Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quem são nossos jovens

Quem são nossos jovens

25/08/2021 André “Bodão” Marcos

No século 20, os jovens percebem que suas vidas são dominadas pelo cenário político e vemos as primeiras reações aos governos.

Muitos jovens, integrantes de partidos e agremiações de esquerda, divergem da ideia da guerra patriótica e se lançam na política.

Porém, o grande salto vem depois da Segunda Guerra Mundial, quando a geração dos Baby Boomers chega às Universidades.

A partir dos anos 1950, os jovens começaram a se interessar e, principalmente, participar do cenário político, dos Estados Unidos, Europa e América Latina.

Os movimentos estudantis chegaram a suplantar os movimentos operários durante o período das ditaduras militares na América do Sul.

Os jovens entraram definitivamente na luta por melhorias sociais, políticas e econômicas. Manifestações surgiram no mundo todo, e, lembrem: ainda não havia redes sociais.

Na França, o Maio de 68, promovido pelos estudantes, abalou as estruturas tradicionais do país e influenciou os estudantes brasileiros na luta contra a ditadura em terras tupiniquins.

Com a morte do estudante Edson Luís e a Passeata dos Cem Mil, os jovens marcaram seu nome na história do Brasil.

“Caminhando e cantando”, “Sem lenço, sem documento”, eles avançavam em suas ideias de sociedade e organização política.

Nos anos 70 e 80, com o arrefecimento da Guerra Fria, com algumas conquistas ligadas aos direitos civis e devido ao final gradativo das ditaduras latino-americanas, os jovens daquele período, segundo Mário Sérgio Cortella, “perderam” o interesse pelas lutas coletivas e passaram a se dedicar ao seu desenvolvimento e enriquecimento próprio.

É o que chamamos na história de geração Yuppie, influenciada pelas diretrizes do neoliberalismo e da Era Reagan/Thatcher.

Nos anos 90, com o fim da União Soviética (1991) e da Guerra Fria, a geração Z, conhecidos como nativos digitais, perderam ainda mais o interesse pela política, pois as mudanças são muito lentas e o descrédito na classe política é muito grande. 

Nos anos 2000, assistimos a algumas manifestações de jovens, como na Primavera Árabe (2008), quando, por meio das redes sociais, os movimentos pela democracia em países governados por ditaduras há décadas conseguiram derrubá-las.

No Brasil, em 2013 e 2014 também tivemos várias manifestações dos jovens estudantes nas ruas exigindo, principalmente, maior honestidade da classe política.

Os mais velhos, como eu, dizem que essa geração atual, chamada pejorativamente de “floco de neve”, é muito “fresca” e cheia de “mimimi”. Mas, basta uma análise superficial para vermos o quanto isso está errado.

Os jovens dos anos 2020 sabem reivindicar seus direitos, apresentam ideias excelentes para a resolução dos problemas atuais – basta frequentar as feiras de ciências das escolas e universidades do país – além de não aceitarem qualquer forma de intolerância, discriminação ou racismo.

Como educador, fico muito orgulhoso quando um jovem em sala de aula, balança a cabeça em sinal de negação ao ouvir uma expressão discriminatória ou piadinhas estilo anos 80.

Não precisamos recriar a geração dos anos 60, como muitos dizem… precisamos dar oportunidades a essa geração de participar do cenário político.

* André “Bodão” Marcos é especialista em História do Brasil e Gestão Escolar, professor do Colégio Positivo e Assessor Pedagógico no Centro de Inovação Pedagógica, Pesquisa e Desenvolvimento - CIPP, do Grupo Positivo.

Para mais informações sobre jovens clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos:


Combate ao terrorismo após 11 de setembro: incertezas e desafios

Faz 20 anos que acompanhamos, principalmente pela televisão, o maior ataque terrorista da história contemporânea.


ESG qualifica empresas na busca por investidores

Segundo a Morningstar, no início do segundo semestre o volume global investidos em fundos ESG ultrapassou o montante de US$ 2,3 trilhões.


A vacina é para todas as idades

Em todas as fases da vida manter a caderneta de vacinação em dia é muito importante.