Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quebrando o tabu: a importância de falar de dinheiro

Quebrando o tabu: a importância de falar de dinheiro

21/03/2016 Lélio Braga Calhau

A crise tem nos feito (re)pensar nossa relação com o dinheiro.

Quebrando o tabu: a importância de falar de dinheiro

Conversamos mais sobre isso com amigos, vizinhos e parentes e trocamos experiências (positivas e negativas).

Conversar sobre dinheiro ainda é um tabu. Na frente de crianças, alguns até perdem o fôlego para tratar desse assunto. Pode não ser fácil, mas esse tema deve ser abordado dentro das famílias desde cedo.

Afinal o dinheiro e suas limitações devem ser compreendidos desde cedo pelas crianças. Não adianta fantasiar que se pode ter tudo, pois, na realidade, não se pode.

Entender essa complexidade é bom para o futuro das crianças e evita o surgimento de uma legião de adultos endividados pelos mais variados motivos.

Dentre eles, chamo a atenção para os esbanjadores, perdulários ou pródigos. São pessoas que parecem que vivem numa realidade distante.

A coisa está apertada para todos e eles continuam num padrão de consumo além das possibilidades e sem condição nenhuma de ser sustentado no futuro.

São pessoas que não se preocupam com o dinheiro e com o futuro em nenhuma intensidade. Deixam isso para outras pessoas ou para “depois”. Isso acaba sendo desastroso.

Nos casos mais graves, os pródigos estão sujeitos até a interdição. Isso ocorre, pois podem acabar com o patrimônio todo de uma vida num ato só.

Não pensam nas consequências e acabam tendo que ser interditados, sob pena de se dizimarem financeiramente de uma hora para a outra.

Essas pessoas caminham, de uma forma derradeira, para o precipício financeiro. Cedo ou tarde a realidade de que o dinheiro não aceita desaforo vai surgir e cobrar um preço muito caro de quem tenta desafiá-lo.

A experiência tem demonstrado que o respeito ao dinheiro, gostando ou não dele, é uma necessidade de sobrevivência de todas as pessoas.

Por mais que seja interessante se apropriar do cheque especial e do cartão de crédito como um "aumento de renda", isto é equivocado e trata-se de uma prática comum que pode levar você a um futuro desse sofrimento.

Com o passar dos anos, aumentam sensivelmente, por exemplo, as despesas com saúde de forma quase astronômica e quem não se preparou lá atrás pode passar por momentos de sufoco, tendo que depender de familiares ou terceiros para suas necessidades mais imediatas.

Recentemente uma matéria num jornal de ampla circulação no Brasil que os custos dos planos de saúde triplicarão nos próximos quinze anos. As pessoas que gastam mais do que ganham acabam entrando numa espiral muito negativa para o futuro.

Ao invés, de investirem, elas passam a ser reféns de cartão de crédito e cheque especial. Isso, talvez, não cause muito prejuízo no curto prazo, mas para os que fazem isso de uma forma contínua, o tempo chega e cobra um preço incrivelmente alto pelo mau uso do dinheiro.

É muito comum caso de pessoas que tinha muito dinheiro há 20, 30 anos e hoje estão na rua da amargura por falta de educação financeira. Não caia nessa armadilha também.

Fique atento e proteja o seu dinheiro hoje e também o seu futuro financeiro de médio e longo prazo. O dinheiro não aceita desaforo. Não duvide disso.

* Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais.



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques