas condições não pode continuar exercendo a função de delegado federal, que envolve altas responsabilidades e riscos. Mas tudo isso não pode ser atribuído levianamente, através da decisão política ou do "achômetro". Tem de se comprovar. Se Protógenes cometeu excesso ou alguma ilegalidade, tem de pagar. Mas isso não pode servir de desculpa para minimizar ou inocentar os autores dos crimes que foram por ele  apurados. independentemente de quem sejam os investigados. O excesso policial não pode servir de cortina de fumaça para estancar o combate à corrupção e os maus hábitos.

Tudo o que Protógenes tem feito deve servir para a mais séria e justa punição a ele (nos casos de excesso) ou aos investigados, quando os seus crimes e desvios estiverem evidentes. A dúvida chega a ser uma grande tortura. O Governo, o Judiciário, o Ministério Público e principalmente a sociedade, não podem conviver indefinidamente com a incerteza. É preciso informá-los com urgência urgentíssima quem, realmente é o delegado Protógenes e o que significa tudo o que se tem falado a seu respeito e aquilo que ele próprio tem dito. Do contrário, continuarão no ar aquele mau-cheiro de corrupção, e a certeza da impunidade e clientelismo, que tanto enjoa o país. Tanto o povo quanto as instituições não merecem viver nessa dúvida cruel...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?