Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Que venha 2020!

Que venha 2020!

31/12/2019 Bady Curi Neto

Mais um ano termina e a briga política ideológica entre alguns esquerdopatas e o atual governo parece não ter fim.

Acusações, elevação do tom sobre pequenas falas desavisadas de um lado e do outro, que poderiam passar despercebidas - afinal para quem já teve um presidente da república que se orgulhava em dizer que seu primeiro diploma era de presidente e que não era afeito à leitura, sem contar a chefe do executivo que exaltava a mandioca e pretendia estocar vento -, foram problematizadas em excesso.

No entanto, poderíamos fazer vista grossa para alguns discursos fora do tom da direita.

Chamo de esquerdopatas e também alguns direitopatas aqueles indivíduos que sofrem de uma sociopatia política e ideológica que os impedem de enxergar soluções benéficas para o Brasil desde que seu lado político não seja autor ou protagonista destas ideias, como se existisse o dono da razão.

Nessa linha de pensamento, o que vem do lado oposto está sempre contaminado.

O Brasil passou este ano a passos lentos, a oposição, o centrão e mesmo a conjuntura nacional deveriam ter dado pressa às medidas de extrema importância para o desenvolvimento do país, como as reformas tributária, administrativa, entre outras.

A Reforma da Previdência, a duras penas retirados os estados e municípios que estão à míngua, mesmo que desidratada, fora aprovada pelo bem do país.

O Brasil parou para assistir o julgamento da possibilidade ou da revogação da prisão em segundo grau, se estava de acordo os ditames constitucionais, cujo texto é de clareza ímpar em descrever que ninguém pode ser considerado culpado até que a sentença condenatória transite em julgado, ou seja, até que não caibam mais recursos.

Os profetas do apocalipse diziam que, se fosse revogada a prisão de segundo grau, a marginalidade estaria solta, que o Brasil iria viver um caos de violência, todos os malfeitores, estupradores, homicidas, latrocidas, traficantes, entre outros, estariam postos na rua para continuar seus malfeitos, aterrorizando os cidadãos de bem.

O discurso apocalíptico e sofístico não esclarecia à população que a maioria desses presos está encarcerada por prisão preventiva e não por condenação em segundo grau.

A matéria de fundo dessa afronta à constituição federal passou a ser a possibilidade da soltura de alguns condenados da Lava Jato, notadamente seu maior expoente, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A celeuma fugiu do campo jurídico, passando para um campo político.

A prisão em segundo grau foi revogada, não houve nenhum aumento nos índices de criminalidade (por esta razão). Lula está condenado (sem o trânsito em julgado), mas não encarcerado, parecendo ter diminuído, inclusive, a força de seu discurso político quando recluso.

O jargão “Lula Livre” perdeu força em algumas manifestações petistas. A caravana após a libertação do ex-presidente não teve o efeito esperado, movimentou meia dúzia de pessoas praticamente compostas por asseclas ou contratadas.

O Brasil deve priorizar os projetos para o aquecimento da economia, tão bem defendidos pelo ministro Paulo Guedes e com total apoio do presidente da República ao invés de criar crise onde não existe.

Guedes mencionou o AI-5 e, em um desvirtuamento da frase posta e que passou a ser manchete na maioria dos jornais, parece que ele retrata o desejo da presidência.

Que em 2020 as fofocas políticas fiquem para trás e que as reformas importantes para o país sejam implementadas com maior rapidez e seriedade. Feliz Ano Novo!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli