Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quando a professora quis ganhar cartaz em cima dos cartazes de outro

Quando a professora quis ganhar cartaz em cima dos cartazes de outro

12/12/2022 Antônio Marcos Ferreira

- Tia Dete, será que eu posso levar alguns cartazes para fazer uns quadros para nossa sala de aula?

- Claro. Tem vários aqui, que chegaram com as folhinhas deste ano.
- Gostei muito deste aqui. Vou fazer um quadro com ele e levar os outros para meus colegas também fazerem. 

Esta conversa aconteceu em 1966, entre o meu irmão caçula, o Helinho, e a minha tia, irmã do meu pai, com o qual tinha, em sociedade, uma loja de tecidos, roupas e cama e mesa em Manga. 

E as lojas recebiam no fim do ano uns calendários com paisagens muito bonitas. A idéia do Helinho era fazer quadros para enfeitar as paredes da sala de aula. 

Ele estudava no terceiro ano do curso primário no Grupo Escolar Presidente Olegário, onde todos os irmãos estudaram.

Desde pequeno mostrou um temperamento forte, que o levava a defender os seus direitos, mesmo diante dos mais velhos ou dos seus parentes.

Com a permissão da tia Dete, ele resolveu levar os cartazes para a escola. Chegando na sala, mostrou-os para sua professora e explicou-lhe sobre a sua idéia. 

Naquele dia, pouco antes do final da aula, estavam ocorrendo os ensaios para a comemoração do dia do soldado. Ele participava de uma esquete e foram chamá-lo para o ensaio. Então saiu da sala antes de terminar a aula. 

Participou normalmente do ensaio, e quando voltou à sala de aula foi surpreendido com o que tinha acontecido. A professora tinha distribuído todos os seus cartazes para os alunos. 

E o pior: aquele que ele gostara mais e que escolhera para fazer o quadro tinha sido entregue para o seu maior desafeto. 

Pensa num moleque bravo! Não perdeu a oportunidade de dizer à professora que ela não tinha o direito de fazer aquilo. 

Saiu furioso da sala e, já fora da escola, foi coletando os cartazes que estavam com os  colegas e rasgando um por um.  Rasgou todos que conseguiu pegar. 

No dia seguinte, ao entrar na sala de aula, ouviu a professora perguntar aos alunos pelos quadros dos cartazes que ela entregara no dia anterior. 

- Professora, eu não estou mais com o meu cartaz. 
- Mas o que foi que aconteceu? Eu entreguei na sua mão. 
- Mas o Helinho tomou e rasgou. 
A professora então virou-se pra ele. 
- Porque você rasgou os cartazes? 
- Porque eram meus. Eu não tinha dado para a senhora. Você não podia ter dado pra ninguém porque eu não tinha dado pra você! Porque você distribuiu? 
- Mas você não podia rasgar! 
- Podia sim. Eram meus. Eu faço deles o que quiser. Eu não te dei. 
- Então você vai ficar de castigo. 
- Não vou. 
- Vai sim. 
- Não vou. 

A professora então arrastou a carteira com ele sentado nela e colocou no canto da sala. E aproveitou para ameaçá-lo de que ele tinha que ir pois ela ia chamar a diretora. 

- Pode chamar. 

O detalhe é que a diretora era nossa mãe. Mesmo assim ele não se levantou e foi arrastado para o canto da sala, encostado na parede. 

Terminada a aula ele foi para casa. Assim que chegou, nossa mãe perguntou a ele:

- Por que você rasgou os cartazes que tinha levado pra escola? 
- Rasguei porque eram meus. Eu não dei para ela. Levei para perguntar a ela se podia fazer os quadros. Ela pegou meus cartazes e distribuiu pra todo mundo. Não eram dela e ela não podia dar pra ninguém. Eram meus e por isso é que eu rasguei. 

A minha mãe, do jeito que ouvira calada, calada ficou. Não o repreendeu. Até hoje ele se lembra dessa história como um fato marcante, onde um silêncio mostrou muito a ele sobre autoridade e justiça. 

Salve Dona Ana!

* Antônio Marcos Ferreira

Para mais informações sobre história clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli