Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quando desistir de uma franquia?

Quando desistir de uma franquia?

02/08/2014 Nadia Korosue

O mais difícil você conseguiu: juntou todo o dinheiro para investir em uma franquia. Isso é o que parecia mais complicado. Agora, com todo o mercado na sua frente, você pode colocar as mãos na massa e ver qual entre as diversas marcas disponíveis é a melhor.

Agora, é só escolher uma e finalmente seguir o seu sonho de empreender. A situação não é simples assim. O que pouquíssimos textos sobre franquias vão contar é que esse momento é bastante delicado. Especialmente por mexer no lado emocional do empreendedor e seu sonho, esse momento exige muita calma. É nesta hora que uma atitude precipitada pode custar muito caro lá na frente.

Para ajudar nesse processo, há três passos básicos. O primeiro é checar o manual da franquia, documento em que consta a experiência do franqueador, para entender o básico de como as coisas funcionam. Depois, é o momento de conversar com outros franqueados. Por fim, pesquisar na internet a fama da franquia. Depois que você fez isso, certos sinais, como os listados abaixo, podem mostrar que não é a hora de apostar as suas fichas. Confira:

Reclamação de usuários - É óbvio: o sucesso de uma marca depende da aceitação dos consumidores. Empresas que recebem inúmeras reclamações de usuários por conta dos seus produtos e serviços têm dois caminhos a seguir: ou elas mudam de postura para inverter o jogo ou podem se preparar para fechar as portas. Hoje, com a ajuda da internet, as reclamações em uma rede social, por exemplo, tomam proporções muito maiores do que no boca a boca e podem atingir um número inimaginável de pessoas.

Não são poucos os sites dedicados a abrir espaços para consumidores prestar queixas da qualidade de uma empresa. Você pode aproveitar isso a seu favor. Pesquise sobre a marca que você pensa em escolher na internet. Se houver inúmeras reclamações, de pessoas que colocaram seus nomes reais, é bom pensar duas vezes antes de adquirir essa franquia.

Estrutura de suporte - Não se preocupe apenas com o nome da marca e no segmento em que ela atua. É preciso pensar também como será após a assinatura do contrato. O franqueador tem condições de dar o suporte necessário para a sua franquia se estabelecer no mercado? Ele informa com antecedência como serão feitos os treinamentos e cursos de reciclagem? Para tirar essas dúvidas, converse com alguns franqueados mais antigos. Se as respostas forem desanimadoras, procure outra franquia para investir.

Taxas cobradas - Lembre-se que o custo total da aquisição do negócio não se limita apenas à taxa de franquia e ao investimento do ponto comercial. A maioria das franquias cobra, mensalmente, taxa de royalties e de publicidade. Veja qual é a média do mercado. Se os valores forem muito maiores, não pense duas vezes em fugir do contrato.

Experiência do franqueador - Outro fator que pesa muito na hora de escolher uma franquia é a experiência do franqueador. Vamos supor que a marca apresente todos os sinais essenciais para obter sucesso, só que ela não tem experiência no mercado e, muito menos, com o modelo de franquias. Será que o franqueador sabe como enfrentar um momento de crise? A resposta é incerta, pois ele nunca passou por isso. Então, a falta de experiência do franqueador pode ser um risco que você precisa levar em consideração.

*Nadia Korosue é administradora de empresas, especialista em projetos, sócia da GOAKIRA, consultoria especializada em franquias e varejo.



A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.