Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quais lâmpadas entram para substituir as incandescentes?

Quais lâmpadas entram para substituir as incandescentes?

01/08/2013 Cláudio Giannico

Após um mês sem encontrar as lâmpadas incandescentes de 150W e 200W nas prateleiras de supermercados e home centers, inevitavelmente os consumidores podem se deparar com a dúvida no momento da compra de reposição.

Isso porque, até então, o mercado brasileiro está acostumado a consumir esse tipo de produto como primeira opção, atingindo cerca de 300 milhões de incandescentes por ano. Mas, afinal, qual a melhor alternativa para substituir as tradicionais lâmpadas inventadas por Thomas Edison, há mais de 120 anos?

A tecnologia com filamento de tungstênio que perdurou por gerações sai do mercado e deixa o papel de protagonista para os produtos com novas soluções energeticamente mais eficientes, como as fluorescentes compactas, halógenas e os LEDs, que possuem alto valor agregado em sustentabilidade e economia. No caso das incandescentes acima de 150W, temos como substitutas mais lógicas as eletrônicas de alto fator de potência (entre 28W e 105W).

Já no caso das lâmpadas com potência igual ou menor que 100W, que começam a ser banidas a partir de Julho de 2014, as halógenas de 42W (substitutas das de 60W) e 70W (substitutas das de 100W) são as opções mais baratas, pois possuem preço entre as incandescentes e eletrônicas, duração de 1.000 horas, oferecem 30% de economia de energia, além do mesmo brilho das tradicionais, fator essencial no momento de compra. Além disso, os LEDs e as eletrônicas também são opções viáveis.

Em um primeiro momento, pode parecer que a substituição não é vantajosa e prejudicará o bolso do consumidor, pois precisará pagar mais caro pelas lâmpadas alternativas. Entretanto, é importante entender a ação como um investimento antecipado e logo será possível perceber a economia com a mudança. Hoje, por exemplo, uma lâmpada incandescente comum de 60W custa, em média, R$ 1,50 e dura, aproximadamente, 1.000 horas. Já uma fluorescente de 15W, que pode substituir a incandescente de maneira equivalente, custa, mais ou menos, R$ 7,50 e é capaz de atingir uma vida mediana de 8.000 horas.

Isso significa que, apesar de ter um custo inicial maior, ela dura oito vezes mais que a tradicional. O preço de uma lâmpada de LED é mais alto, mas o modelo que substitui uma incandescente de até 40W, por exemplo, consome apenas 8W. Ou seja: cinco vezes menos. Além disso, sua vida útil de 50.000 horas e a economia de energia de até 90% fazem com que o LED gere benefícios constantes.

Para que o consumidor fique atento e possa escolher as melhores opções, vale destacar que as lâmpadas de 60W, potência mais comercializada no país, terão venda proibida no dia 30/06/2015 e o processo deve ser encerrado em 30/06/2016, quando as lâmpadas incandescentes com potência entre 25W e 40W também sairão das prateleiras.

Não fazem parte da regulamentação

A Portaria n° 1007, de 31 de dezembro de 2010, determina que as lâmpadas tradicionais que não se encaixam nos novos índices de eficiência energética devem ser banidas do mercado até 2016, em ordem decrescente de potência.

Porém, permanecem no mercado as incandescentes com bulbo inferior a 45 milímetros de diâmetro e com potências iguais ou inferiores a 40W; específicas para estufas e equipamentos hospitalares; refletoras/defletoras ou espelhadas, caracterizadas por direcionar os fachos luminosos; lâmpadas para uso em sinalização de trânsito e semáforos; incandescentes halógenas; infravermelhas utilizadas para aquecimento específico por meio de emissão de radiação infravermelha; incandescentes para uso automotivo.

*Cláudio Giannico é formado em Administração de Empresas pela FMU, com MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e é gerente nacional do Canal Retail da OSRAM.



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes