Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quando desistir de uma franquia?

Quando desistir de uma franquia?

02/08/2014 Nadia Korosue

O mais difícil você conseguiu: juntou todo o dinheiro para investir em uma franquia. Isso é o que parecia mais complicado. Agora, com todo o mercado na sua frente, você pode colocar as mãos na massa e ver qual entre as diversas marcas disponíveis é a melhor.

Agora, é só escolher uma e finalmente seguir o seu sonho de empreender. A situação não é simples assim. O que pouquíssimos textos sobre franquias vão contar é que esse momento é bastante delicado. Especialmente por mexer no lado emocional do empreendedor e seu sonho, esse momento exige muita calma. É nesta hora que uma atitude precipitada pode custar muito caro lá na frente.

Para ajudar nesse processo, há três passos básicos. O primeiro é checar o manual da franquia, documento em que consta a experiência do franqueador, para entender o básico de como as coisas funcionam. Depois, é o momento de conversar com outros franqueados. Por fim, pesquisar na internet a fama da franquia. Depois que você fez isso, certos sinais, como os listados abaixo, podem mostrar que não é a hora de apostar as suas fichas. Confira:

Reclamação de usuários - É óbvio: o sucesso de uma marca depende da aceitação dos consumidores. Empresas que recebem inúmeras reclamações de usuários por conta dos seus produtos e serviços têm dois caminhos a seguir: ou elas mudam de postura para inverter o jogo ou podem se preparar para fechar as portas. Hoje, com a ajuda da internet, as reclamações em uma rede social, por exemplo, tomam proporções muito maiores do que no boca a boca e podem atingir um número inimaginável de pessoas.

Não são poucos os sites dedicados a abrir espaços para consumidores prestar queixas da qualidade de uma empresa. Você pode aproveitar isso a seu favor. Pesquise sobre a marca que você pensa em escolher na internet. Se houver inúmeras reclamações, de pessoas que colocaram seus nomes reais, é bom pensar duas vezes antes de adquirir essa franquia.

Estrutura de suporte - Não se preocupe apenas com o nome da marca e no segmento em que ela atua. É preciso pensar também como será após a assinatura do contrato. O franqueador tem condições de dar o suporte necessário para a sua franquia se estabelecer no mercado? Ele informa com antecedência como serão feitos os treinamentos e cursos de reciclagem? Para tirar essas dúvidas, converse com alguns franqueados mais antigos. Se as respostas forem desanimadoras, procure outra franquia para investir.

Taxas cobradas - Lembre-se que o custo total da aquisição do negócio não se limita apenas à taxa de franquia e ao investimento do ponto comercial. A maioria das franquias cobra, mensalmente, taxa de royalties e de publicidade. Veja qual é a média do mercado. Se os valores forem muito maiores, não pense duas vezes em fugir do contrato.

Experiência do franqueador - Outro fator que pesa muito na hora de escolher uma franquia é a experiência do franqueador. Vamos supor que a marca apresente todos os sinais essenciais para obter sucesso, só que ela não tem experiência no mercado e, muito menos, com o modelo de franquias. Será que o franqueador sabe como enfrentar um momento de crise? A resposta é incerta, pois ele nunca passou por isso. Então, a falta de experiência do franqueador pode ser um risco que você precisa levar em consideração.

*Nadia Korosue é administradora de empresas, especialista em projetos, sócia da GOAKIRA, consultoria especializada em franquias e varejo.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.